• Cinema
  • Inspiração
  • Leitura
  • Música
  • Playlist
  • Resenha
  • Série
  • Texto
  • Vídeo
31 dezembro 2017

Resenha: A melodia feroz #1, Victoria Schwab


Título: A melodia feroz (#01)
Série: Monstros da violência
Autora: Victoria Schwab 
(@veschwab)
Editora: Seguinte
Páginas: 384
Sinopse:Kate Harker e August Flynn vivem em lados opostos de uma cidade dividida entre Norte e Sul, onde a violência começou a gerar monstros de verdade. Eles são filhos dos líderes desses territórios inimigos, e seus objetivos não poderiam ser mais diferentes. Kate sonha em ser tão cruel e impiedosa quanto o pai, que deixa os monstros livres e vende proteção aos humanos. August também quer ser como seu pai: um homem bondoso que defende os inocentes. O problema é que ele é um dos monstros, capaz de roubar a alma das vítimas com apenas uma nota musical. Quando Kate volta à cidade depois de um longo período, August recebe a missão de ficar de olho nela, disfarçado de um garoto comum. Não vai ser fácil para ele esconder sua verdadeira identidade, ainda mais quando uma revolução entre os monstros está prestes a eclodir, obrigando os dois a se unirem para conseguir sobreviver.

A melodia feroz é o primeiro livro da duologia Monstros da violência da Victoria Schwab. A história é uma mistura de distopia e ficção , relatando os Estados Unidos pós colapso político/econômico.

A Veracidade ou Cidade V, é composta de humanos e monstros, divididos em dois lados: o Norte controlado por Callum Harker, que têm o poder nesse lado ; e o Sul, comandado por Henry Flynn, que  tenta manter o equilíbrio e a paz, evitando uma nova guerra.

Existem três tipos de monstros: os corsais – originam de atos violentos, perseguindo pessoas na escuridão e comendo carne e ossos; os malchais – que surgem dos homicídios, pálidos e se alimentam de sangue;e os sunais – que nascem dos crimes mais violentos e são parecidos com os seres humanos fisicamente, todavia são os monstros mais temidos e raros. A cada ação brutal, um novo monstro surge como consequência, por isso os seres humanso precisarão aprender a enfrentar esses monstros para salvar a si mesmos.


August recebe a sua primeira missão: vigiar Kate de perto na escola, a fim de evitar futuros problemas que resultem no fim da trégua entre os dois lados da Cidade V.August aceita a missão e finalmente começara a conviver com humanos. Mesmo, lutando com seu lado monstruoso todos os dias.

Sabe aquele livro que você esperava que já seria bom, mas não esperava que seria instigante e viciante?A Melodia Feroz trouxe um universo novo, personagens bem construídos, uma trama original e muita ação. Quanta criatividade, meus amigos ! Inicialmente , a leitura pode ser lenta, mas depois o ritmo é alucinante .

Victoria Schwab foge dos clichês distopicos, entregando uma obra de ficção inspirada na realidade e usando metáforas para mostrar as consequências da violência e como elas podem afetar a sociedade.. A narrativa acontece em terceira pessoa, dividida entre dois pontos de vista: Kate Harker e August Flynn. Kate, que sonha em seguir os passos do pai e ser temida e reconhecida como filha.  August foi um protagonista tao incrível e tao original. Ele é o equilíbrio entre os três irmãos adotados pelo líder dos sunais. Atraves de sua melodia , August vira monstro nas suas ações. Ilsa é o coração e as estrelas; Leo demonstra coragem e justiça. Todas as suas histórias serão contadas: de onde eles surgiram, o que eles são e do que são capazes de fazer. August é precioso demais, carismático e me conquistou rapidamente pela sua personalidade gentil.

