• Cinema
  • Inspiração
  • Leitura
  • Música
  • Playlist
  • Resenha
  • Série
  • Texto
  • Vídeo
29 agosto 2015

Projeto "Escrevendo sem medo": Tema #02



Querida Coleen Hoover, será que uma simples carta chegaria até teu coração, mesmo que não fosse uma poesia? Vamos dar uma pausa nessa discussão linguística e sem mais enrolações vou praticamente me declarar para você. Não ache isso um exagero, coração de fã é louco e varrido.

Quando li “Um Caso Perdido”, era como se minha história estivesse sendo contada ali, uma parte pelo menos  ou também os sentimentos . Apaixonar-se pela fidelidade de Holden foi quase inevitável, como uma música :" inevitável seria se eu não me apaixonasse por você". Assim como, conhecer Will sem saber escrever uma boa métrica a altura de seus poemas.

 Queria ser essa garota nas suas histórias e pelos temos a escrita em comum, o gosto por poesia e leitura, porém um certo passado atormenta nossos anseios futuros e fico em igual a Cinderela, mas não buscando o príncipe encantado, mas sim esperando chegá-lo sem muita pressa, sem muita certeza e querendo de alguma forma viver melhor minha vida.

Todo mundo já teve um lado feio do amor, quem nunca? Aquele amor platônico não correspondido, aquele amor ilusório, desmedido que feriu e magoou mais do que amou. Imagino que a vida testa, prova e acentua ainda mais nossa capacidade de sentir em um mundo aonde a violência e o desrespeito superam o amor humano.

No entanto, eu acredito que temos lados escuros, doloridos, mas que podem ser tratados, superados por alguém que já está em sua vida ou que chegará e fará você esquecer a parte que lhe dói. Está vendo? Percorri mil atalhos para te contar que suas histórias estão dentro de mim e cada uma ganha um amor incondicional, mesmo que sejam fictícias.Com muitas esperanças, quero um dia te encontrar e sem muita certeza, não saberia o que dizer pessoalmente, por isso aqui conto tudo e digo mais. 

Do obscuro ao profundo
Do imaginário ao encantado
Sem mundos, nem furos
Me enxergo como protagonista nas histórias principais que regem suas narrativas. 
Não finjo  personagens, não leio com pressa a lentidão dos sorrisos e me perco numa vastidão de sentimentos contínuos e infinitos que um dia me levarão a quem sabe escrever um livro e conhecer minha autora favorita. Então, perdoa que nas palavras tortas, a rima ficou perdida e o sentimento tratado vai do choro á alegria. Com amor, Bia.





divulgar

comentar


Comentário(s) pelo Facebook:

Nenhum comentário:

Postar um comentário