• Cinema
  • Inspiração
  • Leitura
  • Música
  • Playlist
  • Resenha
  • Série
  • Texto
  • Vídeo
27 setembro 2015

Resenha:Ela Não É Invisível ,Marcus Sedgwick


Ela Não É Invisível 

Título:  Ela Não É Invisível
Autor :  Marcus Sedgwick
Editora: Galera Record
Páginas: 256 
Sinopse: Laureth é uma adolescente cega de 16 anos, e seu pai é um autor conhecido por escrever livros divertidos. De uns tempos pra cá, ele trabalha em uma obra sobre coincidências, mas nunca consegue termina-la. Sua esposa acha que ele está obcecado e prestes a ter um ataque de nervos. Laureth sabe que o casamento dos pais vai de mal a pior quando, de repente, seu pai desaparece em uma viagem para a Áustria e seu caderno de anotações é encontrado misteriosamente em Nova York. Convencida de que algo muito errado está acontecendo, ela toma uma decisão impulsiva e perigosa: rouba o cartão de crédito da mãe, sequestra o irmão mais novo e entra em um avião rumo a Nova York para procurar o pai. Mas a cidade grande guarda muitos perigos para uma jovem cega e seu irmãozinho de 7 anos.

"Ela não é Invisível" de Marcus Sedgwick , foi publicado recentemente  pela editora Galera e me chamou atenção pelo título, além da capa diferenciada, com a sombra de uma garota e algumas palavras.

Laureth é uma adolescente de  16 anos, que é cega desde o seu nascimento. E diferentemente das opiniões alheias, ela não tem problemas com sua deficiência, porém odeia quando alguém finge que ela é invisível. Por isso, cumprimenta, fala, simpatiza e olha diretamente em direção a voz de uma pessoa, para ser mais visível. Seu pai é um escritor conhecido e que a paga para responder os e-mails de fãs. Ao perceber que faz alguns dias que ele não telefone para sua mãe ou para ela, depois da viagem da Áustria, Laureth estranha e percebe que tem um e-mail misterioso na caixa de entrada do seu pai, dizendo que alguém achou o caderno de anotações em Nova York.

“Sinto medo quase o tempo todo. Mas nunca admito isso pra ninguém. (...) Tenho que continuar fingindo que sou confiante, porque, se não fizer isso, se ficar na minha, me torno invisível. (...) As pessoas acham que tenho muita confiança em mim mesma, mas não tenho nenhuma. Não acredito em mim, nem no que tenho capacidade de fazer, e ainda assim as pessoas acham que eu posso fazer o que quiser. (...) É uma farsa, nada mais.

 Para provar que está falando a verdade, a pessoa envia fotos para mostrar que realmente está com o caderno. Laureth pergunta a mãe sobre o pai, mas parece que seus pais estão em uma fase ruim. Então, decide procurar o pai por si mesma, sequestrando seu irmãos e 7 anos para ajudar na sua missão. De Londres, eles viajam sozinhos para Nova York, em busca da verdade.

Para isso, Laureth rouba um cartão da mãe, faz o documento necessário e faz as malas, embarcando numa busca desenfreada pelo seu pai junto com seu irmão, que a ajudará em tudo, porém ele tem um efeito estranho sobre objetos eletrônicos, sendo chamado de Efeito Benjamim.

“Uma ultima vez repeti para mim mesma que não estava sequestrando meu irmão caçula"


      A personagem Laureth foi um grande ponto forte na trama, assim como o seu irmão, Beijamin, que, com somente 7 anos, apresenta uma personalidade diferenciada e legítima. Ele é muito esperto, adora Histórias em Quadrinho e soube auxiliar muito nossa protagonista nessa viagem maluca. Talvez a solidão desse jovem personagem acabou tornando-o especial e diferente das demais crianças de sua idade. 
     Laureth é uma protagonista única e forte demais. Independente, não demonstrando suas fraquezas e enfatiza que ser cega não é uma barreira pra nada. Seu jeito de ver o mundo é diferente. Seus olhos, seus sentimentos e seus sonhos são tão importantes a ponto de ir atrás do seu pai, a quem ama demais, por notar que algo de errado aconteceu.  “Ela não é Invisível” critica o preconceito das pessoas contra os deficientes físicos. Meu fascínio foi tanto por ela, que a tratei como personagem real, pois sua força de vontade foi maior que qualquer dificuldade que ela encontrou.

"[...] Não dá para sentir falta de algo que a gente nunca teve"
Não me importo em ser cega. O que me incomoda são as pessoas me tratando como se eu fosse idiota."

       A leitura é leve, bem humorada e o autor consegue transformar uma trama simples em algo reflexivo, com um quê filosófico. Livro rápido, de tamanho médio e descontraído. Acabou entrando na minha lista de livros de mistérios juvenil recomendados.