Com uma narração única, sinto informa-lo que não haverá romance aqui ,apesarAugust e Kate estabelecem uma conexão de amizade.O enredo foca no aspecto político da cidade e no desenvolvimento da violência a partir disso.Os monstros criados por Victoria, fizeram meus olhos brilharem e minha admiração pela obra só aumentar. É incrível o quanto ela consegue criar um mundo de fantasia e ao mesmo tempo serem tao semelhantes a realidade. A violência é um ciclo insaciável, veroz, dolorida e que desperta o pior no ser humano.Os sunais, por exemplo, se alimentam dos pecados, trazendo a tona o sentimento de justiça e a devoção ao equilíbrio é fascinante.

A Melodia Feroz é impecável, original e completamente diferente de tudo o que já li. A trama surpreende, arrisca e expõe através da distopia e fantasia, a violência atual .A escrita da Victoria é viciante, fluida e nos conecta facilmente a essa magia das páginas.Estou extremamente ansiosa para ler Our Dark Duet, que será lançado no primeiro semestre de 2018. Amantes de fantasia , já sabem , não é? Super recomendo.

Nota:★(5/5)


divulgar

comentar

29 dezembro 2017

Resenha: A Rosa e a Adaga, Reneé Ahdieh

Série: A Fúria e a Aurora
1 - A Fúria e a Aurora (2016)
2- A Rosa e a Adaga (2017)
Autora: Renée Ahdieh
Editora: Globo Alt
Páginas: 366
Ano: 2017
Sinopse
A esperada continuação de A Fúria e a Aurora, inspirado no clássico As mil e uma noites Sherazade chegou a acreditar que seu marido, Khalid, o califa de Khorasan, fosse um monstro. Mas por trás de seus segredos, ela descobriu um homem amável, atormentado pela culpa e por uma terrível maldição, que agora pode mantê-los separados para sempre. Refugiada no deserto com sua família e seu antigo amor, Tariq, ela é quase uma prisioneira da lealdade que deve às pessoas que ama. Mas se recusa a ficar inerte e elabora um plano. Enquanto seu pai, Jahandar, continua a mexer com forças mágicas que ele ainda não entende, Sherazade tenta dominar a magia crescente dentro dela. Com a ajuda de um tapete velho e um jovem sábio e tempestuoso, ela concentrará todas as suas forças para quebrar a maldição e voltar a viver com seu verdadeiro amor.


Quando eu achava que não poderia me apaixonar mais por Shazi e Khalid, tudo acontece e a trama continua me puxando cada vez mais. A Rosa e a Adaga é a continuação de A Fúria e a Aurora escrito por Renée Ahdieh, um livro incrível que me fez mergulhar em um universo desconhecido e que explora a cultura árabe interlaçando a história de Mil e Uma Noites.

Khorasan foi atacada por rebeldes, Sherazade foi levada por Tariq para um acompamento onde encontrará sua irmã e seu pai. Shazi está cercada de inimigos, ao lado de um ex-amor que não sabe se pode confiar e receosa do que possa acontecer com seu marido, o Khalid. Todo mundo acredita que o Califa seja o monstro que mata mulheres inocentes porque quer.Enquanto isso, Khalid está tentando reconstruir a cidade de Rey, lamentando a perda de sua esposa e com a maldição batendo as suas costas. Além disso, está ameaçado de uma guerra. Em meio a traições, reviravoltas, uma separação forçada, Shazi está arquitetando planos para salvar Khalid da maldição e evitar uma futura guerra.

A Rosa e a Adaga me conquistou por completo, fiquei imersa na obra, me acomodei no deserto e adorei conhecer mais da cultura árabe. Renée Ahdieh construiu uma narrativa poderosa, mesclando romance e fantasia. A autora com sutileza consegue enaltecer suas personagens femininas, empoderando-as em um cenário machista e submisso.

A escrita de Renée Ahdieh é intensa,fluida e encantadora. Fiquei fascinada pela riqueza de detalhes na narrativa, pelos seus diálogos criativos e profundos, pelos personagens complexos e os cenários. Ela me transportou para o deserto e me fez viver como Shazi e Khalid.  

