• Cinema
  • Inspiração
  • Leitura
  • Música
  • Playlist
  • Resenha
  • Série
  • Texto
  • Vídeo
30 abril 2017

Música: Vanguart - Beijo Estranho

Mais uma vez a banda cuiabana Vanguart nos delicia com suas músicas em um novo álbum. Lançado na última sexta-feira, Beijo Estranho vem consolidar todo sentimento despertado no último álbum.

Depois de um álbum cheio de amor e melancolia (Muito Mais Que o Amor - 2013), a Vanguart traz a continuação do trabalho que vem fazendo nos últimos 15 anos de uma forma muito mais otimista e positiva, sem perder o velho estilo e arranjos de sempre. As músicas estão mais fortes em relação aos instrumentos, se ouve mais de tudo e, com certeza, mostra-se que a técnica dos quatro músicos evoluiu muito desde 2013, onde gravaram as últimas músicas em estúdio.

O grupo mostra a solidez e confiança que construíram nesse tempo e não decepcionam em nenhuma canção. O violino da Fernanda Kostchak continua entrando muito bem no compasso da banda e, só pra variar, a música cantada pelo Reginaldo Lincoln é de arrepiar.

Continuamos tendo orgulho do som apresentado pela Vanguart, mais um vez mostrando que temos sim, no país, bandas de alto nível, tanto nas letras quanto nas melodias. Mesmo com a saída de Douglas Godoy e Luiz Lazzaroto, o banda continua com a mesma força e qualidade.



Sugestões de faixas: Beijo Estranho, Todas As Cores, Eu Preciso de Você e Quente É o Medo.



divulgar

comentar

29 abril 2017

Resenha: A Caminho do Azul Sereno (#3), Veronica Rossi

A Caminho do Azul SerenoTítulo: A Caminho do Azul Sereno (#3)
Autora: Veronica Rossi
Editora: Rocco - Jovens Leitores
Gênero: Ficção Científica, Romance
Páginas: 352
Ano: 2017
Sinopse: No derradeiro capítulo da trilogia Never Sky, sucesso da brasileira radicada nos EUA Veronica Rossi, Aria e Perry estão determinados a encontrar o Azul Sereno, o último refúgio contra as tempestades de éter, cada vez mais constantes no mundo em que vivem. Mais do que o amor proibido que os mantém ligados, eles precisam unir Forasteiros e Ocupantes se quiserem sobreviver, e salvar a vida daqueles que amam. Sem escolha e determinados a permanecerem juntos, contra todas as probabilidades, os dois protagonistas partem para a mais perigosa de suas aventuras, que não só colocará à prova seu amor, coragem e capacidade de liderança, como também exigirá grandes sacrifícios. Será que eles estão preparados para a jornada A caminho do Azul Sereno?

Relembrando a trama: o livro é ambientado 300 anos apos uma catástrofe que devastou a Terra, em um mundo dominado pelo Governo. Por um lado, temos uma pequena parte da população protegida por domos, sem qualquer contato com o mundo exterior. E a outra parte da população vive no mundo exterior, sobrevivendo as duras e perigosas tempestades de Éter. 

No primeiro livro, temos  a Aria, expulsa da Quimera, um dos domos protegidos, sendo obrigada a viver no mundo exterior. Lá, ela conhece o forasteiro Perry, que estava a procura do seu sobrinho e o destino dos dois acaba se cruzando. 

No segundo livro, Perry esta lutando para conquistar o seu lugar e confiança no povo, além de manter um relacionamento com Aria. Logo, Aria também está em busca do Azul Sereno, com ajuda de Roar 
SPOILER: Pela Noite Eterna, segundo volume da trilogia terminou em uma confusão só: Cinder sequestrado, Perry levando sua tribo para uma caverna por causa do aumento das tempestades de éter ,a chegada dos Ocupantes deixados para trás por seu líder Hess. Roar e Perry estavam intigrados, Forasteiros e Ocupantes na maior tensão e o desespero para encontrar uma solução que os levasse ao Azul Sereno antes que seja tarde demais. Mas, Aria está ao seu lado agora e tudo será possível para Perry.

Ária está de volta entre os Marés, mas ainda se recuperando do ferimento no braço.Aria é uma personagem de peso: coragem, honestidade e voraz. Nesse livro, sua ligação com Perry é ainda mais bonita e leal, como se apenas com um olhar entendessem um ao outro.

