• Cinema
  • Inspiração
  • Leitura
  • Música
  • Playlist
  • Resenha
  • Série
  • Texto
  • Vídeo
18 julho 2018

Resenha: Construção de Noah Shaw, Michelle Hodkin



A Construção de Noah Shaw é a história contada  a partir do ponto de vista de Noah e através de sua perspectiva, o spin-of de Mara Dyer , continua a jornada de Noah e Mara para explorar mais seus dons sobrenaturais (cura de Noah e habilidades de matar de Mara). E para a surpresa, eles descobriram que nao eram os únicos que tinham esses poderes sobrenaturais.Cada personagem novo tem um segredo obscuro, porém alguns não tiveram a chance de revela-los antes de morrerem inesperadamente.

Mesmo apresentando personagens novos, rever Noah, Mara, Jamie, foi tão maravilhoso, que meus olhos brilhavam só em ver seus nomes nas páginas. O primeiro pensamento que me veio à mente quando terminei o livro foi: como assim?  Foi tudo tão rápido, que nem percebi que tinha absorvido a história. Michelle Hodkin continua com uma escrita incrivel além da sua Trilogia Mara Dyer, trazendo um toque de originalidade e sobrenatural.

Embora, a autora tenha citado diálogos ou cenas específicos de algum livro da trilogia, para garantir que estivessemos acompanhando tudo, havia alguns detalhes que eu nao conseguia lembrar, já que li ha trilogia há mais de um ano atrás.

Apesar de ter tido essa “dificuldade”, o final foi chocante e agora mal posso esperar pela sequencia. Afinal, eu pensava que sabia muita coisa sobre Mara e Noah, mas me deparo com a pura verdade: não sei de quase nada.

A escrita de Michelle é continua insana e tão boa, entregando algo diferente e ainda inesperado.



divulgar

comentar

13 julho 2018

Resenha: Leis da Atração , Simone Elkeles



Título: Leis da Atração  - Trilogia Química Perfeita #2
Autora: Simone Elkeles
Editora: Globo Alt
Páginas: 300 
Ano:2018
Sinopse:Carlos Fuentes voltou aos Estados Unidos, mas não está feliz com nenhum dos planos que seu irmão mais velho, Alex, traçou para ele. Carlos quer continuar vivendo à margem da lei e trilhar seu próprio caminho, mas os elos com a perigosa gangue com que ele se envolveu no México estão colocando sua liberdade em risco.Quando encontram drogas em seu armário da escola, Carlos é transferido para a casa de um antigo professor de seu irmão, que tem uma família bem-estruturada e uma filha estudiosa e tímida, Kiara. Apesar de serem de mundos completamente opostos, Carlos e Kiara serão forçados a viver juntos e descobrirão que, quando há atração, as diferenças são esquecidas.
À medida que o perigo cresce, Carlos começará a questionar se aquela família americana é mesmo sua única saída, e se vale a pena se arriscar por uma chance em uma vida que ele nunca sonhou ser possível.

Carlos, o irmão mais novo de Alex, chega ao Colorado para morar com o irmão, mas imediatamente se vê em apuros com a lei depois de um surto de drogas na escola, onde foi acusado de um crime. Na escola, Carlos conhece Kiara, que é tão oposta a qualquer garota por quem ele se apaixonaria.Todavia, por uma série de circunstâncias, ele vai morar com sua família, já que o pai de Kiara acha que ele merece uma segunda chance. Então, só imagina a montanha russa entre Carlos e Kiara.

"Quero viver minha vida nos meus próprios termos. Mas sou mexicano, então mi familia está sempre lá para me guiar em tudo que faço, quer queira ou não. Bom, "guiar" não é bem a palavra certa. "Ditar" seria mais correto."

Na sequencia de Química Perfeita, foi maravilhoso rever Alex e Britt. Mas antes disso, eu amei essa capa ! Além do título, que nos lembtra que nao há regras de atração. Leis da Atração é viciante, tem uma pegada hot e caliente, porém com aquele clichê de ter o cara malvado com um bom coração. Mas ay dios mio, Carlos é apaixonante demais.