Mesmo afastados um do outro, a relação de  Khalid e Sherazade continua forte e essa força é passada além das paginas. Mostrando um amor raro e lindo, que foi construído aos poucos, com confiança, amizade e respeito.Esse romance é inesquecível. Ah, não poderia esquecer de Irsa,a irmã de Shazi, que foi amadurecendo durante a trama e se transformando em uma mulher forte. Suas partes no livro me surpreenderam e a fez uma personagem inspiradora.

 Sherazade é uma personagem á parte: incrível desde o inicio, uma fortaleza a ser vencida e que inspira por sua coragem, ousadia e atitude.Nesse segundo volume,Shazi descobre que a magia nasce em si, ela luta pela sua família e por seu amor e toda a ação do livro se deve a ela. Khalid se mostra mais aberto aos seus sentimentos nesse livro,bondoso e apaixonante. Em suma, A Rosa e a Adaga é um livro incrível que recomendo para amantes de  fantasia, romance e que curtam personagens femininas fortes. Vale a pena se aventurar no deserto e mergulhar nessa aventura.


Nota:★(4,5/5)



divulgar

comentar

24 dezembro 2017

Resenha: A prisão do rei #3, Victoria Ayerward



Título: A Prisão do Rei
Série: A Rainha Vermelha
1- A Rainha Vermelha (2015)
1.5 - Coroa Cruel (2016)
2- Espada de Vidro (2016)
3 - A Prisão do Rei (2017)
Autor: Victoria Aveyard
Editora: Seguinte
Páginas: 552
Ano: 2017 Sinopse: Mare Barrow foi capturada e passa os dias presa no palácio, impotente sem seu poder, atormentada por seus erros. Ela está à mercê do garoto por quem um dia se apaixonou, um jovem dissimulado que a enganou e traiu. Agora rei, Maven continua com os planos de sua mãe, fazendo de tudo para manter o controle de Norta — e de sua prisioneira.
Enquanto Mare tenta aguentar o peso sufocante das Pedras Silenciosas, o resto da Guarda Escarlate se organiza, treinando e expandindo. Com a rebelião cada vez mais forte, eles param de agir sob as sombras e se preparam para a guerra. Entre eles está Cal, um prateado em meio aos vermelhos. Incapaz de decidir a que lado dedicar sua lealdade, o príncipe exilado só tem uma certeza: ele não vai descansar enquanto não trouxer Mare de volta.

Ah , como eu estava ansiosa pela continuação. Esse livro foi intenso. Cada capitulo tem uma importância imensa em todo o enredo. Assim como, a autora proporcionou uma visão do Rei Maven que não conhecia antes, atribuindo um passado a suas ações presentes. O livro conta com muitas reviravoltas, romance, mortes e batalhas que moldam o futuro da série.

Mare está na prisão do rei, aos caprichos do Rei Maven. Ela está sentenciada a usar braceletes silenciadores, para que seus poderes não se manifestem.O amor de Maven é sombrio e Mare está presa a ela além das correntes.

Mare mudou um pouco nesse livro e é até compreensível , tendo em vista o que ela passou no anterior. Entao, ela tenta sorrir e dizer a si mesma que tudo ficará bem com sua família, seus amigos e consigo mesma. Ela amadureceu muito e provocou não ser uma personagem tao confusa como antes.

Maven é um dos meus personagens secundários favoritos: ele só melhora a cada livro e adquire uma complexidade intrigante, sempre sendo uma incógnita. Evangeline também poderia ter sido melhor aproveitada, mas foi tão bom conhece-la um pouco além da sua aparência.

A Prisão do Rei tem de tudo: batalhas, intrigas politicas e traições. A  guerra entre de vermelhos e prateados estão longe do fim e se torna cada vez mais perigosa e obscura. A escrita da Victoria é envolvente, alucinante, com algumas cenas de batalha bem construídas e de uma ação absurda. Porém, o romance continua não sendo o foco nessa continuação. Ele aparece e some, mas não sei se essas idas e vindas me agradaram.

Agora, falta apenas um livro para a série acabar: “War Storm” que tem previsão para 2018. Nesse momento, eu estou mais do que curiosa para saber como terminará tudo isso e furiosa com algumas escolhas dos personagens.