"- O que trouxe você até aqui, Ária?
- Eu precisava encontrar você.
- Eu sei. No segundo em que a deixei, eu me senti do mesmo jeito."

Claro que não contarei mais nada . Porém, foi aquele gostinho de despedida. Cada capitulo me contagiava  a ler mais, sobre as reviravoltas, mortes, descobertas, se o Azul Sereno iria acontecer, os conflitos e surpresas. Muitas revelações te deixarão de cabelo em pé.

Eu adorei o livro, me deliciei com a narrativa e essa série vai deixar saudade.Veronica Rossi não enrolou, respondeu todas as perguntas que você não tinha feito, mas que futuramente pensaria em fazer e deu um encerramento incrível. A narrativa é alternada entre os pontos de vista de Perry e Aria, com capítulos curtos e fluidos.

Se você procura uma trilogia cheia de perigos, inovadora, sem mimi, sem enrolação, que provoca o amadurecimento dos seus personagens e ensina o valor dos erros para os acertos, essa é a escola recomendada.

"Todos nós temos potencial para fazer coisas terríveis, Soren. Mas também temos potencial para superar nossos erros. Eu preciso acreditar nisso. Do contrário, qual o sentido disso tudo?"

  Nota: 




divulgar

comentar

27 abril 2017

Resenha: Princesa das águas, Paula Pimenta

Princesa das ÁguasTítulo: Princesa das Águas
Autora: Paula Pimenta
Editora: Galera Record
Ano: 2016
Páginas: 368
Gênero: Releitura, Romance, Contemporâneo
Sinopse: Arielle Botrel é uma nadadora famosa, prestes a viver o maior desafio de sua existência: participar das Olimpíadas pela primeira vez. Porém, ao contrário do que todos pensam, ela não possui tudo que deseja. Por ser a filha caçula de uma grande família, a garota é muito protegida e, apesar das medalhas e dos troféus, sonha com um cotidiano diferente, onde possa ser livre. Até que um dia um acidente faz tudo mudar. Arielle é apresentada a um mundo novo... E nele existe alguém que vira sua vida de cabeça para baixo. Porém, para conquistá-lo, ela terá que abrir mão de sua voz. Será que Arielle - sem uma única palavra - vai conseguir conquistar esse príncipe? E se no coração dele já existir outra princesa?


 Princesa das Águas é a continuação das releituras modernas de Paula Pimenta. Alias, todo mundo sabe que a Paula é mega fã de princesas das Disney, logo escrevendo com um outro olhar e adaptando para a nossa realidade..

 Depois de conhecermos Princesa Adormecida e Cinderela Pop. Chegou a hora de se encantar com Arielle, uma nadadora brasileira que é corajosa, determinada e so quer viver normalmente. A pressão da morte da mae, as irmãs cantoras, a expectativa do pai sobre sua natação e do Brasil para sua classificação nas Olimpíadas faz com que ela duvide se é realmente ali que ela queria estar. Ela ama as piscinas, mas quer se aventurar. Quando Arielle conhece alguém que faz seu coração pular em uma viagem, ela guarda segredo sobre o que aconteceu naquela viagem e no seu coração.

"Ela sonha com outras paisagens, outras cores, outros reinos. Queria voar, viajar, se apaixonar..."

Eu amo a escrita da Paula, simplesmente não consigo parar de ler e de ficar sorrindo enquanto o faço. Uma narração clara, objetiva, informal e fluida. Princesa das Águas é um livro que prende o leitor do início ao fim, apesar de ser bem bobinho e voltado para o publico infanto-juvenil.A obra aborda  temas bem  recorrentes como : a expectativa dos pais com relação a carreira de seus filhos, a falta de incentivo ao esporte no Brasil e a constante ameaça de perder patrocinadores...

"Será que eu me conhecia o suficiente? Como sabia quem eu era de verdade se a vida inteira fui criada praticamente em um aquário, sem ter conhecimento que existia um oceano do lado de fora?"

A personagem principal passa por momentos de incerteza, descobertas e que mostra que independente de família e amigos, devemos nos encontrar primeiro. Essa é aquela leitura de final de tarde: diverta, fofinha e clichê.