 NOTA:  ★★★


divulgar

2 comentários

25 setembro 2015

Resenha: Supernova - A estrela dos mortos - Renan Carvalho

Supernova - A estrela dos mortos
Título: Supernova - A estrela dos mortos #2
Autor: Renan Carvalho
Ano: 2015
 Páginas: 480
Editora: Novas Páginas
Sinopse: O mundo de Supernova é um lugar complexo, belo pela diversi­dade que apresenta e perigoso pelos desafios que contém. As cidades imensas trazem profundos problemas sociais, povos diferen­tes lutam por soberania, conflitos políticos se estendem até batalhas sem motivos e pessoas tiranas fazem de tudo para conseguir o tão almejado poder; algo comum na natureza do ser hu­mano. A civilização do homem cresceu rapidamente, dominou os polos e todas as áreas centrais do globo. Hoje, beira uma guerra civil, na qual humanos matam humanos por causas cada vez mais banais. É nesse ínterim que o segundo livro da série se contextualiza. Novos desafios serão enfrentados, outra vez de perspectivas diferentes: de um lado Leran, que após a ascensão de Nagisa e Babo ao poder de Acigam, viu-se obrigado a deixar a cidade com sua irmã, evitando ser preso por crimes que não cometeu. Do outro lado a trama apresenta Tlavi, mestra da Ordem dos Paladinos e Estrela da Cura, que enfrenta os mistérios de um inimigo perigoso que desperta as forças das trevas no território pacificado de Sonatri — O Reino Central. O caminho destes personagens está ligado pelo destino. Será que poderão lutar juntos para descobrir como vencer os novos inimigos? Poderá Luana despertar sua verdadeira força? E Leran, como agirá diante da evolução dos poderes da irmã? É isso que vamos descobrir em “A Estrela dos Mortos”, o segundo livro de Supernova.

O segundo livro do Renan Carvalho, da série: “Supernova: O Encantador de Flechas”, tem uma continuação em que ação e mágica permeiam a história a todo momento, não nos dando tempo para pensar em respirar.

Neste segundo volume da série, conhecemos novos personagens em ambientes diversos, fora dos muros de Acigam. A primeira parte é narrada por Tlavi, a estrela da cura que busca incessantemente combater as forças das trevas. Ao ser mandada para a Cidade de Cimérium investigar as mortes que estão ocorrendo no lugar com os trabalhadores das minas, ela descobre que algo maior e mais perigoso está por trás de uma simples doença.

A segunda parte é narrada pelo arqueiro mais amado da histórias: Leran, que ao fugir de Acigam com sua irmã, passará por várias aventuras para fugir de Nagisa, e tudo isso para chegar em Mabra a fim de encontrar uma pessoa que poderá ajudar a Luana a controlar todo o seu poder.

“... Não é fácil ser Estrela. Principalmente quando o elemento que se representa é a cura, uma energia altruísta, empática. È natural que os outros vejam você como um ser bondoso, de leve ingenuidade e, por consequência, facilmente enganado. Faço questão de não ser uma pessoa doce. Para mim, a cura não é isso. Ter esse dom implica escolher entre a vida e a morte; ter nas mãos a saúde e a doença. Não existe decisão mais dura.”

Gueth narra algumas partes do livro, ele é o irmão de Tlavi. Quando Tlavi foi embora, ele entendeu que o mundo precisava da estrela da cura mais do que seus familiares, mas ele passou a guardar grandes magoas quando Tlavi abandonou ele e seu pai.

"Para mim as pessoas são iguais às plantas. Se você as rega com carinho, colhe felicidade. E eu sempre tive certeza de que, para ser feliz, era necessário ter pessoas felizes ao meu redor.

Entre todos os personagens da história, todos cruzarão seus caminhos a fim de enfrentar o maior desafio que todo o mundo já viu: o senhor, a estrela dos mortos e nao é a toa, que temos muitas cenas violentas, em que os poderes dos personagens nos farão refletir sobre perdas e superação.

“ Minha fé não está em deus algum. Ela esta entre os humanos. São eles que podem mudar as coisas, que escolhem fazer o bem ou fazer o mal. E, entre todos, tenho mais fé nos que se mostram amigos, pois são esses os que me fazem sentir-me em casa.”

A diagramação está incrível, com ilustrações pelo Licinio Souza; dividido por partes e narrada por vários personagens, de diferentes pontos de vistas, contando com epilogo e um apêndice, como guia. Para todos os amantes de aventura e fantasia, esse livro os deixará ansiosos para as continuações. E bem que merecia uma adaptação para cinema, não é?

Confira o Book Trailer :



 NOTA:  ★★★


divulgar

comentar

23 setembro 2015

Resenha:Serial Killers ( Anatomia do mal) - Harold Schechter


Serial Killers

Titulo: Serial Killers: Anatomia do mal
Autor: Harold Schechter
Editora: DarkSide
Páginas: 448
Ano : 2013
Sinopse:Entre na mente dos psicopatas. O dossiê definitivo sobre assassinos em série. O que faz gente aparentemente normal começar a matar e não parar mais? O que move – e o que pode deter – assassinos em série como Ed Gein, o psicopata americano que inspirou os mais célebres maníacos do cinema, como Norman Bates (Psicose, de Alfred Hitchcok), Leatherface (O Massacre da Serra Elétrica, de Tobe Hooper) e Hannibal Lecter (O Silêncio dos Inocentes, de Jonathan Demme). Como explicar a compulsão por matar e o prazer de causar dor, sem qualquer arrependimento? De onde vem tanta fúria?