Nota:★(4/5)



divulgar

1 comentário

22 dezembro 2017

Resenha: Um trono negro #2, Kendare Blake


A Cerimônia de Aceleração mudou o destino das rainhas trigêmeas de Fennbirn. Com a chegada do Ano da Ascensão , Mirabella, Arsinoe e Katharine lutarão entre si para que apenas uma possa reinar. Todavia, laços serão formados, as vinganças estarão em andamento e as batalhas entre si chegarão a serem intensas.As três rainhas passaram por provações a todo momento, mas será que conseguirão sobreviver a ela ? Quem herderá o trono de Fennbirn ?

Posso afirmar que gostei muito de "Três Coroas Negras" e fiquei muito curiosa depois dos últimos acontecimentos do primeiro livro. Porém, esperava um pouco mais das batalhas e de ação. O romance no livro é algo que não consigo gostar muito. Kendare Blake continua seguindo o ritmo do primeiro livro, mas de fato sem grande intensidade com as batalhas e sangue. Já que esses momentos acontecem rapidamente.

Kendare Blake construiu um universo interessante e dominado de feminilidade. Os capítulos são alternados entre as três rainhas, e logo é perceptível as mudanças em cada uma. Arsinoe continua sendo a minha preferida: empoderadora e cheia de artimanhas. Mirabella é a mais gentil das irmãs. E Katharine está pavorosa.

A escrita é inicialmente lenta e detalhada, mas aos poucos estamos dentro da ilha, envolvidos pelas reviravoltas e todo o cenário que cerca as rainhas.Temos mais o desenvolvimento de personagens secundários que prometem revirar a ilha e trazer mais emoção a historia. Ler um livro com personagens femininas fortes e poderosas é incrivel! "Um Trono Negro" transborda originalidade e representatividade. Por mais livros onde as mulheres sejam tao ou mais fortes que os homens. 
 Kendare conseguiu superar o primeiro livro e fazer uma fantasia única.

 A diagramação do livro conta com um mapa completo da Ilha de Fennbirn e uma lista de personagens para que o leitor lembre . Inicialmente, a serie seria uma duologia, mas a autora decidiu adicionar mais dois livros. Todavia, já fico no aguardo para o terceiro livro da série. Indico a leitura para quem gosta de livros de fantasia com girl power.

Nota:★(4/5)




divulgar

comentar


Resenha:A fúria e a aurora #1, Renée Ahdieh


Série: A Fúria e a Aurora
1 - A Fúria e a Aurora (2016)
2- A Rosa e a Adaga (2017)
Autora: Renée Ahdieh
Editora: Globo Alt
Páginas: 336
Ano: 2016
Sinopse
Personagem central da história, a jovem Sherazade se candidata ao posto de noiva de Khalid Ibn Al-Rashid, o rei de Khorasan, de 18 anos de idade, considerado um monstro pelos moradores da cidade por ele governada. Casando-se todos os dias com uma mulher diferente, o califa degola as eleitas a cada amanhecer. Depois de uma fila de garotas assassinadas no castelo, e inúmeras famílias desoladas, Sherazade perde uma de suas melhores amigas, Shiva, uma das vítimas fatais de Khalid. Em nome da forte amizade entre ambas, Sherazade planeja uma vingança para colocar fim às atrocidades do atual reinado. 
Noite após noite, Sherazade seduz o rei, tecendo histórias que encantam e que garantem sua sobrevivência, embora saiba que cada aurora pode ser a sua última. De maneira inesperada, no entanto, passa a enxergar outras situações e realidades nas quais vive um rei com um coração atormentado. Apaixonada, a heroína da história entra em conflito ao encarar seu próprio arrebatamento como uma traição imperdoável à amiga.
Apesar de não ter perdido a coragem de fazer justiça, de tirar a vida de Khalid em honra às mulheres mortas, Sherazade empreende a missão de desvendar os segredos escondidos nos imensos corredores do palácio de mármore e pedra e em
cenários mágicos em meio ao deserto.