NOTA:




divulgar

comentar

20 abril 2017

Resenha:Reboot # 1, Amy Tintera

RebootTítulo : Reboot #1
Autora: Amy Tintera
Editora: Galera
Páginas:352
Ano: 2015  
Sinopse: Quando grande parte da população do Texas foi dizimada por um vírus, os seres humanos começaram a retornar da morte. Os Reboots eram mais fortes, mais rápidos e quase invencíveis. E esse foi o destino de Wren Connolly, conhecida como 178, a Reboot mais implacável da CRAH, a Corporação de Repovoamento e Avanço Humano. Como a mais forte, Wren pode escolher quem treinar, e sempre opta pelos Reboots de número mais alto, que têm maior potencial. No entanto, quando a nova leva de novatos chega à CRAH, um simples 22 chama sua atenção, e, a partir do momento que a convivência com o novato faz com que ela comece a questionar a própria vida, a realidade dos reinicializados começa a mudar. 

Reboot é o livro de estreia da autora Amy Tintera. Nesse mundo apocalíptico , a morte não é algo definitivo. Mas, se você morrer, a consequência para voltar a vida é ser um reboot ser for jovem ou apenas um zumbi se for adulto.

Os reboots são uma espécie humana "mais evoluída": mais fortes, rápidos, poderes regenerativos. Todavia, quanto mais tempo você demora para voltar a vida, menos traços de humanidade restarão. Os reboots ficam na CRAH - Corporação de Repovoamento e Avanço Humano – lá são resignados para missões do governo.

Wren é a famosa 178, ou seja , ela demorou 178 minutos para voltar a vida e é conhecida como sem sentimentos, assumindo seu papel de reboot com excelência. Ela é responsável por prender rebeldes. Logo, ela também escolhe novatos para treinar , mas dessa vez escolhe o menor número, 22, o Callum, tão baixo e infantil como outros.

Callum, por ter um numero baixo, ele tem traços de humanidade, sendo mais humano que os outros reboots.  O número acaba sendo também um desafio na hora do treinamento , pois sua força e velocidade eram mínimas se comparadas aos outros reboots iniciantes.  Mas, Wren tentará fazer o impossível e o inesperado acontecerá. 

Reboot tem uma premissa muito boa: “zumbis” evoluídos caçando rebeldes e humanos. Mas, me sinto saturada por ler livros sobre zumbis, com algo tao comum: relações forçadas e mudança de foco.  Amy Tintera escreve de forma bem fluída, com capítulos curtos , porém a história deixa pontas soltas ( mesmo tendo uma continuação), e foca mais no drama romântico do que no mundo Reboot.


divulgar

comentar

17 abril 2017

Resenha: O que restou de mim #1- Kat Zhang ★★★

O Que Restou de MimTítulo: O Que Restou de Mim
Autor: Kat Zhang
Editora: Galera Record
Páginas: 320
Ano :2014
Sinopse: Addie e Eva são híbridas duas almas no mesmo corpo. Em sua realidade, todos nascem assim, mas, ainda na infância, uma das almas torna-se dominante. Mas isso nunca acontecia com as duas. Considerados instáveis e perigosos, os híbridos foram perseguidos e eliminados das Américas. E quando o segredo delas é ameaçado, Eva e Addie descobrirão da pior forma que há muito mais sobre os híbridos do que os noticiários de TV e os livros de história contam.

O Que Restou de Mim é o primeiro livro da série As Crônicas Híbridas de Kat Zhang, uma distopia que chama atenção pela linda capa, como também pelo que propõe quanto a historia.
Eva e Addie são duas almas que habitam um mesmo corpo. Inicialmente, somos apresentadas a esse mundo, em que a partir do momento que as pessoas crescem, elas vao se definindo, ou seja, uma das almas, a recessiva vai deixando de existir, permanecendo a dominante. Mas, isso não aconteceu com elas. Addie é tida como definida, mas ela sabe a verdade: a existência de Eva, escondida e esquecida no corpo, tornando-as  híbridas.
“Addie e eu nascemos dentro do mesmo corpo, os dedos fantasmagóricos de nossas almas entrelaçados antes de inspirarmos o ar pela primeira vez. Os primeiros anos que passamos juntas foram também os mais felizes. Depois vieram as preocupações, as rugas de tensão em torno da boca de nossos pais, os olhares de censura de nossos professores do jardim de infância, a pergunta que todos sussurravam quando achavam que não estávamos escutando.”
Porém, os híbridos são perseguidos e eliminados por serem considerados perigosos. Desse modo, Addie e Eva vivem discretamente e com esse grande segredo de todos.
 A narrativa é feita em primeira pessoa por Eva: a alma recessiva. Fluida e envolvente no universo criado pela autora. As duas almas são totalmente diferentes e complexas,mas o vinculo entre elas é forte e não consegui odiar uma ou outra.Pelo contrário, fui criando afeição e entendendo o ponto de vista de cada uma.
Muitas reviravoltas acontecem e o enredo  torna-se denso e complexo. Apesar de ser uma distopia diferenciada, um ponto negativo percebido foi: não consegui sentir onde estaria a reflexão, nem grandes críticas como esperava. Alguns acontecimentos ocorrem rápido demais e me deixaram cheias de perguntas Entretanto, achei a premissa interessante e continuarei a ler a sequência: Um dia existimos.. Para quem gosta do gênero distópico, é uma boa pedida.