"Sair com ele significa ter que manter uma muralha emocional muito bem erguida, para que não fiquemos tão envolvidos. Não sei se a minha é tão forte assim."

Apesar de ter gostado muito do segundo livro,nao achei que o relacionamento entre Carlos e Kiara fluiu tão bem quanto com Alex e Brittany .Pareceu muito abrupto e apressado, como se nao tivesse aquele tempo de conquista, da paixão mesmo e meio que isso me decepcionou.
Mas,Leis da Atração continua com uma escrita boa, fluida, personagens cativantes e uma boa história. So vem o terceiro livro, por favor, que contará a história de Luiz, o irmão mais novo dos irmãos Fuentes.



divulgar

comentar

06 julho 2018

Resenha:Pequenos incêndios por toda parte, Celeste NG


 

📖 Pequenos incêndios por toda parte | @pronounced_ing | @intrinseca | 5/5🍿
A casa da família Richardson foi incendiada. E, parece que tudo começou aos poucos: com pequenos incêndios por toda parte. Porém, isso não é de agora, começou bem antes. Mia e Pearl moram há pouco tempo em Shaker Heights, e depois Izzy nasceu. Ou será que tudo começou quando um bebê foi abandonado na porta de um quartel do corpo de bombeiros?

Tudo em Shaker Heights parece perfeito.Porém,  quando a artista Mia e sua filha, Pearl , se mudam para a cidade, os moradores ficam inquietos com sua chegada, principalmente, a jornalista Elena Richardson que, gosta das regras que regem a cidade. Com sua rotina nômade e contrastante, mae e filha se tornam inquilinas dos Richardson. Logo, os 4 filhos do casal se encantam pelas duas. Todavia, o passado de Mia pode desestruturar a ordem da cidade.

"Lembre-se, às vezes, é preciso queimar tudo e recomeçar. Depois de queimar, o solo fica mais rico e coisas novas podem crescer ali. As pessoas também são assim, sabe? Elas recomeçam."

Essa foi minha primeira experiência com a Celeste Ng e confesso que foi como ler uma prosa metafórica, já que pequenas faíscas podem causar desastres maiores.A autora analisa os moradores da cidade, seus interesses e conflitos, ou seja, tudo o que levou ao incêndio.

Através de diferentes pontos de vista, Celeste Ng também retrata a questão da maternidade: se é simplesmente biológico ou amor? O que significa ser mãe?

A narrativa da Celeste Ng é fluida, precisa, expondo temas que te fazem refletir ao mostrar os dois lados de uma mesma história.E apesar de ser lento e descritivo, não me cansou nenhum pouco, me instigando a ler cada vez mais.

 Um paradoxo que explora a maternidade em toda a sua complexidade. Mistério, grandes revelações e uma metáfora que aos poucos, vai crescendo, se alastrando por toda a parte e destruindo o que está pela frente.




divulgar

comentar

04 julho 2018

Resenha: Todas as coisas belas, Matthew Quick



Título: Todas as coisas belas
Autor:
 Matthew Quick
Gênero:Jovem Adulto , Romance
Páginas: 272
Editora Intrínseca
Ano: 2018
Sinopse: Aos 18 anos, Nanette O’Hare é a típica boa garota. No fundo, porém, ela nunca se sentiu realmente parte do grupo, sufocando em um permanente desconforto com diversas atitudes das amigas e com os padrões sociais. Mas tudo muda quando, no último ano do colégio, ela ganha um livro de seu professor preferido, o clássico cult O ceifador de chicletes, e fica fascinada com a mensagem de que ela pode ser de fato quem é. Nanette se torna amiga do recluso autor e se apaixona por Alex, um jovem poeta que também é fã do livro. Encantada com esse novo mundo que se abre, ela se permite, pela primeira vez, tomar as próprias decisões. No entanto, aos poucos Nanette percebe que a liberdade pode ser um desejo arriscado e começa a se perguntar se a rebeldia não cobra um preço alto demais.