A história de Sherazade e do rei Khalid é arrebatadora. Já começo me perguntando porque demorei tanto para ler esse livro.  A fantasia é repleta de reviravolta, contando uma releitura do clássico As Mil e Uma Noites de forma mais romântica e encantadora. A Fúria e a Aurora entrou para minha listinha  de favoritos anos, tamanha foi minha surpresa e encantamento pela obra.

 Um reino é governado por Khalid:  um jovem tirano que a cada novo dia casa-se com uma jovem diferente para na aurora, mata-las. Depois de perder sua melhor amiga para Khalid,Sherazade se voluntaria para se casar com o rei, a fim de vingar o seu sofrimento e o de tantas famílias que perderam suas filhas. Sherazade planejou encantar o rei, contando historias a noite e com a chegada da aurora , parando no meio da história, a fim de atiçar a curiosidade do Kalifa.

Contudo, Sherazade  percebe com o passar dos dias, que existe algo por traz dessas mortes e sofrimento, ao perceber em Khalid uma dor profunda e sincera. Assim,ela buscará a verdade para ter a justiça, também descobrindo o amor e até onde alguém pode ir em nome dele.

A autora vai além da premissa, desenrolando os acontecimentos e instigando a leitura cada vez mais. O Kalifa Khalid esconde muito mais do que se pensa e é incrível quando ao lado de Sherazade vamos descobrindo essas camadas,derrubando as barreiras que prendem seus sentimentos.
  
A Fúria e a Aurora é uma história fantástica, com um romance arrebatador e em um cenário de vingança e ambição por poder. A mitologia e misticismo estão presentes no livro, assim como o amadurecimento dos personanagens. Narrado em terceira pessoa, a autora nos permite uma visão ampla de tudo o que acontece além da vista de Sherazade. Contudo, eu queria mais da visão de Khalid (espero que no próximo livro tenha).

 A narrativa é fluida, intrigante e quando me dei conta já tinha terminado o livro em apenas um dia com o coração na mao e a curiosidade apertando. Romance, aventura, mitologia, fantasia,perdão, superação,e muito mais você encontrará nesse livro .Recomendo de olhos fechados e espero que você seja arrebatado pela historia assim como eu fui.

 Quotes:
Nada, nem o sol, nem a chuva, nem a estrela mais brilhante no céu mais escuro, pode se comparar à maravilha que você é"

"Afinal, toda história tem sua própria história"
''Algumas coisas existem em nossa vida apenas por um breve instante. E nós devemos deixar seguir para iluminar outro céu.''

"- Você é uma força a ser temida quando defende o que é seu."

"- Se sou uma praga, então você devia se manter à distância, a não ser que planeje ser destruído. 
- Não. Me destrua."

"E, com um beijo, Sherazade se deixou levar. Pelo menino que era impossível, improvável estudo de contrates. O menino que reduzira a sua vida a cinzas, apenas para refazer o mundo diferente de tudo que ela conhecia."

Quando você encontra aquele que a faz sorrir como nunca sorriu antes, chorar como nunca chorou antes... não há nada a fazer senão se render. 

"Algumas coisas existem em nossas vidas por apenas um breve momento. E nós precisamos deixa-las ir para iluminar outro céu."

Nota:★(5/5)



divulgar

comentar

21 dezembro 2017

Resenha : Espada de Vidro, Victoria Aveyard


Título: Espada de Vidro
Série: A Rainha Vermelha
1- A Rainha Vermelha (2015)
1.5 - Coroa Cruel (2016)
2- Espada de Vidro (2016)
3- A prisão do rei (2017)
4. War Storm (2018)
Autor: Victoria Aveyard
Editora: Seguinte
Páginas: 496
Sinopse: O sangue de Mare Barrow é vermelho, da mesma cor da população comum, mas sua habilidade de controlar a eletricidade a torna tão poderosa quanto os membros da elite de sangue prateado. Depois que essa revelação foi feita em rede nacional, Mare se transformou numa arma perigosa que a corte real quer esconder e controlar.
Quando finalmente consegue escapar do palácio e do príncipe Maven, Mare descobre algo surpreendente: ela não era a única vermelha com poderes. Agora, enquanto foge do vingativo Maven, a garota elétrica tenta encontrar e recrutar outros sanguenovos como ela, para formar um exército contra a nobreza opressora. Essa é uma jornada perigosa, e Mare precisará tomar cuidado para não se tornar exatamente o tipo de monstro que ela está tentando deter.