Faz um tempo que eu namorava esse livro, tanto que sua capa me encantava e me assustava ao mesmo tempo. Resolvi compra-lo em uma promoção da Amazon e não me arrependi. Esse foi o primeiro livro publicado pela Editora Dark Side especialista em livros de terror e fantasia. A minha edição é de capa dura e com tantos detalhes que demorei uma semana para ler, até porque é uma leitura bem pesada.

Eu sempre adorei esses assuntos relacionados a serial killers, assassinos e depois que li esse livro tenho uma lista de filmes enormes para conferir. Tudo começou pela minha paixão pela ação, depois por Dexter e Hannibal.

"Quem machuca animais tem o potencial de fazer o mesmo com pessoas.Naturalmente,muitos garotos que cometem atos menores de sadismo na infância abandonam tal comportamento e lembram com vergonha de quando explodiram um formigueiro com uma bombinha ou desmembraram uma aranha.Em contrapartida,as crueldades perpetradas por serial killers incipientes tornam-se mais extremas com o passar do tempo,até que passam a visar não animais de ruas ou bichos domésticos,mas outros seres humanos.Para eles,torturar animais não é uma fase.É um ensaio."

O livro retrata uma série de problemas que levam uma pessoa considerada normal a se tornar um assassino cruel, com uma personalidade perturbadora o bastante para ser serial killer. Desde o primeiro momento que li e entendi a mente de um serial killer, não paro de pensar se sinto piedade ou nojo por suas matanças por prazer. Claro que , para cometer tais crueldades com outros seres humanos, esse assassinos impiedosos passaram por crueldades psicológicas e físicas que me assustaram muito quando li.

"Sabe-se que o abuso psicológico pode ser tão devastador para o desenvolvimento emocional de uma criança quanto os maus-tratos físicos.De acordo com o psicanalista Carl Goldberg,uma criança que é sistematicamente envergonhada e humilhada,que se sente constantemente inútil e indigna de ser amada,está praticamente destinada a desenvolver uma personalidade perversa.Seu sentimento de desdém por si mesmo se torna tão profundo que a única maneira de sobreviver é tornar-se indiferente aos outros também.Com efeito,essa pessoa acaba por acreditar que pode não ser digna,mas também ninguém mais é.Convencido de sua própria maldade,ele arremete amargamente contra o mundo."

O livro tem quase 500 páginas, datas, perfis de serial killers, histórias reais e um estudo aprofundado. Tudo relacionado á infância e a psicologia. Fiquei nauseada com algumas partes, bem , com a descrição das mortes e pensamentos, e fiquei imaginando as vitimas.Recomendo demais o livro para amantes de terror, amante de filmes como Psicose, Hannibal.. Este livro merece sua atenção se você tiver coragem de lê-lo.

NOTA:  ★★★★



divulgar

comentar


Resenha: Dez Coisas que Aprendi sobre o Amor , Sarah Butler


Título: Dez coisas que aprendi sobre o amor
Autora: Sarah Butler
Editora: Novo Conceito
Páginas: 256
Ano:2015
Sinopse : Por quase 30 anos, quando a brisa de Londres torna-se mais quente, Daniel caminha pelas margens do Tâmisa e senta-se em um banco. Entre as mãos, tem uma folha de papel e um envelope em que escreve apenas um nome, sempre o mesmo. Ele lista também algumas coisas: os desejos e o que gostaria de falar para sua filha, que ele nunca conheceu. Alice tem 30 anos e sente-se mais feliz longe de casa, sob um céu estrelado, rodeada pela imensidão do horizonte, em vez de segura entre quatro paredes. Londres está cheia de memórias de sua mãe que se fora muito cedo, deixando-a com uma família que ela não parece fazer parte. Agora, Alice está de volta porque seu pai está morrendo. Ela só pode dar-lhe um último adeus. Alice e Daniel parecem não ter nada em comum, exceto o amor pelas estrelas, cores e mirtilos. Mas, acima de tudo, o hábito de fazer listas de dez coisas que os tornam tristes ou felizes. O amor está em todas as partes desta história. Suas consequências também. Sejam boas ou más. Até que ponto uma mentira pode ser melhor do que a verdade?

Eu já tinha começado a leitura de  Dez coisas que aprendi sobre o amor quando recebi da Editora Novo Conceito os quatro primeiros capítulos para minhas primeiras impressões. O livro de estreia de Sarah Butler falará mais do que as 10 coisas que ela sabe sobre o amor, vai além dos laços de amor. O livro foi indicado pela Oprah Winfrey e pela escritora de A linguagem das flores, da Vanessa Diffenbaugh e logo atiçou minha curiosidade.

A história fala sobre duas pessoas muito diferentes, porém que suas narrações cruzarão de alguma forma suas vidas.Daniel é um mendigo que lista todos os dias o que gostaria de falar para sua filha que nunca chegou a conhecer. Ele só tem o nome completo dela e seu desejo imenso de conhece-la.

