• Cinema
  • Inspiração
  • Leitura
  • Música
  • Playlist
  • Resenha
  • Série
  • Texto
  • Vídeo
30 outubro 2017

Resenha:Hoje vai ser diferente - Maria Semple


Título:: Hoje vai ser Diferente

Autora: Maria Semple
Páginas: 288
Editora: Intrínseca

Sinopse: Eleanor Flood sabe que sua vida está uma bagunça. Mas hoje vai ser diferente. Hoje ela vai tomar banho e vestir roupas decentes. Vai à aula de ioga depois de deixar seu filho Timby na escola. Vai almoçar com uma velha amiga. Não vai suar. Vai transar com o marido Joe. Mas antes que possa colocar seu humilde plano em ação... a vida a surpreende e ela é forçada a abandonar suas humildes ambições e acordar para um novo e inesperado futuro.Hoje Timby decidiu fingir que está doente para passar algum tempo na companhia da mãe. Também é o dia em que o cirurgião Joe decidiu avisar à sua recepcionista — e não à sua esposa — que está de férias. E quando parece que as coisas não podem mais dar errado, um antigo colega de trabalho de Eleanor desenterra uma relíquia do passado: páginas que contam um dos segredos mais bem guardados de Eleanor.
De autoria da maravilhosa e premiada Maria Semple, Hoje vai ser diferente é uma história hilária e otimista sobre uma mulher que acorda determinada a ser a melhor versão de si mesma.


Em “Hoje Vai Ser Diferente” , conheceremos Eleanor,que começa todos os dias recitando seu mantra que vai tentar ser uma pessoa melhor, que será diferente, que estará presente. Que não falará palavrão e que vai dar o melhor de si. Porém, o dia de Eleanor não será como o planejado, a começar pela ligação da escola de Timby, seu filho que está com problemas. A rotina que Eleanor tinha planejado destruída e ela se vê diante de situações inesperadas, flashbacks e confusões.

“Naquela manhã, ainda na cama, eu tinha um objetivo risível de tão modesto: olhar as pessoas nos olhos, me vestir, sorrir! Era para ter sido tão tranquilo quanto um passeio de domingo no parque. Então a Realidade, essa fanfarrona, surgiu na minha frente como um caminhão e começou a jogar melancias na minha direção. E ainda nem era uma da tarde!”

 A história é narrada em primeira pessoa e se passa em 24 horas, enquanto ela tenta resolver seus “problemas de gente branca”. Os personagens são muito bem construídos e engraçados. Eleanor é uma personagem real, com humor invejável, cheia de problemas como todo mundo e isso nos deixa mais próximos dela.Seu filho, Timby, é um personagem muito divertido,cuja inocência e esperteza me conquistaram.

Confesso que não sabia o que esperar da trama. E o que mais me surpreendeu foi o fato de a narrativa não ter um rumo certo, não sei bem se atendeu as minhas expectativas. Mas,as únicas certezas do livro são : que Timby acompanharia o longo dia com sua mãe, que o marido mentiu para Eleanor e algum segredo seria revelado. Quando ao final, eu não sabia lidar com minha surpresa.


 “— Eu estava dizendo que odeio as princesas da Disney…
— Você ama as princesas da Disney! — gritei.
— Nunca gostei delas! — berrou ele de volta.
— Você se vestiu de Gaston no Halloween, e Gaston gosta da Bela, então você…
Paf! Timby bateu a porta com força.”

Uma coisa que me incomodou foi a relação de Eleanor e sua irmã, Ivy – uma relação inexistente. Porém, talvez a autora tenha em mente que não conseguimos resolver todos os problemas rapidamente e no mesmo dia, porém alguns são aos poucos e precisam de mais tempo. 

Eu recomendo a leitura para você que quer se divertir com uma Eleanor sarcástica, que gosta de diálogos engraçados e atuais, mas não crie grandes expectativas. Não será um livro de chic-lit, não será um romance, porém será uma leitura atual de uma mulher cheia de problemas em um dia que planejou que ia ser diferente. E quem tem um dia perfeito, não é?

 “Nem todas essas características são ruins: perfeccionismo é o que torna um aluno o melhor da turma; dificuldade para confiar nos outros gera autossuficiência; baixa autoestima pode ser uma excelente motivação; se todo mundo fosse entusiasta da realidade, não haveria arte.”

                      Nota: ★★★(3,5/5) 



divulgar

1 comentário

26 outubro 2017

Resenha: A Origem, Dan Brown

Título: A Origem
Autor:Dan Brown
Páginas: 432
Ano: 2017 

Editora: Arqueiro

Sinopse: Robert Langdon, o famoso professor de Simbologia de Harvard, chega ao ultramoderno Museu Guggenheim de Bilbao para assistir a uma apresentação sobre uma grande descoberta que promete “mudar para sempre o papel da ciência”.
O anfitrião da noite é o futurólogo bilionário Edmond Kirsch, de 40 anos, que se tornou conhecido mundialmente por suas previsões audaciosas e invenções de alta tecnologia. Um dos primeiros alunos de Langdon em Harvard, há 20 anos, agora ele está prestes a revelar uma incrível revolução no conhecimento… algo que vai responder a duas perguntas fundamentais da existência humana.
Os convidados ficam hipnotizados pela apresentação, mas Langdon logo percebe que ela será muito mais controversa do que poderia imaginar. De repente, a noite meticulosamente orquestrada se transforma em um caos, e a preciosa descoberta de Kirsch corre o risco de ser perdida para sempre.
Diante de uma ameaça iminente, Langdon tenta uma fuga desesperada de Bilbao ao lado de Ambra Vidal, a elegante diretora do museu que trabalhou na montagem do evento. Juntos seguem para Barcelona à procura de uma senha que ajudará a desvendar o segredo de Edmond Kirsch.
Em meio a fatos históricos ocultos e extremismo religioso, Robert e Ambra precisam escapar de um inimigo atormentado cujo poder de saber tudo parece emanar do Palácio Real da Espanha. Alguém que não hesitará diante de nada para silenciar o futurólogo.
Numa jornada marcada por obras de arte moderna e símbolos enigmáticos, os dois encontram pistas que vão deixá-los cara a cara com a chocante revelação de Kirsch… e com a verdade espantosa que ignoramos durante tanto tempo.

LIVRO CEDIDO EM PARCERIA COM A EDITORA ARQUEIRO

Robert Langdon está no Museu Guggenheim Bilbao para prestigiar seu ex-aluno Edmond Kirsch, um rico futurólogo que alega ter feito uma descoberta capaz de mudar a humanidade para sempre, respondendo às perguntas que todo ser humano já fez: de onde viemos? Para onde vamos? Edmond, ateu dos pés à cabeça, consultou anteriormente três autoridades religiosas: o bispo católico, Antonio Valdespino; um imã muçulmano, Syed al-Fadl e o rabino Yehuda Koves, ambos sobre a descoberta, cujos líderes ficaram pasmos, pois o que Edmond revelaria ao mundo destruiria as religiões.


A apresentação será transmitida para o mundo inteiro pelo auditório moderno do museu, dirigido pela Ambra Vidal, a noiva do príncipe herdeiro, Julían da Espanha. Todavia, antes de Edmond revelar ao mundo sua grande descoberta aterrorizante, ele é assassinado com um tiro na cabeça, no meio da apresentação para bilhões de pessoas. Mas, antes do show começar, Langdon recebeu um aviso de que algo aconteceria no evento. Afinal, um convidado de última hora foi posto na lista do evento: um almirante espanhol aposentado. A partir da morte repentina de Edmond, Langdon correrá atrás do segredo do seu ex-aluno: pelo qual ele morreu. Ambra Vidal ajudará nessa busca pela verdade, já que foi ela que colocou o almirante na lista, a partir do pedido do Palácio Real.

 Estou chocada, literalmente. Eu nunca tinha lido nada do Dan Brown. Essa foi minha primeira experiência e eu fiquei grudada no livro por um bom tempo, tentando resolver o enigma e de cara já aprendi um pouco mais sobre arte moderna. O livro conta com conspirações da internet,notícias das mídias sociais, arte moderna, como Antoni Gaudí, Joan Miró; questionamentos religiosos.Afinal, quem estaria por trás da morte de Edmond? Qual seria a descoberta que dividiria a igreja e a ciência?

“Permitir a ignorância é dar poder a ela. Não fazer nada enquanto nossos líderes proclamam absurdo é um crime de complacência. Assim como deixar que as escolas e as igrejas ensinem inverdades completas ás nossas crianças.”


O livro também tem um ar de ficção cientifica, ao mencionar a inteligência artificial criada por Edmond.Langdon é um personagem novo para mim: por vezes, chato, mas especialista nas artes e simbolismos, fator que me interessou. Mas, Winston(te venero) é um personagem divertido, engraçado com muito senso de humor e apesar de ser uma inteligência artificial, é presente demais na história. 

A Origem tem bons mistérios, porém a leitura foi em um ritmo mais lento. A história é bem construída, apesar de um pouco previsível em algumas cenas. O livro coloca mais fogo na briga entre ciência e religião, um assunto atual e tão discutido. Também conta com muitos detalhes acerca da arte moderna e teorias, conforme a ciência vai avançando, a religião perde a credibilidade para algumas coisas. Uma descoberta que pode tirar a credibilidade do que é vendido pelas religiões. Uma realidade vivenciada pela alta tecnologia, que já tem presença da inteligência artificial.


"Você prefere viver em um mundo sem religião ou sem tecnologia?"

As ultimas 100 páginas foram alucinantes. A trama ainda conta com um desfecho que deixa vários pontos de interrogação, com uma mensagem de amor e aprendizado a partir dos erros.A Origem fala sobre os problemas que enfrentamos a respeito da religião e de como ela causa alguns atrasos em vários lugares do mundo, por conta do seu fanatismo. Uma leitura interessante e um pouco previsível, mas que vale a pena para quem é fã da escrita do autor ou para quem quer conhece-lo. Já quero ler mais livros do Dan Brown. Quais vocês me sugerem?

Nota: ★★★(4/5) 


divulgar

1 comentário

25 outubro 2017

Leia.Seja.

Boa tarde , leitores! Quantas vidas você já viveu através dos livros ? Hoje vim falar de algo indispensável: livros e de um projeto incentivador da leitura : #leiaseja. Desde pequena , eu já lia . Encontrava nas histórias do Sítio do Pica-pau amarelo , as aventuras e os amigos, me divertia horrores. Na adolescência, conheci a Capitu, o Bentinho, a Iracema , a Isaura, personagens da literatura clássica brasileira, que me fizeram questionar , criticar e formar minha essência de leitora. Hoje, leio de tudo a todo momento.  Dos clássicos aos YA’s, do romance ao terror. A leitura já não é mais um visitante na minha vida , já se tornou casa e nela fiz minha fortaleza. E você ? O que a leitura significa na sua vida?
  
O Leia.Seja.É uma campanha realizada pelo Sindicato Nacional dos Editores de Livros para espalhar a mensagem do valor do livro e o quanto ele pode  ser um agente transformador na sociedade. Por isso, um time de personalidades fantasiadas de personagens clássicos da literatura brasileira e mundial entraram para o time.
Cauã Reymond "Um dos melhores exercícios para o ator é ler, porque ajuda você a construir os personagens e a história na sua cabeça."
    Bela Gil "O livro faz você viajar, tornar-se íntimo de um lugar que nem conhece."
Pedro Bial "O tesouro da língua está escrito nos livros brasileiros, que nos lembram que temos o projeto comum da nossa nação e, principalmente, nos trazem prazer. Leitura é a coisa mais gostosa que tem." 
Bernardinho "Além de me capacitar e me inspirar sobre grandes líderes mundiais nas mais diversas áreas, a leitura é onde eu consigo me transportar para outro lugar. Meu repouso é imergir numa história."

Então, vamos alegrar esse país no Dia Nacional do Livro29 de outubro. Então, te convido a participar postando uma foto , respondendo uma das seguintes perguntas :Qual é o seu livro favorito ? Qual seu personagem predileto? Qual a importância da leitura para você ? 




“Divida a sua paixão pelos livros e incentive alguém a ler. Use as hashtags #LeiaSeja e #DiaNacionalDoLivro, marque os perfis nas redes sociais (@leiaseja) e divirta-se! Vamos juntos celebrar o valor do livro na sociedade.”

                                                        www.instagram.com/leiaseja


divulgar

1 comentário


Resenha:Uma história de verão - Pam Gonçalves ★★★★(4,5/5)

Título: Uma história de verão
Autora: Pam Gonçalves
Ano: 2017
Páginas: 304

Editora: Galera Record

 Sinopse:É o último verão de Analu perto de casa antes da faculdade. Entre a dificuldade de se entender com seus pais, que queriam que ela cursasse Direito e não Cinema, e as persistentes comparações com seu irmão gêmeo, André Luiz, o grande exemplo de filho que faz tudo para agradar, a garota está cansada de tanta hipocrisia e da cobrança de todos e só quer aproveitar suas férias com os amigos. O lugar é lindo, o clima está ideal e não faltam lembranças em cada cantinho da praia. Pena que nem todas são boas: a primeira decepção amorosa e grande paixão de Ana Luísa, Murilo, está de volta com o sorriso cafajeste de sempre e novas promessas. De um lado, o futuro em uma nova e incrível cidade, São Paulo; do outro, os amigos, a família e um amor traiçoeiro que ao mesmo tempo machuca e envolve.

Analu acabou o Ensino Médio, está prestes a começar a faculdade e está curtindo os últimos dias de férias, antes que se separe de seus melhores amigos para morar em São Paulo. Porém, Analu tem uma família que busca a perfeição em tudo, que quer obriga-la a seguir o curso de Direito e seu irmão gêmeo, a seguir os passos do seu pai em engenharia.

Mas, Analu é uma jovem rebelde, que apesar de viver conflitos na família, quer realizar seus sonhos e isso começa quando passa na faculdade de cinema, alvo de desaprovação de seus pais. Por isso, aproveitará seu último verão com seus amigos Gisele e Yuri antes de se mudar definitivamente para São Paulo, porém ela acaba reencontrando alguém que lhe machucou muito há alguns anos atrás: Murilo, sua paixão insistente.



Acompanho a Pam desde o Garota IT e é uma imensa alegria ler mais um livro dela. Esse romance é bem a cara da Pam, ao lembrar dos lugares que ela gosta, as referências e cenários que até lembram  outras histórias. Teve até música do Forfun J


Uma história de verão tomou rumos inesperados em alguns momentos, fugiu dos clichês (alguém diz amém?), mesmo não sendo do jeito que eu esperava, foi uma leitura fluida, mais leve e envolvente. A autora aborda sutilmente algumas discurssões sociais importantes, que por mim, deveriam ter sido melhor abordadas.


 Analu foi uma personagem que me irritou em alguns momentos: sua desconfiança permanente me fizeram desgosta-la um pouco. Por isso, eu queria mais dos personagens secundários e  nas últimas páginas, eu senti que a história ficou bagunçada, fugindo do foco principal.
Eu adorei tanto essa história, que seria pedir demais uma continuação? Eu adoraria acompanhar mais da Analu e claro, de seus melhores amigos ! J


“Algumas vezes a gente não entende a escolha das outras pessoas. Mas existem coisas na vida que só cabe a elas decidirem. “

Nota:★★(4,5/5)


divulgar

comentar

24 outubro 2017

Lançamentos de novembro da Editora Arqueiro

Boa noite, pessoal ! Já conferiram os lançamentos da Editora Arqueiro de Novembro? Só posso adiantar que quero todos. Confira abaixo:

                                                         Um beijo à meia-noite
Título: UM BEIJO A MEIA NOITE,Eloisa James
PÁGINAS: 272
Sinopse: Kate Daltry é uma jovem de 23 anos que não costuma frequentar os salões da alta sociedade. Desde a morte do pai, sete anos antes, ela se vê praticamente presa à propriedade da família, atendendo aos caprichos da madrasta, Mariana. Por isso, quando a detestável mulher a obriga a comparecer a um baile, Kate fica revoltada, mas acaba obedecendo.
Lá, conhece o sedutor Gabriel, um príncipe irresistível. E irritante. A atração entre eles é imediata e fulminante, mas ambos sabem que um relacionamento é impossível. Afinal, Gabriel já está prometido a outra mulher – uma princesa! – e precisa com urgência do dote milionário para sustentar o castelo.
Ele deveria se empenhar em cortejar sua futura esposa, não Kate, a inteligente e intempestiva mocinha que se recusa a bajulá-lo o tempo todo. No entanto, Gabriel não consegue disfarçar o enorme desejo que sente por ela. Determinado a tê-la para si, o príncipe precisará decidir, de uma vez por todas, quem reinará em seu castelo.
Um beijo à meia-noite é um conto de fadas inspirado na história de Cinderela. Com um estilo que combina graça, encanto e sedução, Eloisa James escreve uma narrativa envolvente, com direito a fada madrinha e sapatinho de cristal.



                                                           A Pedra Pagã
Título: A PEDRA PAGÃ, Nora Roberts
PÁGINAS: 272
Sinopse: Partilhando visões de morte e fogo, os irmãos de sangue Cal, Fox e Gage e as mulheres ligadas a eles pelo destino, Quinn, Layla e Cybil, não podem ignorar o fato de que o demônio está mais forte do que nunca e que a batalha final pela cidade de Hawkins Hollow está a poucos meses de acontecer.
A boa notícia é que eles conseguiram a arma necessária para deter o inimigo ao unir os três pedaços de jaspe-sanguíneo. A má notícia é que ainda não sabem como usá-la e o tempo está se esgotando.
Compartilhando o dom de ver o futuro, Cybil e Gage podem descobrir a resposta para esse enigma se trabalharem juntos. Só que, além de não terem nada em comum, os dois se recusam a ceder aos próprios sentimentos. Um jogador profissional como Gage sabe que se entregar a uma mulher como Cybil – com a inteligência, a força e a beleza devastadora dela – pode ser uma aposta muito alta. E qualquer erro de estratégia pode significar a diferença entre o apocalipse e o fim do pesadelo para Hawkins Hollow.
Em A Pedra Pagã, Nora Roberts encerra a emocionante trilogia A Sina do Sete, uma história sobre família, amor e amizade que consegue arrancar arrepios e suspiros de seus leitores.


                                                   A pérola que rompeu a concha

Título: A PÉROLA QUE ROMPEU A CONCHA, Nadia Hashimi
PÁGINAS: 448 
Sinopse: Filhas de um viciado em ópio, Rahima e suas irmãs raramente saem de casa ou vão à escola em meio ao governo opressor do Talibã. Sua única esperança é o antigo costume afegão do bacha posh, que permite à jovem Rahima vestir-se e ser tratada como um garoto até chegar à puberdade, ao período de se casar.
Como menino, ela poderá frequentar a escola, ir ao mercado, correr pelas ruas e até sustentar a casa, experimentando um tipo de liberdade antes inimaginável e que vai transformá-la para sempre.
Contudo, Rahima não é a primeira mulher da família a adotar esse costume tão singular. Um século antes, sua trisavó Shekiba, que ficou órfã devido a uma epidemia de cólera, salvou-se e construiu uma nova vida de maneira semelhante. A mudança deu início a uma jornada que a levou de uma existência de privações em uma vila rural à opulência do palácio do rei, na efervescente metrópole de Cabul.
A pérola que rompeu a concha entrelaça as histórias dessas duas mulheres extraordinárias que, apesar de separadas pelo tempo e pela distância, compartilham a coragem e vão em busca dos mesmos sonhos. Uma comovente narrativa sobre impotência, destino e a busca pela liberdade de controlar os próprios caminhos.

                                                                  Tipos incomuns
Tipos incomuns, Tom Hanks
Páginas: 352
Sinopse:Um affaire agitado e divertido entre dois grandes amigos. Um ator medíocre que se torna uma estrela e se vê em meio à frenética viagem de divulgação de um filme. O colunista de uma cidadezinha com um ponto de vista antiquado sobre o mundo. Uma mulher se adaptando à vida na nova vizinhança após o divórcio. Quatro amigos e sua viagem de ida e volta à Lua num foguete construído num fundo de quintal.
Essas são apenas algumas das pessoas e situações que Tom Hanks explora em sua primeira obra de ficção. Os contos têm algo em comum: em todos, uma máquina de escrever desempenha um papel — às vezes menor, às vezes central.
Conhecido por sua sensibilidade como ator, Hanks traz essa característica para sua escrita. Ora extravagante, ora comovente, ocasionalmente melancólico, Tipos incomuns deleitará e surpreenderá seus milhões de fãs.







divulgar

comentar

19 outubro 2017

Resenha:Antes de partir - Colleen Oakley


Título: Antes de Partir

Autora: Colleen Oakley

Editora: Bertrand Brasil
Páginas: 384
Ano: 2016
Sinopse: Na véspera do que esperava ser uma triunfante comemoração de três anos livre do câncer, Daisy, 27 anos, sofre um golpe devastador: seu médico lhe diz que a doença está de volta, desta vez ainda mais agressiva. Tendo apenas de quatro a seis meses de vida, ela está apavorada com o que será de seu marido, Jack, quando não estiver mais lá para cuidar dele. Esse medo tira seu sono, até que uma solução lhe vem à mente: ela precisa encontrar outra mulher para ele. Com uma determinação singular, Daisy visita parques, cafeterias e sites de relacionamento à procura do par perfeito para Jack. Mas, à medida que ela avança em sua busca, ela se vê forçada a decidir o que é mais importante no curto tempo que lhe resta: a felicidade de seu marido ou a sua própria?

Antes de Partir da Colleen Oakley é o segundo  livro do projeto #OutubroRosaAmigosLiterários 💕

Daisy tem 27 anos, mas há 3 anos venceu o câncer de mama e depois disso sua vida mudou para melhor:ela pratica ioga, não come carne vermelha, está se alimentando melhor. A cada ano que passa, ela comemora com seu marido Jack  , o  terceiro aniversário livre do câncer de mama. Porém , no ultimo check up , ela recebe uma noticia fatal: o câncer voltou e com metástase em vários órgãos e no cérebro.Seu planos, sua nova vida acabou.

"Uma coisa é considerar a morte quando ela constitui algo intangível, um evento em um futuro distante. Mas e quando ela está fungando em seu cangote? Impossível."

O que você faria se só tivesse seis meses de vida? Esse é o grande dilema de Daisy. Porém, a única coisa que lhe preocupa é como Jack ficará sem ela. A partir disso, ela se meterá em confusões, sua ansiedade, depressão, medo do futuro também a deixaram atrapalhada e confusa .

Confesso que Daisy me angustiou desde o momento do retorno do câncer. Tive vontade de abraça-la e depois dizer umas poucas e boas a ela, mas sabe? Depois que finalizei a leitura, eu entendi seu comportamento. Eu gostei do livro, gostei dos diálogos e eu até que me simpatizei com Jack, mas queria que eles tivessem conversado mais.  Eu so senti falta de um final mais planejado, mas tudo bem.

"O que há de errado com nós dois? O câncer não deveria aproximar mais os casais? Não era pra estarmos gastando todo o nosso tempo acariciando os dedos um do outro enquanto sussurramos frases como "eu te amo", arrependimentos e esperanças..."

"Antes de partir" é uma história sobre câncer com personagens reais em uma situação desestabilizadora. Além do mais, a doença não é o tema central, mas sim a forma como ela afeta o relacionamento de ambos e como eles lidam com a notícia.

Em suma , gostei da leitura de Antes de Partir. Colleen Oakley construiu uma trama leve e melancólica, mas ao mesmo tempo uma história emocionante e bela. Se você está em busca de um bom romance, este livro é mais que indicado. 

Nota: ★★★(4/5) 




divulgar

comentar

16 outubro 2017

Resenha: Estamos bem, Nina LaCour

Título:Estamos Bem
Autora:Nina LaCour
Ano: 2017
 Páginas: 224

Editora: Plataforma21

Gênero: Ficção / Jovem adulto / LGBT / GLS / Literatura Estrangeira
Sinopse: Marin deixou tudo para trás. A casa de seu avô, o sol da Califórnia, o corpo de Mabel e o último verão agora são fantasmas que ela não quer revisitar. O retrato de uma história em que já não se reconhece mais. Ninguém nunca soube o motivo de sua partida. Nada se sabe sobre a verdade devastadora que destruiu sua vida. 

Agora, ela vive em um alojamento vazio e está sozinha no inverno de Nova York. Marin está à espera da visita de sua melhor amiga e do inevitável confronto com o passado. As palavras que nunca foram ditas finalmente se farão presentes para tirá-la das profundezas de sua solidão.

"O desconhecimento é um lugar escuro. É difícil se render a ele. Mas acho que é onde moro a maior parte do tempo. Acho que é onde todos nós vivemos, então talvez não precise ser tão solitário. Talvez eu consiga me acomodar, me aconchegar, construir um lar na incerteza"

Marin deixou a Califórnia e largou sua vida após a morte do seu avô, a quem era fortemente ligada. Agora, ela está em uma faculdade em Nova York , sobrevivendo dia após dia aos fantasmas do último verão. Uma história que tornou-se passado e ao qual ela não quer mais lembrar. Ela partiu sem contar a verdade a ninguém.

Ela  passará as férias sozinha no alojamento, porém sua melhor amiga vai visita-la no inverno. Marin está a espera do confronto com o passado. Das palavras que nunca disse, da verdade que nunca revelou e dos medos que não a deixam sair das profundezas da solidão.

O livro narra a depressão que Marin passa, seu isolamento do mundo, sua tentativa de interagir o mínimo possível com as pessoas: um fantasma na vida. Mas, com sua amiga ali, ela acaba exteriorizando seus sentimentos.

A história se passa em 3 dias: o tempo que Mabel passa no alojamento com Marin, logo dando a impressão que uma pequena conversa entre as duas torna-se sessão de terapia, já que aos poucos Marin vai se abrindo. Com uma narrativa alternando entre passado e presente, a história é melancólica e sensível. É possível perceber o quanto Marin está quebrada, já que tem a impressão de não ter realmente conhecido o avô, como se a relação dos dois fosse falsa.


Alguns fatos se tornam repetitivos com uma melancolia constante. Ainda não me decidi se gostei ou não do livro. Para mim, faltou aprofundamento. Mas, a mensagem da autora foi clara: nesses momentos de isolamento, solidão, o que pode salvar alguém é um abraço, uma palavras de  amor ou só estar presente.

Nota: ★★★(3,5/5) 



divulgar

1 comentário

13 outubro 2017

Resenha: O Rouxinol, Kristin Hannah


Título: O Rouxinol

Autora: Kristin Hannah
Editora: Arqueiro
Páginas: 432
Ano: 2015
Sinopse: “Neste épico passado na França da Segunda Guerra, duas irmãs se afastam por discordarem sobre a ameaça de ocupação nazista. Com temperamentos e princípios divergentes, cada uma delas precisa encontrar o próprio caminho e enfrentar questões morais e escolhas de vida ou morte.” - Christina Baker Kline, autora de O trem dos órfãos França, 1939: No pequeno vilarejo de Carriveau, Vianne Mauriac se despede do marido, que ruma para o fronte. Ela não acredita que os nazistas invadirão o país, mas logo chegam hordas de soldados em marcha, caravanas de caminhões e tanques, aviões que escurecem os céus e despejam bombas sobre inocentes. Quando o país é tomado, um oficial das tropas de Hitler requisita a casa de Vianne, e ela e a filha são forçadas a conviver com o inimigo ou perder tudo. De repente, todos os seus movimentos passam a ser vigiados e Vianne é obrigada a fazer escolhas impossíveis, uma após a outra, e colaborar com os invasores para manter sua família viva. Isabelle, irmã de Vianne, é uma garota contestadora que leva a vida com o furor e a paixão típicos da juventude. Enquanto milhares de parisienses fogem dos terrores da guerra, ela se apaixona por um guerrilheiro e decide se juntar à Resistência, arriscando a vida para salvar os outros e libertar seu país.

Eu sou apaixonada por livros que se passam durante a Primeira e Segunda Guerras Mundiais, pelas grandiosas histórias que poucos sabem, mas que acabaram salvando muitas vidas , mesmo com o grande sofrimento do ocorrido. Mas, nenhum livro tinha me preparado pra o que estava por vir em “ O rouxinol”.

O Rouxinol contará a história das irmãs Viane e Isabelle. Depois de perder a mãe muito cedo, as irmãs são enviadas por um pai angustiado pela guerra para serem criadas por uma mulher má. A vida a fez terem personalidades diferentes. Viane é a mais doce, aceitou o abandono do pai e junto com seu marido , Antoine e já melhor amiga, Rachel , o amor floresceu novamente . Isabele é impetuosa e atrevida, sente-se abandonada pelo pai e pela irmã, assim fica com o coração endurecido e vive contra as regras.


“Não sei mais qual é a coisa certa a fazer. Quero proteger e manter Sophie segura, mas de que adianta a segurança para crescer em um mundo onde as pessoas desaparecem sem deixar vestígios por rezarem a um Deus diferente?”

Quando a Segunda Guerra Mundial começa em 1939, os maridos franceses são convocados para defenderem seu país, enquanto a França é dominada pelo exército alemão. Logo, as duas irmãs lutam de maneiras opostos . Enquanto Viane é sensata, Isabele é impulsiva, corajosa. Ambas, sobrevivendo e lutando com todas as forças para proteger o que ainda lhe restam .Cada uma assumirá um papel diferente diante da luta contra o nazismo, funções que precisam assumir em um momentos desesperadores de uma guerra tão violenta.

 “– Os homens contam histórias – respondo. É a resposta mais simples para a pergunta dele. – As mulheres seguem em frente com essas histórias. Para nós foi uma guerra nas sombras. Ninguém organizou desfiles para nós quando a guerra acabou, não nos deram medalhas nem nos mencionaram nos livros de história. Fizemos o que precisávamos fazer durante a guerra, e quando tudo acabou nós recolhemos os cacos para começar a vida de novo”.

Em O Rouxinol , a autora nos apresenta uma história sobre familia, amor e forças para sobreviver a tamanhas atrocidades. Fui transportada para dentro da história, imaginei os diálogos , as cenas e quantas vezes fechei o livro para respirar e posteriormente voltar a leitura. Senti o aperto no peito, o nó na garganta .

"O rouxinol" é  escrito de maneira sensivel, que mostra os lados do ser humano, que mostra sob a perspectiva francesa como foi a Segunda Guerra Mundial, além de mostrar a força feminina, com personagens bem construídos e que muitas vezes me proporcionaram tamanho orgulho dos seus feitos.  Isabelle , uma verdadeira rebelde  e sua irmã,  Vianne, uma mulher cuidadosa e amorosa. 

"Feridas cicatrizam. O amor perdura."  
O fato de ter como protagonistas as mulheres, apenas reforça que não só os homens viveram, sofreram e sobreviveram a guerra. As mulheres tiveram que lutar pelos seus lares, proteger sua família e brigar pela sobrevivência . 

Me emocionei e amei a leitura. Depois de ter lido “ As coisas que fazemos por amor” e “O rouxinol”, só posso desejar ler mais livros da autora. Além de recomendar esse livro , mas aviso: prepare o ️, coloque lencinhos perto de ti e se mantenha firme .


"Se há uma coisa que aprendi nesta minha longa vida foi o seguinte: no amor, nós descobrimos quem desejamos ser; na guerra, descobrimos quem somos."



Nota: ★★★★(4,5/5) 


divulgar

comentar


Resenha:Belinda & Em, Cammie McGovern





Título: Belinda & Em

Autora: Cammie McGovern
Editora: Galera Record
Páginas: 399
Sinopse: Autora de “Amy & Matthew”, Cammie McGovern volta às livrarias contando a história de uma outra dupla desta vez. Emily sempre se orgulhou da sua capacidade de enxergar além das aparências. Copresidente da Coalizão para Ação Jovem da escola, é a primeira a defender os direitos das minorias. Mas, secretamente, Emily ainda é um pouquinho fascinada pelos populares da escola. E nutre um leve rancor quanto a sua inexistente vida amorosa. É justamente enquanto pensa nisso que a garota testemunha uma colega de classe com necessidades especiais, Belinda, ser atacada embaixo das arquibancadas da escola. E não faz nada. Emily e Lucas, outra testemunha passiva do ataque, são obrigados a prestar serviço comunitário em um centro de pessoas como Belinda. Logo os jovens começam a sentir que podem fazer uma diferença real.

Da mesma autora de Amy & Matthew, conheceremos Belinda e Em. Emily sempre se orgulhou de enxergar além das aparências. Ela  é a copresidente da Coalizão para Ação Jovem de sua escola , com seu melhor amigo , Richard, sendo assim , eles vivem fazendo campanhas de conscientização para defesa dos direitos das minorias. Porém, quando vê uma garota com necessidades especiais sendo atacada debaixo das arquibancadas durante um jogo de futebol americano, ela não consegue fazer nada para ajuda-la. Mas também, Lucas Kessler ,um dos jogadores, estava perto e mesmo assim, não faz nada.

Por serem testemunhas passivas de um ataque, Em e Lucas são obrigados a prestar serviço comunitário em um centro de pessoas especiais como Belinda.Então, todas as semanas eles ajudam em uma aula chamada Limites e Relacionamentos, que discute a questão da convivência entre adultos que possuem alguma deficiência. Aos poucos, eles percebem que precisam se redimir pelo que não fizeram por Belinda.

O livro é narrado  pela Emily e por Belinda, nos proporcionando conhecer os dois lados da história. Belinda tem quase 22 anos, está no último ano do Ensino Médio e é louca por Orgulho e Preconceito (ps: a versão com Colin Firth). Ela também sonha com o dia em que um garoto a chamará para dançar como no filme.Além disso, ela amar atuar, mas nunca lhe dão oportunidade na escola.

Na realidade, eu amei tanto Amy&Matthew, que logo já queria ler outros livros da autora. Quanto a esse, eu evitei ler sinopse ou qualquer resenha relacionada, para não alimentar grandes expectativas.
Comecei a leitura como quem não quer nada e adentrei completamente na história. Os personagens são bem desenvolvidos, toda a trama voltada para testemunhar um crime é bem interessante e foi incrível acompanhar o amadurecimento dos personagens nessa jornada em busca do perdão a si mesmo por algo que presenciaram, mas não conseguiram fazer nada.

“ Passamos três anos lutando exatamente contra essa mentalidade em nosso apático corpo estudantil. Como eu poderia contar a eles que eu representava o pior daquilo? “

Gostei muito de Belinda & Em, mesmo que eu não soubesse qual era a deficiência de Belinda,e ignorei minha irritação com algumas ações dela ou das pessoas ao seu redor. Emily também é uma personagens de aparências, inicialmente, se fazendo de boa moça e julgando erroneamente outras pessoas. Outro fato que se perdeu na história foi o tema preconceito e luta, que foi substituído por romance e o mesmo drama de sempre.

"Devia conhece-los de verdade, para que eles o conheçam também e vejam o que eu vejo: como ele é surpreendente, incrível e doce. "

Belinda & Em foi um livro que me agradou parcialmente, mesmo com alguns contratempos na história que me decepcionaram, me senti feliz no final da leitura.Porém, o mais legal é ver as pessoas com necessidades especiais com outros olhos, visto que muitas vezes são tratados com preconceito, negligencia e violência. Esse é um tema que precisa ser mais debatido na nossa sociedade.



"A pior coisa que você pode fazer é não fazer nada" .

Nota: ★★★★(4/5) 


divulgar

comentar

09 outubro 2017

Resenha: Dançando sobre cacos de vidro, Ka Hancock


 Título: Dançando Sobre Cacos de Vidro

Autora: Ka Hancock
Editora: Arqueiro
Páginas: 329
Ano: 2014

Sinopse: Lucy Houston e Mickey Chandler não deveriam se apaixonar. Os dois sofrem de doenças genéticas: Lucy tem um histórico familiar de câncer de mama muito agressivo e Mickey, um grave transtorno bipolar. No entanto, quando seus caminhos se cruzam, é impossível negar a atração entre eles.Contrariando toda a lógica que indicava que sua história não teria futuro, eles se casam e firmam – por escrito – um compromisso para fazer o relacionamento dar certo. Mickey promete tomar os remédios. Lucy promete não culpá-lo pelas coisas que ele não pode controlar. Mickey será sempre honesto. Lucy será paciente.
Como em qualquer relação, eles têm dias bons e dias ruins – alguns terríveis. Depois que Lucy quase perde uma batalha contra o câncer, eles criam mais uma regra: nunca terão filhos, para não passar adiante sua herança genética.
Porém, em seu 11° aniversário de casamento, durante uma consulta de rotina, Lucy é surpreendida com uma notícia extraordinária, quase um milagre, que vai mudar tudo o que ela e Mickey haviam planejado. De uma hora para outra todas as regras são jogadas pela janela e eles terão que redescobrir o verdadeiro significado do amor.
Dançando sobre cacos de vidro é a história de um amor inspirador que supera todos os obstáculos para se tornar possível.

Durante o mês de outubro, a linda da @stebookaholic criou o projeto maravilhoso #OutubroRosaAmigosLiterários, onde preza a leitura de livros cujos personagens vivem com Câncer de Mama. Para incentivar essa Campanha  #OutubroRosa💕, li Dançando Sobre Cacos de Vidro da Ka Hancock um livro que eu desejava ler a anos e finalmente li 🙏🏻
Ps: Alguém me ajuda a juntar os pedaços do meu coração?

Lucy está com 34 anos e têm duas irmãs: Lily e Priscila.Lily é  sua alma gêmea , dividindo segredos e sempre ajudando uma a outra . Lily é casada com Ron e sofre por não poder ter filhos. Priscila é a irmã mais nova, uma advogada famosa. 
O pai de Lucy era policial e foi morto quando ainda ela ainda era criança e sua mãe morreu quando ela tinha 17 anos, vítima de um câncer, que também matou sua avó. 

Em seu aniversário de 21 anos, Lucy conhece Mickey. O relacionamento dos dois nunca foi comum .Mickey sofre de transtorno bipolar e Lucy tem a herança genética do câncer . Mas, isso não foi páreo para o amor que ambos sentiam. Um sempre respeitando as dificuldades e limitações do outro. Por isso, casaram depois de alguns anos e decidiram não ter filhos, para que a herança genética não fosse transmitida.

Todavia, Lucy descobre-se grávida, mas também com câncer de mama , que se espalhou para o pulmão. O acontecimento deveria ser de felicidade, mas acaba sendo um desafio do amor do casal e para a família .

"E, depois de descobrir todas as minúcias da sua estranheza e de identificar todos os seus componentes, não vi uma única razão boa o bastante para não amá-lo." 

Preciso dizer que, não estava preparada para essa história . Li como quem não quer nada e fui pegar de surpresa com lágrimas nos olhos e com o coração apertado . Uma verdadeira lição de vida, de amor a família, superação de perdas e respeito às limitações do outro .

"A gente compensa as perdas como pode, não importa quando elas ocorram."

A história se alterna em capítulos narrados entre  o passado e o presente. A autora abordou dois temas : transtorno bipolar e câncer de mama de uma sutileza e sensibilidade que nunca tinha visto . Com personagens que vamos conhecendo aos poucos e nos apegando pela sua felicidade .A narrativa da Ka Hancock não é demasiadamente detalhada , fazendo com o leitor viver dentro da história e fazer parte dela.

É uma leitura tão envolvente, que é impossível desgrudar antes do final, mesmo que seja previsível, mas não deixa de ser emocionante. Uma história triste, feliz e encantadora sobre a vida.Recomendo este livro para quem ama romances emocionantes, mas estejam preparados para dançar  Sobre Cacos de Vidro,literalmente, pois é preciso ser corajoso para sofrer um pouquinho lendo-a.



  Nota: ★★★★(5/5) 



divulgar

comentar