   Espada de Vidro começa a partir das mudanças de Mare Barrow no tempo que passou no palácio da família real de Norta. Após a descoberta de seus poderes, mesmo sendo uma vermelha e acusada de ataques rebeldes, Mare encontra refúgio na Guarda Escarlate. Apesar de possuírem a mesma cor de sangue, ela é temida e desprezada por ter poderes que ninguém mais tem.

Todavia, Mare conseguiu uma lista antes de fugir do palácio com nome de outros que tinham sangue vermelho e poderes como prateados. Mare fará  de tudo para encontrar seus semelhantes,para formar um exército de sanguenovos , assim a rebelião trinfará. Mare descobre vermelhos com poderes destruidores: um corpo indestrutível, mudar de forma completamente, voar.

   Mas, além dela, o rei Maven e a Rainha Elara também estão a procura dos sanguenovos. Mare é a arma da rebelião, a garota elétrica, a Rainha Vermelha, a sangue prateada, porém será que ela conseguirá evitar as mortes que estão por vir ou se tornará tão forte e vermelha como a aurora?

Com aquele único gesto, ele mudou meu futuro e destruiu o próprio.”

Depois de mais de um ano sem ler nenhuma continuação de Rainha Vermelha, embarquei na continução da trama. O livro é regado de perigos que permanecem ao longo das 485 páginas. Eu não esperava nada, mas aconteceu quase tudo que me fez ficar grudada no livro. Romance, poderes especiais, personagens novos e um final que me abalou completamente e me deixou arrancando os cabelos. Tem traições, mortes, cenários incríveis e muito descobrimento, afinal Mare não é mais quem era no inicio da história. Ela mudou com tudo o que passou e seu sofrimento e dor estão enraizados em si.Mare se tornou alguém sombria, melancólica e questionável, mas também corajosa, quase invencível demais, realista contando seus defeitos e vivendo seus dilemas.

A narrativa é eletrizante, muita ação, muita rebeldia e um desenvolvimento que melhorou demais. Com boas doses de reviravoltas e com muita sutileza o romance aparece, já que não é o foco da história. UM ponto que me incomodou um pouco foi o pouco parecer dos vilões, mostrados somente pela narração de Mare. Também quanto as intenções de Cal, que foi um personagem confuso na maior parte do tempo. Mas, no geral, não pensei que adentraria de tal forma no mundo de Rainha Vermelha. Adorei o livro e mal posso esperar para ler A Prisão do Rei.


“Um dia ele vai partir ou morrer ou me trair como tantos outros já fizeram. Um dia, ele vai me magoar. “


“Tento não pensar no rosto dos mortos. Passar o tempo todo correndo para sobreviver é uma distração eficaz, mas mesmo a ameaça constante de aniquilação não é capaz de bloquear tudo. Algumas perdas são impossíveis de esquecer. (...) A minha existência foi a sentença de morte deles. E, claro, há aqueles que matei diretamente, por escolha própria, com minhas próprias mãos. Mas esses não lamento. Não posso pensar no que fiz, não agora. Não quando ainda corremos tanto perigo.”