Nota: ★★★



divulgar

comentar

15 abril 2017

Resenha:O céu noturno em minha mente - Sarah Hammond

O Céu Noturno em Minha MenteTítulo: O Céu Noturno em Minha Mente
Autor: Sarah Hammond
Editora: Galera Record
Páginas: 288
Ano: 2016
Sinopse: Mikey Baxter tem 14 anos, mas muitas coisas o diferenciam dos outros garotos da sua idade. Para começar, o pai está na prisão e a mãe se recusa a falar sobre o assunto. Ele sabe que, de alguma forma, isso está ligado à cicatriz em sua cabeça e ao fato de ele parecer ter mais dificuldade em entender certos assuntos do que os outros. Quando um misterioso assassinato ocorre em sua cidade e Mikey é o primeiro a chegar à cena do crime, ele não sabe o que pensar. O que o levou até ali? Quem teria matado o morador de rua da cidade, que parecia nunca ter feito mal a ninguém? E quem era o homem caipira que estava nos arredores?

 O Céu Noturno Em Minha Mente é aquele livro infanto-juvenil que promete um enredo misterioso e sensível, cheio de metáforas e que transmitirá uma mensagem aos seus leitores.

 Mikey é um garoto de 14 anos não tao comum como a maioria dos jovens de sua idade. Seu pai está preso há vários anos e sua mae jamais quer conversar sobre isso. Depois, Mikey tem uma cicatriz na cabeça, a qual sabe pouco, mas que tem a ver com a prisão do seu pai e com sua dificuldade em entender tudo.

 Mas também, Mikey é assombrado pelas sombras, que o permitem ver o Para Trás, os segredos e mistérios do passado, coisas que Mikey não quer saber e por isso acaba vendo uma cena de assassinato em sua cidade, além de ter quase certeza de que seu pai está por perto.

A narrativa é em primeira pessoa, com a  voz de Mikey sobre os fatos, garantindo toda a inocência e sensibilidade do protagonista. Mikey enxerga tudo e todos sem um pingo de malícia, com boas intenções.

Fiquei envolvida pelo mistério e encantada com o protagonista, pois pouco a pouco vamos conhecendo o passado de Mikey e os motivos de sua atual condição . Embora seja um livro infanto-juvenil , a trama é complexa e imprevisível, já que acompanhamos Mikey nessa jornada para entendimento da verdade.

 O Céu Noturno em Minha Mente aborda questões delicadas , mostrando a sensibilidade e trazendo símbolos e metáforas para assuntos que precisam ser discutidos por meio de sua história.