“Esperava que você estivesse ali, que tivesse parado e perguntado se eu estava bem, mas você não estava; de qualquer modo, estou acostumado às pessoas não prestarem atenção.”

 Alice é uma estranha na sua própria família. A filha mais nova que vive viajando e que volta quando seu pai está morrendo. E ela também tem uma lista de coisas que a deixam feliz ou triste. Inconformada com o fim do seu ultimo relacionamento, com suas irmãs que parecem sempre esconder segredos dela e infeliz com a morte de sua mae quando ela tinha apenas 4 anos.

Minha mãe morreu quando eu tinha quatro anos. Ela devia estar indo me pegar na aula de balé. Lembro-me de estar no hall da igreja segurando uma bolsa rosa com uma bailarina bordada na frente, ouvindo a música da aula seguinte e os pés das meninas no piso de madeira, esperando. Tudo fica borrado, então, exceto pelo rosto do papai, pálido e assustado – o modo como ele me olhou como se não soubesse quem eu era.”

Apesar de ter gostado inicialmente mais de Daniel, um mendigo, cuja vida girará em poder conhecer a filha, a história não conseguiu me envolver totalmente. A medida que lia, parecia que Alice se tornava a pessoa mais fria e chata que conheci, distante de sua vida, querendo fugir o tempo todo e lembrando sempre de coisas tão infantis da sua infância , que me perguntei se ela não tinha crescido com quase seus 30 anos.Os pensamentos as vezes ficavam confusos e incompletos, como se fossem cortados um pelo outro.

 “Você não pode sentir saudade de alguém que nunca conheceu. Mas sinto saudade de você.” 

E para finalizar, o próprio final ficou incompleto e foi decepcionante para mim. Se a autora quis causar reflexão sobre o amor, não conseguiu por completo e nem priorizou o sentido das entrelinhas. Dessa forma, Dez coisas que aprendi sobre o amor é uma leitura que foca no emocional, por ora, confuso dos personagens, mas na sensibilidade que cada um tem com seu problema e a forma de amenizar a dor causada por uma perda.

Então, aqui está 10 coisas que aprendi sobre o amor. Você também pode entrar no clima e comentar o que você já aprendeu.

Dez Coisas que Aprendi Sobre o Amor :
1- Há tantas coisas lindas no amor, mas só lembramos das brigas e confusões quando acabamos um romance.
2- Quando você ama, de verdade, você cuida de todas as maneiras imagináveis.
3- Não existe falta de tempo para quem se ama. Se for isso, já não é amor a algum tempo.
4- A gente aprende com o amor. Não importa se foi aquela paixonite de escola, sempre levaremos algo, seja o beijinho roubado.
5- Não adianta enumerar os defeitos ou as qualidades, você tem que amar como o outro é mesmo que isso ás vezes te irrite.
6- Não são beijos que fazem o amor durar, são as pequenas ações e grandes atitudes que o tornam eterno.
7- Ficar imaginando seus finais felizes é legal, mas viver a realidade é bem melhor.
8- Não me sinto desamável depois de um termino.
9- Não existe um SÓ amor. Podem existir vários e a vida vai te mostrar isso. Quando você menos esperar, por mais clichê que seja, o amor pode acontecer. Então, estou esperando.
10- Sabe quando eu sei que é amor? Quando troco a tristeza ao lembrar do teu sorriso e quando alguém me tira o sossego só de me provocar.
 NOTA:  ★★


divulgar

comentar

21 setembro 2015

Resenha: Red Hill #1 , Jamie Mcguire

Red Hill
Título: Red Hill #1
Autora: Jamie McGuire
Editora: Verus
Páginas: 350
Ano: 2015
Sinopse:Para Scarlet, cuidar de suas duas filhas sozinha significa que lutar pelo amanhã é uma batalha diária. Nathan tem uma mulher, mas não se lembra o que é estar apaixonado; a única coisa que faz a volta para casa valer a pena é sua filha Zoe. A maior preocupação de Miranda é saber se seu carro tem espaço suficiente para sua irmã e seus amigos irem viajar no fim de semana, escapando das provas finais da faculdade. Quando a notícia de uma epidemia mortal se espalha, essas pessoas comuns se deparam com situações extraordinárias e, de repente, seus destinos se misturam. Percebendo que não conseguiriam fugir do perigo, Scarlet, Nathan, e Miranda procuram desesperadamente por abrigo no mesmo rancho isolado, o Red Hill. Emoções estão a flor da pele quando novos e velhos relacionamentos são testados diante do terrível inimigo – um inimigo que já não se lembra mais o que é ser humano. O que acontece quando aquele por quem você morreria, se transforma naquele que pode lhe destruir? Red Hill prende desde a primeira página e é impossível deixa-lo até o final surpreendente. Este é o melhor da autora Jamie McGuire! 

Quando fiquei sabendo de um livro diferente dos famosos irmãos Maddox, corri para a pre-venda e olha que Red Hill me surpreendeu muito. Ao imaginar Jamie escrevendo um livro sobre zumbis, não podia deixar de ler e olha que não leio tantos livros sobre zumbis assim. E entre todas as leituras que já fiz da autora, Red Hill bateu o recorde de tempo que li e do quanto a trama simplesmente me deixou de boca aberta.

