• Cinema
  • Inspiração
  • Leitura
  • Música
  • Playlist
  • Resenha
  • Série
  • Texto
  • Vídeo
09 março 2017

Resenha: Outro Dia - David Levithan #2

outro-dia-david-levithan-minha-vida-literaria
Título: Outro Dia
Autor: David Levithan
Editora: Galera Record
Páginas: 322
Ano: 2016
Sinopse: um dos mais inovadores autores de livros jovem adulto e o primeiro a emplacar uma trama gay na lista do New York Times, David Levithan retoma a sua mais emblemática trama em “Outro Dia”. Aqui, a já celebrada — com várias resenhas elogiosas — história de “Todo Dia” é mostrada sob o ponto de vista de Rhiannon. A jovem, presa em um relacionamento abusivo, conhece A, por quem se apaixona. Só que A, acorda todo dia em um corpo diferente. Não importa o lugar, o gênero ou a personalidade, A precisa se adaptar ao novo corpo, mesmo que só por um dia. Mas embarcar nessa paixão também traz desafios para Rhiannon. Todos eles mostrados aqui.

Todo Dia é um livro incrível do David Levithan. Tão incrível que mexeu comigo e me deixou intrigada e sem palavras para explicar a estranhesa e as reflexões que o livro propõe.Assim, logo fiquei ansiosa para ler Outro Dia, pelo ponto de vista da  Rhiannon.

Eu me flagro olhando nos olhos das pessoas mais do que já fiz algum dia na vida. E me dou conta que é aí que deixamos de ser um gênero ou cor. Basta olhar bem no fundo dos olhos.

Rhiannon é uma garota que vive triste, além de viver um relacionamento tóxico: ela ama Justin, mas ele a humilha e ela vive dependendo da boa vontade dele . Porém, um dia  Justin lhe proporciona uma tarde perfeita, dando toda a atenção e expressando o amor que ela sempre mereceu. Entretanto, não foi Justin quem fez isso, foi  A, alguém que muda de corpos todos os dias . A se apaixona pela garota e decide retornar a vida dela todos os dias, através dos corpos habitados E Rhiannon resolve dar uma chance a essa oportunidade, porém inicia uma serie de questionamentos para enfrentar essa nova jornada com A.

- (...) eu sei que, bem lá no fundo, sou tudo para ele.
(...)
- Bem lá no fundo? (...) Você não deveria ter que ir tão fundo para ser amada.


Ler Todo Dia a primeira vez foi incrível, surpreendente e inovador. Mas, amei reler pela visão da Rhiannon, pude compreende-la totalmente, entender e sentir o que ela enfrentava e como reagia a seu relacionamento com Justin.  Todo Dia e Outro Dia demonstram que cada história tem dois lados diferentes e o quanto eles se complementam.Mas, que angústia David me deixou. Ele parou o livro no mesmo lugar que Todo Dia, todavia com o final aberto a imensas possibilidades e esperanças. Recomendo demais a leitura dos dois livros, para que você entenda ambos os lados da história e tudo quanto está relacionado a ela.

As palavras são uma parte do problema. O fato de existirem palavras diferentes para ele e ela, dele e dela. Eu nunca tinha pensado nisso antes, em como isso é segregatório. Talvez se houvesse um único pronome para todos nós, não ficaríamos tão presos a essa diferença.

Nota: ★★★★★




divulgar

comentar


Comentário(s) pelo Facebook:

Nenhum comentário:

Postar um comentário