Nota: ★★★★


divulgar

comentar

12 abril 2017

Resenha:O Retorno de Izabel #2, J.A.Redmerski

O Retorno de IzabelTítulo: O Retorno de Izabel 
Série: Na Companhia de Assassinos 
1- A Morte de Sarai (2015)
2- O Retorno de Izabel (2015)
3- O Cisne e o Chacal (2016)
4- Seeds of Iniquity
5- The Black Wolf
Autora: J. A. Redmerski 
Editora: Suma de Letras
Páginas: 232
Sinopse: Determinada a levar o mesmo estilo de vida do assassino que a libertou do cativeiro, Sarai resolve sair sozinha em missão, com o propósito de matar o sádico e corrupto empresário Arthur Hamburg. No entanto, sem habilidades nem treinamento, os acontecimentos passam muito longe de sair como o planejado. Em perigo, Sarai nem acredita quando Victor Faust aparece para salvá-la — de novo. Apesar de irritado pelas atitudes inconsequentes dela, ele logo percebe que a garota não vai desistir de seus objetivos. Então não há outra opção para ele a não ser treiná-la. Com tamanha proximidade, para eles é impossível resistir à atração explosiva. Nem Victor nem Sarai podem disfarçar o que sentem, ou negar o desejo que os une. No entanto, depois de tantos anos de sofrimento e tantas cicatrizes emocionais, será que eles conseguirão lidar com um sentimento como amor? Só que Sarai — novamente na pele de Izabel Seyfried — ainda terá que passar por um último teste; um teste para provar se conseguirá viver ao lado de Victor, mas que, ao mesmo tempo, poderá fazê-la questionar os próprios sentimentos e tudo que sabe sobre esse homem.

 Já faz um tempo que li A Morte de Sarai, mas não consigo esquecer minha cara de pasma enquanto lia e o quanto fiquei encantada. É tudo muito intenso, frenético, doloroso e dramático de uma forma excêntrica. Quem diria que um assassino profissional e uma fugitiva seriam o casal perfeito?  É isso que me conquistou, personagem que vivem loucamente a vida e que sofreram e hoje são do jeito que são. Logo,  em O Retorno de Izabel, Victor e Sarai estão de volta e mudarão suas vidas completamente.

A nova Sarai está normal. Agora, conseguiu o que tanto quis: ser normal. Sair, estudar, namorar... porém não consegue superar seu passado. Cansada da vida normal, Sarai cria um plano e parte para uma caçada , cujo objetivo é matar aquele que não abandona seus pensamentos. Mas, acabará encrencada e  Victor reaparecerá em sua vida, contudo abrirá seu coração e formarão um time com um futuro totalmente diferente.

“Parece que fomos feitos um para o outro, como duas peças de um quebra-cabeça que de início parecem não se encaixar, mas que se adaptam perfeitamente quando vistas pelo mais improvável dos ângulos.

Novamente, o enredo conseguiu seguir eletrizante, envolvente e sensual. Gostei de ver o outro lado da  relação amorosa entre Victor e Sarai, sem os clichês de redenção dos personagens.
Portanto, espero ansiosamente pelos outros livros da série.
O Retorno de Izabel é o segundo volume da série “In the Company of Killers”, composta pelos livros: A Morte de Sarai; O Retorno de Izabel; The Swan & The Jackal; Seeds Of Iniquity; e The Black Wolf. 

                                        
                                        Nota: ★★★★



divulgar

comentar

06 abril 2017

Resenha: Bela Chama #4 , Jamie Mcguire


Título: Bela chama
Irmãos Maddox #4

Título original: Beautiful Burn
(The Maddox Brothers #4)

Autor: Jamie McGuire

Editora: Verus
Páginas: 336

Sinopse: Ellison Edson chegou ao fundo do poço. Na casa de férias de sua família no Colorado, o comportamento de Ellie finalmente chama a atenção de seus pais, mas não da maneira que ela esperava. Por causa disso, ela é afastada da fortuna da família e obrigada a se virar sozinha. Mas o redemoinho em que Ellie se encontra fica fora de controle, e ela comete um erro grave, que não vai ser capaz de reparar. Assim como Taylor, seu irmão gêmeo, Tyler Maddox é membro da Equipe Alpina de Bombeiros de Elite, combatendo incêndios florestais na linha de frente. Tão arrogante quanto charmoso, o estilo de vida nômade de Tyler torna mais fácil restringir seus relacionamentos a uma única noite. Quando ele conhece Ellie em uma festa durante a baixa temporada de incêndios, a personalidade forte e a atitude indiferente da garota o deixam fascinado. Mas, conforme seus sentimentos começam a se tornar intensos, Tyler se dá conta de que os demônios interiores da mulher que ele ama podem ser o inimigo mais poderoso que qualquer Maddox já enfrentou. Em Bela chama, você vai acompanhar a história quente e chocante de Tyler, o gêmeo Maddox que faltava na sua coleção dos irmãos mais irresistíveis da literatura new adult. E vai entender por que um Maddox é capaz de tirar a mulher amada do fundo do poço e levá-la às alturas.


Um dos livros mais esperados por mim: Tyler Maddox ( Beautiful Burn) . O irmão gêmeo do Taylor e bombeiro florestal também. O Ty é amor puro desde o começo, porém tive minhas dificuldades com ele , sabe?