Uma certa manha de sexta-feira poderia ser um dia normal, porem um cientista  ao tentar reanimar cadáveres, fracassou e acabou espalhando um vírus terrível. No dia que deixa suas filhas,Jenna e Halle no colégio, Scarlett segue para o trabalho escutando noticias sobre um novo virus que estaria se espalhando, porem quando chegou ao hospital percebeu que a coisa era bem pior do que pensava ao se deparar com um exame de uma paciente. Quando se deparou com o caos, já era tarde. Suas filhas estavam com seu ex-marido e ela correria todos os riscos para ver suas filhas novamente.

(...) Eu não sabia quanto tempo conseguiríamos sobreviver, mas tinha certeza de que não morreria no primeiro dia da droga do Apocalipse zumbi.

Nathan é o esposo que não entende o que deu errado em seu casamento, mesmo ainda nao tendo se separado, considerando que sua mulher ( Audrey) simplesmente acha defeito em tudo e parece odiá-lo. A única alegria da sua vida é a Zoe, sua filha. E naquele dia, quando estava pensando em que rumo daria ao seu casamento, ouviu um anuncio no radio sobre o vírus e percebendo o mesmo caos de toda a população, foi á escola buscar Zoe, afim de ir para um lugar seguro. No entanto, quando chegou em casa, Audrey ja tinha deixado uma carta relatando o fim do casamento e que não havia nascido para ser mãe e dona de casa.

Miranda é uma jovem que ao estar acompanhada de seu namorado, sua irmã e o namorado dela para encontrar seu pai, recebe o comunicado e foge para um rancho afastado da cidade. Até que eles percebem que ir para aquela fazenda não será fácil.

"- Você está agindo como se nunca tivesse visto um filme de zumbi, Ashley. Não temos como sobreviver na cidade. O rancho do papai é o melhor lugar.
- Por que você continua dizendo isso? Não são zumbis, isso é ridículo! - disse ela.
- Surto viral. Os infectados estão atacando e mordendo as pessoas. Usaram a palavra "cadáveres" hoje de manhã. O que você acha que é, Ash? Herpes?"

Red Hill foi o livro de zumbi mais incrível e light nesse contexto que já li até hoje (porque não leio muito sobre isso), pois há romance e isso é diferencial com os outros. A leitura é tão fluida, leve e com tanta ação que largar sem saber o desfecho de algum capitulo é impossível. A narrativa é feita por Scarlet, Nathan e Miranda. Todos relatando suas lutas pela sobrevivência, seus medos e conflitando suas emoções.

Scarlet foi uma das personagens que me cativou desde o primeiro instante, mesmo em sua narrativa parecendo um pouco exagerada. A forma como ela busca e luta por suas filhas, me emociona ao lembrar. Uma mulher forte: Scarlet, nesse livro definitivamente. Aonde você iria pela sobrevivência e pelo amor de quem ama?

Ao ler Red Hill, me senti como se tivesse correndo quilômetros so para chegar na fazenda e conseguir sobreviver a horda de zumbis.Se você é fã da Jamie Mcguire e quer ler uma historia diferente, que não seja tão sangrenta e pavorosa quanto The Walking Dead, em que os personagens lutam pela sobrevivência a todo custo, esse é o livro. Red Hill consegue causar um pouquinho de medo, mas permite também o nascimento do amor no meio do caos.


 NOTA:  ★★★★★ ♥


divulgar

comentar

18 setembro 2015

Resenha: Eu fico loko #2 - Christian Figueiredo


Eu Fico Loko 2

Título: Eu fiko louco #2
Autor: Christian Figueiredo
Editora: Novo Conceito
Páginas: 160
Ano:2015
Sinopse: Tô de volta, meus lokões e lokonas! Pra deixar vocês ainda mais ligados nas minhas aventuras!Como todo adolescente, eu já aprontei bastante e sobrevivi a muitos sentimentos. Alguns deles eu descrevo nos vídeos do canal EU FICO LOKO, onde tem uma galera que me acompanha. Outros, guardo para estes encontros especiais que tenho com vocês, através dos meus livros.Viagens, escola, festas, namoros, amigos, família, Copa do Mundo... cada um desses assuntos traz ótimas recordações. E muitos segredinhos, também.Se você gostou das histórias do meu primeiro livro, vai ficar ainda mais ligado nas situações que reservei para esta continuação! Ou, como eu adoro dizer, “As histórias que tive medo de contar” no último livro.Ficou curioso? Então chega mais!

Christian Figueiredo pública seu segundo livro pela Novo Conceito e é um dos vlogers mais famosos e descolados do público adolescente do momento, contando suas histórias de vida, que são pra morrer de rir porque só da MER** em algumas.

Em Eu Fico Loko 2, Christian conta as histórias que ele teve medo de contar no primeiro livro, desde confusões no colégios, farras indevidas, paixões e ilusões, cheio de constrangimentos e loucuras.