divulgar

comentar

19 dezembro 2017

Resenha: Um beijo á meia noite #2, Eloisa James




















 Título:Um Beijo à Meia-Noite
Série: Contos de Fadas #2
Autora: Eloisa James
Editora: Arqueiro
Gênero: Ficção / Literatura Estrangeira / Romance 
Páginas: 304
Ano:2017
Sinopse: Kate Daltry é uma jovem de 23 anos que não costuma frequentar os salões da alta sociedade. Desde a morte do pai, sete anos antes, ela se vê praticamente presa à propriedade da família, atendendo aos caprichos da madrasta, Mariana. Por isso, quando a detestável mulher a obriga a comparecer a um baile, Kate fica revoltada, mas acaba obedecendo.Lá, conhece o sedutor Gabriel, um príncipe irresistível. E irritante. A atração entre eles é imediata e fulminante, mas ambos sabem que um relacionamento é impossível. Afinal, Gabriel já está prometido a outra mulher – uma princesa! – e precisa com urgência do dote milionário para sustentar o castelo.
Ele deveria se empenhar em cortejar sua futura esposa, não Kate, a inteligente e intempestiva mocinha que se recusa a bajulá-lo o tempo todo. No entanto, Gabriel não consegue disfarçar o enorme desejo que sente por ela. Determinado a tê-la para si, o príncipe precisará decidir, de uma vez por todas, quem reinará em seu castelo.


* LIVRO CEDIDO EM PARCERIA COM A EDITORA ARQUEIRO

Kate perdeu a mãe quando tinha 16 anos, logo depois seu veio a se casar novamente com sua madrasta. Porém, depois de falecer, sua herança ficou para sua mulher e sua nova irmã. Deixando Kate isolada para o sótão da casa e sendo tratada como criada.

Depois de alguns anos, Kate se acostumou com sua vida e como já havia passado o tempo de debutar na sociedade, passou a trabalhar na propriedade do seu pai, ajudando em tudo e a todos. Contudo, quando Victoria, sua irmã, sofre um acidente que a impede de ir ao baile do príncipe, o qual seria apresentada com seu noivo. Por isso, sua madrasta envia Kate no lugar da irmã , para fingir que é Victoria para que o príncipe aprove seu casamento .Nossa “Cinderela” é obrigada a ir ao baile, fingir que é a irmã e se cuidar para não ser pega. Gabriel, o príncipe, fará o baile para  apresentar sua noiva ,a Princesa Tatiana, da Rússia. O que o príncipe não esperava era que, ao conhecer Victoria( que na verdade é Kate), enlouqueceria de desejo por ela. A partir disso, ele precisará decidir quem reinará no seu coração.

“ A história começa com uma carruagem que nunca foi uma abóbora, embora parta em disparada à meia-noite; começa com uma madrinha sem varinha de condão, que perde de vista sua protegida. e começa com vários ratos que, secretamente, teriam adorado usar librés”

Eloisa James é maravilhosa e extremamente ousada ao reinventar Cinderela, mas de uma forma totalmente provocante e divertida. Kate é decidida, ousada e cheia de graça; o príncipe, Gabriel, é um homem muito charmoso, levando a suspiros, sorrisos bobos e uma paixão avassaladora. Uma narrativa envolvente, cativante, com direito a comédia, provocação na medida certa e até a fada madrinha.

Eu amo contos de fada e , logo, ler esse livro que teve como inspiração essas histórias, foi como voltar a infância, mas ao mesmo tempo me divertir como adulta com os diálogos dos personagens. Já quero ler toda a série da autora e me render aos romances de época . Se você curte um bom romance, com muito humor, confusão e provocação, Um beijo a Meia-noite te fará desejar ter também um príncipe encantado para ir atrás de você quando der a hora.

Nota:★(4,5/5)


divulgar

comentar

15 dezembro 2017

Resenha: Quando a Bela domou a Fera - Eloisa James




Título: Quando a Bela Domou a Fera 
Série: Contos de fada
Autora: Eloisa James 
Editora: Arqueiro 
Páginas: 320
Ano: 2017