Nanette O'Hare tem a vida perfeita: um futuro todo planejado por seus pais, sendo a melhor em na escola, em casa e  uma ótima jogadora de futebol. Porém, ela não se sente feliz com isso, sente como se estivesse fingindo ser alguém que não é.Em seu ultimo ano, Nanette ganha um livro de seu professor:"O ceifador de chicletes", do Nigel Booker. Logo nas primeiras paginas, a garota devora o livro , que desperta coisas novas em si. Mesmo com o livro finalizado, ela ainda quer conhecer o autor e acaba se tornando amiga dele e conhecendo outras pessoas que adoraram o livro.Entre eles, o Alex, que se torna seu primeiro amor. Cheia de conhecimento e descobrindo sobre si, Nanette toma decisões que mudarão sua vida, porém nem tudo é tão simples.
⠀⠀
"Todas as Coisas Belas" tem uma premissa simples, porém o poder da história em si dependerá de como o leitor interpretará o livro. E isso foi algo que amei na escrita do
Matthew Quick A leitura é rápida e envolvente, com humor  e sensibilidade.

 Nanette é uma personagem real e que proporcionará tantos sentimentos, que é impossível não comparar tudo a uma roleta russa. Sem contar que Matthew Quick parece ter escrito essa narrativa de forma bem especial, fazendo ou você ficar mais intimo dos personagens ou da situação.

“ Então, me diga: do que você gostaria de se ver livre, mais do que tudo no mundo?”

E como lidar com uma mensagem linda do quanto os livros podem mexer com a gente? São tantas questões nas entrelinhas, que compreender  "Todas as Coisas Belas" é fundamental.Matthew Quick fala sobre amadurecimento, escolhas, sonhos e responsabilidade,de maneira leve e encantadora.Essa é a história de Nanett O'Hare, uma garota que sonhava em se encontrar, porém também sobre Alex, que merecia o mundo; sobre Booker, um autor misterioso; e tua, uma pessoa que merece todas as coisas belas do mundo. 



"Quem sabe entregar-se à própria natureza nos impulsiona para o desconhecido, na direção de objetivos que ainda não visualizamos, mas que existem mesmo assim." 

Se descobrir pode ser uma jornada solitária, dura e cruel, mas é libertador quando nos encontramos nisso. Toda história vale a pena ser contada, então se permita ser quem é , apesar de tudo.






divulgar

comentar

29 junho 2018

Resenha: Mais forte que o sol #2, Julia Quinn






Livro: Mais Forte Que o Sol (Irmãs Lyndon #2)

Autor(a): Julia Quinn
Editora: Arqueiro
Páginas: 288
Ano:2018
* Livro cedido através da parceria com a editora

Sinopse:Quando Charles Wycombe, o irresistível conde de Billington, cai de uma árvore – literalmente aos pés de Elllie Lyndon –, nenhum dos dois suspeita que esse encontro atrapalhado possa acabar em casamento. Mas o conde precisa se casar antes de completar 30 anos, do contrário perderá sua fortuna. Ellie, por sua vez, tem que arranjar um marido ou a noiva intrometida e detestável de seu pai escolherá qualquer um para ela. Por isso o moço alto, bonito e galanteador que surge aparentemente do nada em sua vida parece ter caído do céu. Charles e Ellie se entregam, então, a um casamento de conveniência, ela determinada a manter a independência e ele a continuar, na prática, como um homem solteiro. No entanto, a química entre os dois é avassaladora e, enquanto um beijo leva a outro, a dupla improvável descobre que seu casamento não foi tão inconveniente assim, afinal...