Então, perdoem, porque hoje não vim fazer uma baita resenha porque aí seria um grande spoiler. Livro rápido, louco e que merecia ter tido mais históricas como aquelas, porque Christian realmente é um loko! Toda a diagramação é incrível, desde fotos de infância a atuais do autor, com seus amigos, família. Desenhos e frases escritas em diferentes fontes, deixando o livro mais extrovertido, já que se destina ao pública adolescente .

Comecei o livro sem querer, pois acompanho o Christian em seu canal, mas ainda é pouco. Porém, não conseguia largar , já que suas histórias dariam um filme com certeza, seja elas fofas, engraçadas. Recomendo o livro para quem gostar de dar risadas, é fã do Christian e que de toda forma se identificam com esse loko.

 NOTA:  ★★★★ 


divulgar

2 comentários

17 setembro 2015

Resenha: Com amor, a garota chamada Estrela - Jerry Spinelli

Com amor, a garota chamada Estrela
Nome: Com Amor, A Garota Chamada Estrela
Autora: Jerry Spinelli
Série: Stargirl
Editora: GUTENBERG              
Páginas: 232
Gênero: Juvenil, Drama, Romance
Ano: 2015
SINOPSE: Nesta continuação de A extraordinária garota chamada Estrela, a história se passa depois que a jovem se muda da cidade e deixa tudo para trás: o Arizona, sua escola, os lugares encantados no deserto e, principalmente, Leo. Ela não para de pensar nele, e parece que seus momentos felizes estão cada vez mais raros. Ela começa uma nova vida com pessoas muito peculiares: sua vizinha Dootsie, de 5 anos de idade; Betty Lou, que está há anos sem sair de casa; Charlie, que passa as tardes no cemitério; Alvina e sua unha cintilante; e Perry Delloplane, o garoto de olhos azuis que reivindica seu coração. Em cartas para Leo, ela narra sua versão dos fatos do passado e conta as aventuras que vive no presente, nas quais reencontra a alegria de viver, conquista a todos e vai transformando a vida daquele lugar. Com amor, a garota chamada Estrela mostra que tudo o que nos faz diferentes, em vez de nos afastar, pode nos deixar ainda mais próximos uns dos outros.

Essa continuação fofa da "A extraordinária garota chamada Estrela" vai te encantar com o poder dela. No livro anterior, a Estrela conquistou a todos com seu jeitinho cativante, exótico e humorístico, tocando a todos na escola em que estudava, mas ao dar uma mancada foi vítima de bullying.

Nesse segundo livro, a Estrela continua sendo única e especial, mas longe da escola e em outra cidade, sentindo saudade de Leo, o namorado que tinha antes. Mesmo se mudando de cidade, Estrela não o esqueceu e contará a sua história e seus sentimentos escrevendo para o Leo, como um diário. Ler sobre a Estrela é como ler um relato da sua vida, mas de forma poética e intensa.

“...nossos corações são saudosistas. Ansiamos por sermos encontrados, desejando que aqueles que nos procuram não tenham desistido e ido para casa."

A Estrela ainda está sofrendo por Leo e seu ano ela se concentra no solstício, um acontecimento que significa inicio do verão ou do inverno. A época do ano em que o Sol incide com maior intensidade em um determinado hemisfério. Esse fenômeno relaciona-se diretamente com o coração de Estrela. Uma história sobre perda, amizade, amor e vida.

Depois de ler, fiquei determinada a ter uma garota chamada Estrela como amiga, assim invejando a posição da Dootsie, uma garotinha de 5 anos que torna-se melhor amiga de Estrela. Depois que você lê a continuação de Jerry Spinelli, vai desejar lembrar das coisas simples de quando era criança. Leitura mais que recomendada. Simples, rápida, encantadora.

Relógios nos prendem aos minutos, fazem rodas-gigantes guiarem todos nós, nos manejam de novo e de novo de número a número, cortam o tempo de nossas vidas em pequenos pedaços até que os pedaços sejam tudo que conhecemos e a única pergunta importante de se responder seja: “Que horas são?"
NOTA:  ★★★★



divulgar

comentar

16 setembro 2015

Notícias: novo poster e trailer de "Jogos Vorazes: A esperança" parte 2"

             

Só de ver o novo poster de "Jogos Vorazes: A esperança" parte 2" - meu coração já entra em desespero e ansiedade para assistir ao filme, que estreia dia 19 de novembro.

Com o novo trailer que saiu, este evidencia a relaçao de Katniss e Primm.


divulgar

4 comentários


Texto: O único jogador

                  

Gosto quando você vem e pergunta se eu estou bem. Me pede para contar como foi meu dia, mas quando pergunto do seu, você fica nisso de silêncio e me passa melancolia.Não teria sido rima se fosse assim. 
   Na mesmice , você para. Nunca dá detalhes, nunca experimenta fazer algo impossível antes da minha chegada. Diz que sente minha falta, mas para nas novidades e ficamos calados, esperando algo mudar , mas nada muda. 
   Você é aquela confusão que insiste em fazer parte da minha vida. Aparece quando quer, diz o que quer e eu penso em vomitar uma enciclopédia inteira para você, mas só são poucas palavras, porque meu amor é tão simples que não quer ser mais formal e complicada.É isso me trai. 
   Toda vez que você chega perto, sinto seu cheiro e sei que se você sorrir, meu coração vai pular e nesses pulos, ficar sem chão.Listo mentalmente todos os destroços que nos levaram a caminhos diferentes, mas ainda com corações entrelaçados. 
  E não quero mais participar desse jogo de palavras cruzadas, tentando adivinhar sua próxima ação , se vai me manter por perto ou me afastar. Desisto disso. Você venceu. O jogo é só seu. 


divulgar

comentar

15 setembro 2015

Resenha: Eu, você e garota que vai morrer - Jesse Andrews

Eu, Você e A Garota Que Vai Morrer
Título: Eu, Você e a Garota Que Vai Morrer
Autor: Jesse Andrews
Editora: Fábrica231
Páginas: 288
Ano: 2015
SinopseLivro que deu origem ao filme vencedor do Festival Sundance 2015, nas categorias Público e Crítica, com estreia marcada para 12 de junho nos EUA, Eu, você e a garota que vai morrer é uma mistura perfeita entre drama e humor e um retrato preciso da adolescência em face do amadurecimento. Na trama, Greg tem apenas um amigo, Earl, com quem passa o tempo livre jogando videogame e (re)criando versões bastante pessoais de clássicos do cinema, até a sua mãe decidir que ele deve se aproximar de Raquel, colega de turma que sofre de leucemia. Contrariando todas as expectativas, os três se tornam amigos e vivem experiências ao mesmo tempo tocantes e hilárias, narradas com incrível talento e sensibilidade. Crossover com enorme potencial no segmento young adult, o romance é perfeito para fãs de livros e filmes como A culpa é das estrelas e As vantagens de ser invisível.

Um dos livros mais comentados no mundo literário recentemente e que também virou adaptação cinematografica , e mais com essa capa linda e colorida, fiquei com mais vontade de ler.

A história é contada por Greg, um adolescente que quer terminar o ensino médio sem ser notado pelos outros. Tenta ser invisível e não fazer parte de grupos no colégio, ficando no seu canto. Tem apenas um amigo, o Earl, que é mais seu parceria de releituras de filmes e filmagens armadoras. Porém, seu plano de invisibilidade é estragado pela Rachel, uma antiga "amiga", que está com câncer e de tanto sua mãe lhe encher , ele resolve se aproximar dela de novo.

Não direi mais nada do livro para não dar spoilers que poderiam estragar sua leitura. Mas, ao ler o titulo eu tinha uma concepção que o livro podia seguir o romance de "A culpa é das estrelas", mas foi algo diferente. O senso de humor do livro é forte e temos partes reflexivas, retratadas por um adolescente tímido e retraído. Tudo é narrado em primeira pessoa e o Greg escreve seu próprio livro como um diário, contando tudo sobre sua vida e os fatos que vão cerca-la futuramente.

Greg é o anti-herói por assim dizer: odeia a escola, é um babaca, e as vezes insensível. Porém, ele é autocritico e tem um humor de tirar sorrisos. A capa está perfeita, a diagramação muito boa, os capítulos são curtos e rápidos e as narrativas variam de listas, tópicos e diálogos. Jesse Andrews fez uma escrita sincera e com um humor entrelaçado na história, expondo os dramas de adolescentes, sem idealiza-lo demais.

Li esse livros em poucas horas e foi algo tão divertido de ler, sem aquela sensação de clichê. Porém, não foi um livro INCRÍVEL, mas um legal e bom, que pode ser bem reflexivo. Só esperando o filme lançar aqui no Brasil para tentar acrescentar outra estrelinha a esse livro.


      

NOTA : ★ 


divulgar

1 comentário


Notícias: Teaser de Convergente

Oi pessoal, tudo bem com vocês?

Saiu o Primeiro Teaser da adaptação cinematográfica do livro 'Convergente'  da autora Veronica Roth. O lançamento está previsto para  o dia 17 de Março de 2016. Se só isso foi o teaser, imagina o trailer !




divulgar

1 comentário

14 setembro 2015

Meu Príncipe ♥


Olho para você e tudo acontece.
Meu coração explode com um sentimento costumeiro sabe, chamado Amor. Meus sentidos se antecipam e te sentem: teu cheiro, teu sorriso bobo e tuas mãos a me segurar.
É tudo um mix de fantasia e amor. 

Já te falei mil vezes que você é o motivo do brilho em meus olhos.

Um dia alguém MUITO especial me falou de você, que você curaria todas as feridas e me faria feliz. A aliança que nos une foi a promessa meu Príncipe. Talvez o cavalo branco seja o teu coração, que de tão puro irradia paz.

Não consigo ficar longe, é tentador demais te abraçar, te beijar, ser sua para sempre. Eu sinto, eu sei que você é o certo. E tudo em você foi feito para mim. Tuas qualidades superam os defeitos, até porque perfeição é utopia.

As vezes nós pensamos que Deus não nos escuta e pedimos coisas sem pensar. Uma vez pedi a ele alguém que fosse igual a mim, porém o igual nunca é suficiente. Pedi então apenas alguém que me amasse, um pedido simples e tão cheio de significado. Então ele me trouxe você, que enxugou as minhas lágrimas, jogou longe as incertezas, despiu-me dos medos, quebrou todas as barreiras que impus, tomou meu coração e guardou no lugar do seu.

É aqui presa em seus braços que encontro a perfeição, aqui eu agradeço tanto a Deus, pois ele me deu você, meu amor.

Sempre quis ser a princesa de alguém, me imaginava em todos os contos de fadas, mas não sabia como eram os príncipes, até encontrar você. Te dei meu coração de bom grado e você cumpriu o que disse: Confia em mim, eu vou te fazer feliz, nem todo mundo é igual. 



divulgar

comentar

13 setembro 2015

Resenha:Par Perfeito - Eleanor Prescott

Par Perfeito
Título: Par Perfeito
Autora:Eleanor Prescott
Editora: Valentina
Páginas: 352
Sinopse: Não está sendo fácil encontrar o homem dos seus sonhos? Pois bem, então pare de sair por aí batendo cabeça, entrando em roubadas homéricas e espatifando a cara a cada encontro. Está mais do que na hora de você procurar uma profissional na curiosa arte de encontrar o par perfeito. Alice Brown, até que provem o contrário, tem o melhor emprego do mundo. Ela é o que antigamente se chamava de casamenteira, uma profissional especializada em encontrar a tão sonhada “outra metade da laranja”, o amor da sua vida, o fogo e a paixão. Alice passa os dias ajudando mulheres a se apaixonar loucamente. Suas clientes, e… ELA TAMBÉM, é claro, estão ansiosas para conhecer um príncipe encantado. O problema é que é muito mais fácil encontrá-los para as clientes. E, por falar nelas, a última que apareceu, Kate, está a exatos 569 dias de fazer 35 anos e há exatos 5 anos atrasada nessa missão de vida. A dificuldade é que seu, digamos, padrão, está fora dos padrões. Desesperada, isso mesmo, desesperada para encontrar aquele gato, lindo, perfeito, romântico, carinhoso, bom de cama, atencioso, gostosão, charmoso, UFFFFFFA, ela sabe que sua última esperança recai sobre Alice. Enquanto isso, a própria Alice está tendo probleminhas para lidar com seu chefe, e problemaços para parar de se apaixonar pelo homem alheio. E se nada der certo? E se ela falhar com Kate? E se, ela mesma, estiver precisando de uma ajudinha profissional?

Par Perfeito é o livro de estréia da Eleanor é um chick-lit bem gostoso de ler. Até me lembrou aquele filme "O diabo veste prada" e logo você entenderá porque.

Alice é uma jovem casamenteira que ama o trabalho . Para essa romântica assumida poder criar casais é o emprego perfeito. Só de pensar em juntar duas pessoas e depois ver o resultado, era mais que gratificante.  Sua vida era dividida entre o trabalhos amorosos e jardinagem. E o companheiro de Alice? Por incrível que pareça , a sonhadora e amorosa Alice não tinha ninguém.

Kate, a sua mais nova cliente da Mesa Para Dois, a empresa especializada em relacionamentos onde Alice trabalha, irá completar 35 anos e por ela, já devia estar casada e ter filhos. Uma viciada em trabalho e sempre pensando em um par perfeito como ela, Kate tem encontrado dificuldade para conhecer algo do seu nível. Depois que ela foi assistir uma palestra da Par Perfeito, decidiu que iria contratar uma empresa , mesmo Lou, sua melhor amiga não concordando. 

Agora era de Alice a responsabilidade de encontrar o cara dos sonhos de kate: bonito, olhos azuis, um salário alto, com carro tal e que seja de família. Lou não acreditava que Kate insistirá nessas coisas, que precisa gastar dinheiro para dormir com alguém, pois ela poderia dormir com seu chefe quando quisesse, não importando se ele era casado ou nao.

Audrey é a proprietária do Mesa para dois e foi ela quem deu a palestra Par Perfeito e, logo ela teria mais um baile das agências de relacionamento para ir , porém tinha que chamar Alice , sua melhor casamenteira , mesmo com suas roupas bregas. E mais uma vez, teria que contratar John , o homem que todo mundo acreditava ser seu marido há 11 anos, fato que ela adoraria que fosse verdade.

A história é divida por capítulos narrados do ponto de vista dos personagens, entendendo o que acontece com todos e sua visão dos outros personagens .  Cada um deles tem um sonho ou um anseio a ser realizado, de formas diferentes eles perceberam que a vida pretende mais surpreende- los do que seguir as regras.

 O mais legal é que vemos os tropeços, os momentos fofos e podemos muito bem imaginar vendo aquela cena e abrindo um sorriso.

 “Como se esperasse o momento certo, a plateia se inclinou para a frente em tensa expectativa, preparando-se para descobrir os segredos esquivos para se encontrar o Par Perfeito.” 

Par Perfeito é um chiclete delicioso e que mostrará que todos os dias somos surpreendidos por algo que não esperávamos, pode ser para melhor ou pior , mas mesmo as formas inimagináveis dos nossos planos não seriam melhores do que as surpresas que o destino prepara.

NOTA:  ★★★


divulgar

comentar