• Cinema
  • Inspiração
  • Leitura
  • Música
  • Playlist
  • Resenha
  • Série
  • Texto
  • Vídeo
06 julho 2016

Resenha: O presente, Cecelia Ahren

O PresenteTítulo:O Presente
Ano: 2013
Páginas: 317
Editora: Novo Conceito
Sinopse: Todos os dias, Lou Suffern luta contra o tempo. Ele tem sempre dois lugares para ir, tem sempre duas coisas a fazer. Quando dorme, sonha com os planos do dia seguinte, e, quando está em casa, com a esposa e os filhos, sua mente está, invariavelmente, em outro lugar.Numa manhã de inverno, Lou encontra Gabe, um morador de rua, sentado no chão, sob o frio e a neve, do lado de fora do imenso edifício onde Suffern trabalha. Os dois começam a conversar, e Lou fica muito intrigado com as informações que recebe de Gabe; informações de alguém que tem observado uniões improváveis entre os colegas de trabalho de Lou, como os encontros da moça de sapatos Loubotin com o rapaz de sapatos pretos...Ansioso por saber de tudo e por manter o controle sobre tudo, Lou entende que seria bom ter Gabe por perto — para ajudá-lo a desmascarar associações que se formam fora de suas vistas — e lhe oferece um emprego.Mas logo o executivo arrepende-se de ajudar Gabe: sua presença o perturba. O ex-mendigo parece estar em dois lugares ao mesmo tempo, e, além disso, Gabe lhe fala umas coisas muito incomuns, como se soubesse do que não deveria saber... Quando começa a entender quem é realmente Gabe, e o que ele faz em sua vida, o executivo percebe que passará pela mais dura das provações. Esta história é sobre uma pessoa que descobre quem é. Sobre uma pessoa cujo interior é revelado a todos que a estimam. E todos são revelados a ela. No momento certo.

A obra de  Cecelia Ahern sempre encanta e emociona , e dessa vez ela traz um grande presente, fazendo o leitor refletir uma bela lição de vida. Cecelia Ahern aborda os verdadeiros valores da vida, fazendo pensar sobre nossa rotina, tempo e fé: no amor, na família e nos recomeços. 

Lou Suffern é  um grande executivo com um cargo alto na empresa da sua cidade. Mas, a vida dele só está relacionada ao trabalho, a correria. A sua prioridade é sempre o trabalho. Sua família, seus filhos sempre se queixam da sua ausência. Principalmente seus filhos que mal reconhecem o pai. E seu relacionamento está indo de mal a pior, sem contar que ele já traiu Ruth, sua mulher, várias vezes.

Certa vez , quando Lou está se dirigindo ao seu local de trabalho , ele se dá conta de um mendigo. Até que começa a fazer amizade com aquele rapaz e descobre que seu nome é Gabe. Depois de alguns dias, Lou resolver dar um emprego na empresa para Gabe, pois se solidarizou com a história do morador de rua. Mas, nada é como parece.

"- Se milagres tivessem equações químicas, todos acreditariam neles."

Gabe pe um trabalhador eficiente. Sempre chega antes da hora, faz o trabalho direito e claro que Lou morre de ciúmes da atenção que Gabe passa a ter na empresa, já que Lou pensa que Gabe quer roubar seu cargo, sem falar dos comentários de Gabe sobre sua vida. Porém, ele descobre que Gabe é muito mais do que aparenta ser e que a vida não é so composta de trabalho.

"Ser o melhor é a mesma coisa que estar na média, o que, por sua vez, é o mesmo que ser pior. Tudo era um estado de espírito."

A obra é escrita como a narração de uma parábola. Alguns personagens participam ativamente da vida de Lou, outros só poderemos compreender no final da história, já que estes descrevem a experiência do protagonista.A autora tem uma delicadeza ao escrever a historia, deixando claro a mensagem que queria transmitir.  Eu sorri muito e me emocionei. Senti que diferentes de todos os livros da Cecelia, ela ensinou algo importante sobre prioridades e tempo.

O Presente não tem a mesma inovação dos outros livros, mas soube agradar e ensinar algo diferente. Uma narrativa incrível, fácil de ler e recomendo demais por amar a Ccelia. Confira alguns quotes do livro:

 “O tempo é mais precioso que ouro (...). É o tempo que causa a guerra dentro de nossos corações. Devemos usá-lo com sabedoria.”

“... a vida estava lhe dizendo que estava preparada para ensinar. Ele não sabia que não era o caso de apertar alguns botões e, repentinamente, saber de tudo; não sabia que os botões a serem apertados estavam nele mesmo. Lou Suffern achava que sabia de tudo. Mas estava apenas começando a arranhar a superfície.”

"As pessoas, como as casas, guardam seus segredos. Ás vezes, os segredos as habitam; outras vezes, são elas que habitam seus segredos."

Nota:★★★



divulgar

comentar


Comentário(s) pelo Facebook:

Nenhum comentário:

Postar um comentário