 Mais Forte que o Sol | @editoraarqueiro | @juliaquinnauthor | 4🌟

Ellie Lyndon é uma solteirona independente que vive com o pai e sua futura madastra, que está fazendo da sua vida um inferno. Porém, alguém simplesmente cai da arvore: um conde desesperado para se casar e caindo de bêbado aos seus pés. Charles Wycombe precisa casar dentro de quinze dias ou perderá o direito á herança;Claro que esse casamento por conveniência seria a solução do problema dos dois, porém Charles quer consumar o casamento, enquanto Ellie só pensa em fugir disso. Todavia, o desejo e alguns sentimentos conflitantes começam a surgir.

⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Mais Lindo Que A Lua foi um livro que deixou a desejar para mim. Porém, Mais Forte Que o Sol mostrou o quanto Julia Quinn amadureceu, apesar de ser um dos primeiros livros dela.

 Ellie Lyndon é bem diferente da sua irmã: determinada, inteligente, afiada e espirituosa. Já Charles,o Conde de Billington, é charmoso, libertino, porém irritável ao extremo. Aos poucos é possível acompanhar seu crescimento e criar empatia, visto que ela planejou sua vida antes mesmo de um marido cair no seu colo de forma inesperada.

“— A senhorita soa experiente nessa questão.— Costumo resgatar todo tipo de animal ferido. Cães, gatos, pássaros…— Homens — completou ele. — Não. O senhor é o primeiro. Mas não imagino que seja muito diferente de um cachorro.”

Mais Forte Que o Sol conta com personagens ousados antes e depois do romance começar, explorando suas personalidades logo no início. O que me atraiu logo de primeira foi a forma que eles se conheceram e o motivo pelo qual eles resolveram se casar, mesmo sabendo que não haveria possibilidade de amor naquele caso.

“Sempre pensei que era da cor do pôr do sol, mas agora percebo que estou errado. – Então pegou uma mecha e levou-a aos lábios. – Ele brilha mais. Brilha mais do que o sol. Assim como você.”

Nesse livro, duas pessoas com concepções diferentes de casamentos estão juntas por interesses individuais, mas à medida que estão casados, vão descobrindo novas coisas a partir da convivência.
O romance é gradual, conquistado aos poucos e até pareceu real. A relação deles é explosiva, 
divertida e honesta.Ellie e Charles tem diálogos maravilhosos, de arrancar risadas mesmo. Ambos com personalidades forte e desafiadoras.Eu adorei conhecer a Julia Quinn construindo um enredo com personagens pura ousadia & alegria. Mas, se você, assim como eu, não gostou do primeiro livro, por favor, dê uma chance ao segundo da duologia "Irmãs Lyndon", pois esse me conquistou!

“Ellie nunca beijara um homem antes, mas podia ver que ele era um especialista no assunto. Ela não tinha ideia do que fazer; ele sabia demais.”

Nota:★(4/5)


divulgar

comentar

27 junho 2018

Resenha: Bela Gratidão, Corey Ann Haydu


























Título:BELA GRATIDÃO
Autora: Corey Ann Haydu
Editora: Galera
Ano : 2017
Sinopse:Um romance sobre amadurecimento e a dureza de crescer em uma cultura que exige das mulheres nada menos que a perfeição. Corey Ann Haydu explora as complexidades da família, os limites do amor e quão duro é crescer em uma cultura que premia a beleza acima de qualquer outra coisa e cobra das mulheres nada menos que a perfeição. Uma leitura atual que dialoga direta e honestamente com a multiplicidade de questões enfrentadas por adolescentes e jovens no mundo todo – a confusão do primeiro amor, os dramas familiares e a construção da própria identidade no meio de toda essa loucura. O livro está cheio de personagens realistas, que tropeçam nos próprios medos e cometem erros com alguns dos quais é impossível não se identificar. Montana e sua irmã Arizona têm um pacto desde que a mãe as deixou: São elas duas contra todo o mundo. Com o pai sempre imerso em relacionamentos tóxicos e uma sucessão de madrastas essa foi a maneira que encontraram de seguir em frente. Mas agora que Arizona foi para a faculdade Montana se sente deixada pra trás e perdida, mergulhando em uma amizade vertiginosa e empolgante com a ousada Karissa. No meio disso tudo, Montana encontra uma distração em Bernardo. Resta saber se Montana têm a confiança necessária no que sentem um pelo outro para encaixar Bernardo na sua vida imperfeita.



“Não pense no que vem depois, se ainda estamos fazendo o agora.”

Montana é uma garota de 17 anos que está vivendo um drama familiar:sua irmã mais velha, Arizona, está indo para faculdade e ela percebe que a distância das duas vai além do que ela esperava. Além disso, Montana conhece Karissa, sua mais nova melhor amiga e também  mais velha,  que a apresenta as loucuras adolescentes: baladas, bebida e uma liberdade desenfreada. O pai de Montana é um renomado cirurgião que a cada dia tem uma namorada diferente e quando fala as suas filhas que ele está em uma nova relação, o choque das meninas não poderia ser maior, sobre quem será a nova madrasta.

A leitura foi rápida e fluida, porém faltou aprofundamento e consequências em alguns temas abordados.Talvez por a história ser longa demais, acaba citando muita coisa, mas desenvolvendo pouco o que realmente seria importante. Um tema abordado foi a ditadura da beleza e até que gostei da forma irônica que foi discutido. Porém, a autora investiu tempo demais invertendo papeis e isso me irritou.

“Eu passo tanto tempo pensando no que há de errado comigo, me perguntando por que eu não sou uma irmã boa o suficiente ou amiga ou filha ou pessoa, que a ideia de ser boa é um pouco insuportável.”


Bela Gratidão é um livro dramático com personagens que podem te cativar como também irritar. 

Narrado por Montana e compartilhando o seu diário de gratidão , ela mostra suas fragilidades e dificuldades em ser adulta depois de todos os dramas que está vivendo. Logo foi uma das coisas que mais gostei dela: esse lembrete sutil do quanto as pequenas coisas são importantes.Todavia, Bela Gratidão tem um título chamativo, uma capa charmosa, porém deixou a desejar.




divulgar

comentar

25 junho 2018

Resenha: O que o sol faz com as flores, Rupi Kaur


O Que o Sol Faz Com as Flores 💐 | Rupi Kaur 💛@planetadelivrosbrasil  🌟⠀

Rupi Kaur traz belos poemas que tocam no fundo da alma. Sobre amor, autoaceitação, sobre cair e se levantar aos poucos. !


🌻 Nesse segundo livro, a escrita da autora está cada vez mais inspiradora e cativante. A obra é dividida em cinco partes: murchar, cair, enraizar, crescer e florescer , abordando o amadurecimento da mulher . Com uma comparação natural , Rupi contextua amor não correspondido,aceitação de si mesmo , criticando o padrão de beleza imposto pela sociedade. No meio da dor, sofrimento de algumas situações, ela ainda homenageia sua mae, assim como enfatiza a sorosidade, união das mulheres contra o machismo.
"se não formos gentis uns com os outros como é que vamos ser gentis com o desespero que mora em nós mesmos."

️ O Que o Sol Faz Com as Flores é tão tocante quanto o primeiro, tão verdadeiro e tão real, mostrando que poucas palavras descrevem um sentimento e uma situação. Um amor pelo livro e mais ainda por si mesma. Rupi tem a capacidade de amenizar um soco forte depois de dado.

🌻 Ler este livro faz você pensar na vida, questionar as escolhas que faz todos os dias, além de tomar conhecimento de algo que normalmente não se importaria. Rupi abre seu coração novamente e escreve com amor, ilustra com o coração e encanta o leitor.
Uma experiência linda, energizante e enriquecedora. Mal posso esperar por mais da autora. Rupi é a poesia viva e segundo ela, devemos encontrar nosso sol e cultivar nossas próprias flores!💛⠀

você era meu
e minha vida era plena
você não é mais meu
e minha vida
é plena





divulgar

comentar