 Ellie é a protagonista mais vida louca e complicada da Jamie Mcguire. Durona e festeira, com tantos problemas que chegou a me lembrar a Cami. Ellie sempre teve tudo na vida e sempre adiou a ajuda até o momento em que tudo foi por água abaixo. É no caminho do fundo do poço  que ela conhece o Tyler, tendo um caso de uma noite com ele. Porém, como todo Maddox, Tyler quer mais do que uma noite com ela.

Os pais ricos de Ellie chegaram ao limite quando a filha faz uma festona na casa da família e muitas coisas são destruídas. A punição de Ellie é ficar sem dinheiro, empregados e ela precisará de um emprego para se manter. Mas, Ellie acaba virando secretária do dono de uma revista local, sendo posteriormente promovida para fotógrafa . No qual sua primeira matéria é acompanhar a equipe de bombeiros da qual Ty faz parte.

Tyler é aquele cara que luta mesmo por uma garota: sempre cuidando dela,apesar da sua insistência em não querer ser só amigo. Bela Chama é direto, sem grandes enrolações, sem muitos dramas. Ellie é meu alvo de amor e ódio, fato que precisei entender pelo momento dela, por quão fundo ela estava do poço e começa a se reerguer aos poucos. Permitiu-se mudanças, se apaixona por Tyler e acredita que tudo pode dar certo para alguém como ela.

Bela Chama não foi meu livro favorito, mas não consegui parar a leitura por nenhum momento. Ah, matamos um pouco a saudade dos outros personagens: Travis, Abby, Cami, Trent, Taylor, Falyn e, rapidamente América, Shepley, Thomas e Liis. Para fãs da família Maddox, essa leitura é obrigatória e de certa forma, acrescentará mais para a história em geral.

                                          Nota: ★★★


divulgar

comentar

02 abril 2017

Resenha:Três Chances (Desejos #2), Alexandra Bullen

Três Chances
Título: Três Chances
Autora: Alexandra Bullen
Editora: Galera Record
Páginas:  304
Ano: 2016

Sinopse : Três chances  é aquele livro fofo que traz uma aventura cheia de vestidos mágicos,  com uma mistura moderna de cinderela e Alladin.
Hazel foi abandonada pela mãe quando ainda era bebe, mantida em lares de adoção durante toda a sua vida. Mas, ao completar 18 anos foi presenteada com vestidos mágicos, que correspondem a três desejos. E tudo o que ela mais quer é conhecer sua mae. Assim, é transportada para o passado e tem uma chance para mudar seu destino.

Três chances é o segundo volume da série Desejos, de Alexandra Bullen. São histórias bem diferentes e independentes entre si, ou seja, podes ler o livro separadamente ou fora de ordem. Porém, todos têm a mesma ideia: garotas que precisam de uma chance na vida para serem mais felizes.


Me encantei por Hazel: uma garota leve e cheia de problemas, que desejava muito ter conhecido sua mãe biológica, visto que sua infância é conturbada e instável. A falta de amor e carinho levam o leitor a desejar a felicidade de Hazel.

“Querida Hazel,
Como você provavelmente já notou, o vestido que lhe entreguei não é o mesmo que você trouxe à loja. Foi um vestido feito especialmente para você, e ele tem o poder de atender a um pedido.
(…)
E, por último, esses desejos foram concedidos a você porque você merece. Então use-os com cuidado e de todo coração. Esses são os únicos pedidos que contam.”


Alguns pontos foram bem previsíveis, mas outros ... foi algo surpreendente e inesperado. O desfecho seguiu e foi bem resolvido. Todavia, a mensagem de Alexandra Bullen é única: quantas vezes estamos cegos para certos objetivos e desejamos tanto isso a ponto de negligenciar outras partes da nossa vida, não parando para pensar que aquilo que desejamos , as vezes, não é o melhor para nossa vida.

Assim,  Três chances  foi uma leitura leve, envolvente e cativante, mágica de certa forma e reflexiva.

