• Cinema
  • Inspiração
  • Leitura
  • Música
  • Playlist
  • Resenha
  • Série
  • Texto
  • Vídeo
18 janeiro 2017

Resenha:Confissões de Um Amigo Imaginário

Confissões de Um Amigo Imaginário
Título: Confissões de Um Amigo Imaginário
Autora: Michelle Cuevas
Editora: Galera Júnior
Páginas: 176
Ano: 2016
Sinopse: Uma imperdível aventura de alguém que descobre existir apenas na imaginação de uma garotinha. Um livro para todos aqueles que, um dia, já se sentiram à margem, deixados de lado... invisíveis Jacques tem uma leve suspeita de que ninguém gosta dele. Professores o ignoram solenemente quando levanta a mão e até mesmo seus pais precisam ser lembrados de colocar um lugar à mesa para ele! Graças a Deus por Fleur, a irmã e companheira constante. Mas então Jacques descobre uma verdade devastadora: ele não é o irmão de Fleur; é seu amigo imaginário! E aí começa uma tocante e divertida busca por seu eu verdadeiro. Uma imperdível jornada em busca do significado da vida leva Jacques de encontro às mais peculiares crianças, imaginárias e reais, e o faz descobrir a incrível e invisível maravilha de ser quem se é.

Me deu tanta saudade de ler um livro mais juvenil, que corri para lançamentos da Galera Record Junior. Essa história parecia no começo bem bobinha, mas foi uma grande surpresa recordar minha infância e ver com outros olhos, o que eu tive e muitas crianças tambem tiveram.
“Você já notou como os olhos de uma pessoa ficam mais iluminados quando eles falam de algo que amam?”

Jacques é um ser imaginário de  8 anos e que logo me cativou. Apesar do livro ser tão curto, conhecemos mais a fundo Jacques e outros personagens secundários, como a Vaqueira, e Fleur, uma garota real mesmo que teve Jacques como seu melhor amigo imaginário.
“Espero que alguém tenha visto você.

Alguém me viu.
Fleur sempre me viu.”

A escrita da autora é muito acessível , entao as crianças irão ler facilmente a história. O livro pode parecer muito simples, mas a cada capitulo , voce pode se encantar mais e interpretar de uma forma diferente.

“Todos nós queremos encontrar aquela pessoa que conhece nosso eu real, nossas esquisitices, e, ainda assim, nos compreende. Alguém já viu você? Realmente, de verdade, a parte mais profunda que parece invisível ao resto do mundo?”





Nota:  ★★


divulgar

1 comentário


Comentário(s) pelo Facebook:

Um comentário:

  1. Oii Bia, amei a resenha e já quero ler esse livro. Acho que ele deve ter a mesma "pegada" que Sete Depois da Meia-Noite, com relação a ter diferente interpretações possíveis e uma linguagem acessível a qualquer pessoa.
    - Beijos, Carol!
    http://entrehistoriasblog.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir