• Cinema
  • Inspiração
  • Leitura
  • Música
  • Playlist
  • Resenha
  • Série
  • Texto
  • Vídeo
02 agosto 2018

Resenha: Tempestade de guerra, Victoria Aveyard



























Resenha: Tempestade de Guerra | Victoria Aveyard | @editoraseguinte| 4”
Tempestade de Guerra, o quarto e último livro da série da Rainha Vermelha teve um final digno, ao meu ver, deixando a história com algumas questões abertas, porém fechando o enredo principal. Porém, senti que o livro foi mais longo do que deveria, afinal continua complexo, com reviravoltas de tirar o folego, mas nada que atrapalhasse a leitura como um todo.

O que “War Storm” promete é GUERRA e isso definitivamente acontece, porém com conflitos políticos constantes. No final, são batalhas sangrentas, alianças questionáveis,  inimigos de todos os lados, traições e uma frieza. Porém, no meio de tanta dureza, há sacrifício e discussão sobre honra. Então, qualquer decisão pode mudar o contexto.

Eu amei a Mare em “A Prisão do Rei”, para mim foi uma das maiores construções de uma personagem. Forte, astuciosa e feroz, colocando seus princípios acima de tudo, mas também mostrando como ela é vulnerável. Um pouco da Mare do início da série,da Mareena preparada para lutar pelo que acredita , porém uma Mare que poderia ser uma guerreira inigualável, não foi desenvolvida completamente.

Ainda temos um triangulo amoroso: Cal-Mare-Maven, porém agora com uma guerra no meio de todos. Maven continua um fantoche, com uma instabilidade emocional ditando sua personalidade, provocando pânico, terror e manipulação. Porém, uma das partes mais emocionantes são  as interações entre os irmãos, pois são angustiantes, já que ambos são diferentes um do outro:o amor de Cal e o fantasma de Maven. Todos falhos de maneiras diferentes, com cicatrizes que da vida.

"- Rainhas também podem lançar sombras."


Evangeline Samos foi uma das melhores personagens de toda a série. Ela tem poder, voz e onde chega,é impossível não se curvar ao seu poder. Representando seu coração, mas também seus ideais , seus conflitos são verdadeiros e cooperam para que ela seja cativante.

"- Guerras não podem ser vencidas apenas por rostos conhecidos. Não importa quão brilhante a bandeira, quão alto o mastro. Precisamos de exércitos."

Eu esperava um pouco mais do final, queria algo mais detalhado e se todos os eventos da série influenciaram na trama política. No entanto, Victoria  Aveyard poderia ter abordado alguns assuntos extras, que só foram citados na serie. Como sempre, a escrita de Aveyard é detalhada, mas fluida e eletrizante e cheio de plot twits de perder a cabeça. A medida que a história se desenrola , o leitor pode acompanhar o desenvolvimento da trama, através da construção de um elenco vasto e diferenciado.
                                             "A eletricidade não tem piedade. E nem eu."



Uma guerra que nasceu com uma revolta, mas capaz de promover grandes mudanças a partir de força e esperança para transformar  o mundo da Rainha Vermelha. Leiam e tirem suas próprias conclusões a respeito da série.


divulgar

comentar


Comentário(s) pelo Facebook:

Nenhum comentário:

Postar um comentário