                                           Nota: ★★★★



divulgar

comentar

01 abril 2017

Resenha:1- A Corte de Névoa e fúria #2- Sarah J.Maas

Corte de Névoa e FúriaTítulo: Corte de Névoa e Fúria
1 : Corte de Espinhos e Rosas (2015)
2 : Corte de Névoa e Fúria (2016)
Autora: Sarah J. Maas
Editora: Galera Record
Páginas: 658
Sinopse: O aguardado segundo volume da saga iniciada em Corte de espinhos e rosas, da mesma autora da série Trono de vidro Nessa continuação, a jovem humana que morreu nas garras de Amarantha, Feyre, assume seu lugar como Quebradora da Maldição e dona dos poderes de sete Grão-Feéricos. Seu coração, no entanto, permanece humano. Incapaz de esquecer o que sofreu para libertar o povo de Tamlin e o pacto firmado com Rhys, senhor da Corte Noturna. Mas, mesmo assim, ela se esforça para reconstruir o lar que criou na Corte Primaveril. Então por que é ao lado de Rhys que se sente mais plena? Peça-chave num jogo que desconhece, Feyre deve aprender rapidamente do que é capaz. Pois um antigo mal, muito pior que Amarantha, se agita no horizonte e ameaça o mundo de humanos e feéricos.



COMO VOU SUPERAR ESSE LIVRO ? JÁ QUERO O PRÓXIMO PARA ONTEM !

Gente, quando li “ A corte de rosas e espinhos” eu fiquei louca completamente alucinada para ler o próximo livro. E quando pensei que não poderia ser melhor, foi, muito melhor. A  Corte de Névoa e Fúria foi uma surpresa de tal maneira que me apaixonei ainda mais pelos personagens e Feyre só me encantava.

O livro têm 654 páginas, mas não se engane. É difícil cansar da escrita da autora, que opta por contar a vida dos personagens, revelando seu passado e focando no aprofundamento deles.Com muita ação, capítulos focados em Feyre e na nova adaptação dela a outra parte da Corte. Muitos perigos, dramas, cenários serão apresentados, com um romance lento e lindo. Estou com o final na ponta da língua, desejosa para a continuação ( a série contará com 8 livros ).

“Mas eu estava envolta em um casulo de escuridão e fogo e gelo e vento, um casulo que derreteu o anel de meu dedo até que a liga de ouro escorresse para o vazio, e a esmeralda saiu quicando atrás dela. Envolvi meu corpo com aquela força violenta, como se pudesse evitar que as paredes me esmagassem por inteiro, e talvez, talvez, conseguir um mínimo de fôlego…
Eu não podia sair; não podia sair; não podia sair…”


Feyre amadureceu tanto, cresceu e mostrou que tinha coragem para encarar novos desafios.Tamlin me pegou de surpresa e Rhys me fez ama-lo, não só por ser o senhor da Corte 
Noturna.: um bad boy misterioso, mas que quer alguém para amar. Além dos diversos personagens secundários que são adoráveis.

"Eu era dele e ele era meu, e éramos o início, o meio e o fim. Éramos uma canção cantada desde a primeira brasa de luz no mundo."

A escrita da Sarah é  uma maravilha, uma perfeição a parte. Os personagens parecem reais, assim como as descrições dos cenários , que nos fazem imagina-los de forma vívida. Preciso insistir mais que essa série é uma das minhas preferidas? Recomendo demais e por favor, se lerem falem comigo e vamos conversar sobre Rhys e Feyre , okay?

Nota: ★★★★★



divulgar

comentar


Série: 13 Reasons Why vai te fazer refletir e ser mais gentil


Desde ontem (sexta-feira, 31 de março) ,  13 Reasons Why estreou, uma série original Netflix baseada no livro de mesmo nome de Jay Asher ( Os 13 porquês), que conta com produção executiva de Selena Gomez.
Uma série que aborda questões como suicídio, bullying, depressão e estupro, indo além disso e provocando reflexão sobre o quanto é importante ser gentil com os outros
13 Reasons Why narra a saga de Clay (Dylan Minnette), um garoto tímido que recebe do nada uma caixa com sete fitas, cada uma delas contando os motivos que levaram Hannah (Katherine Langford), sua crush, a cometer suicídio. Assim como no livro, cada lado aponta um culpado pela decisão drástica cometida por Hannah.
A série me prendeu nos 13 episódios , e apesar de já ter lido o livro e ter sentido a mesma coisa ao assistir: surpresa, curiosidade e intimidade com a Hannah, e um apreço imenso pelo Clay, que era apaixonado por ela e teve que lidar com a toda a verdade que estava ao seu redor.
              


divulgar

comentar