Sinopse: Eleito um dos dez melhores romances de 2011 pelo Library Journal, "Quando a Bela domou a Fera" é uma releitura de um dos contos de fadas mais adorados de todos os tempos. Piers Yelverton, o conde de Marchant, vive em um castelo no País de Gales, onde seu temperamento irascível acaba ferindo todos os que cruzam seu caminho. Além disso, segundo as más línguas, o defeito que ele tem na perna o deixou imune aos encantos de qualquer mulher. Mas Linnet não é qualquer mulher. É uma das moças mais adoráveis que já circularam pelos salões de Londres. Seu charme e sua inteligência já fizeram com que até mesmo um príncipe caísse a seus pés. Após ver seu nome envolvido em um escândalo da realeza, ela definitivamente precisa de um marido e, ao conhecer Piers, prevê que ele se apaixonará perdidamente em apenas duas semanas. No entanto, Linnet não faz ideia do perigo que seu coração corre. Afinal, o homem a quem ela o está entregando talvez nunca seja capaz de corresponder a seus sentimentos. Que preço ela estará disposta a pagar para domar o coração frio e selvagem do conde? E Piers, por sua vez, será capaz de abrir mão de suas convicções mais profundas pela mulher mais maravilhosa que já conheceu?
  
Sabe aquela releitura gostosa e com um toque diferente de "A Bela e a Fera"? Definitivamente, esse livro entrou para a lista de melhores romances de época que eu li esse ano.

Piers Yelverton é o conde de Marchant, um médico inteligente, manco e com uum humor nada agradável, mais conhecido como “A Fera”. Seu pai, pensando no futuro da família, encontra uma noiva para seu filho, todavia a missão não é nada fácil, visto que Piers tem um temperamento horrível e consegue fazer temer qualquer pessoa . 

"Os lábios dele eram como conhaque, como um veneno que desceu por suas costas e roubou seu ar."

Porém, a bela noiva é Linnet, que é muito parecida com ele: possui um gênio forte, inteligente e que não é bem vista pela sociedade. Mas, esse jeitinho da Fera não será o suficiente para intimida-la. Entao, imagina só: duas pessoas com gênios parecidos, muitas provocações e flerte.

Esse é aquele romance de época com um bom drama: uma moça com a reputação destruída, um moço com um gênio forte , relacionamentos familiares turbulentes e muito romance.  Confesso que a escrita da Eloisa me fez devorar as paginas, rir e amar esses dois personagens e suas provocações. Afinal, adoro personagens com senso de humor sarcástico e uma história viciante.

A narrativa de Quando A Bela Domou A Fera tem a capacidade de conquistar pelos diálogos divertidos entre os personagens e o humor que se faz presente . As personalidades de Linnet e Piers são altamente combináveis e resultam em muita diversão.

"Um médico totalmente maluco e uma beldade terrivelmente conivente, mancando juntos rumo a uma vida de felicidade? Duvido muito. Você tem lido contos de fadas demais."

Outro fator que me fez amar esse livro foi a união de A Bela e a Fera e House. A ousadia de combinar um conto que eu amo e um personagem que sou fã desde o inicio da série. Mal posso esperar para conhecer as outras obras da série de Contos de Fadas, que traz as releituras de Cinderela, O Patinho Feio, A Princesa e a Ervilha e Rapunzel, livros independentes entre si .


Nota:★(4,5/5)


divulgar

comentar

10 dezembro 2017

Resenha: Histórias de Meu Romeu - Leisa Rayven


⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Lembro que adorei os livros da trilogia Meu Romeu, Minha Julieta e Coração Perverso e por isso, não poderia deixar de ler Histórias de Meu Romeu. Uma continuação que mata um pouquinho da saudade desses personagens 🌹🔥. O livro é divido em três contos, focando em cada um dos casais.

⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
“ Com certeza somos mais inteiros juntos do que jamais fomos separados “.

⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Em Desejos de Natal, Cassie e Ethan estão juntos e felizes após a separação que passaram, porém um passado coloca a prova toda essa felicidade. 
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Em Lista de safadezas, Elissa e Liam farão uma viagem juntos. Liam quer fazer uma surpresa a sua noiva, então o destino é segredo, mas todos serão surpreendidos pelo que está por vir.

 ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Em excitante Ano-Novo, Angel e Josh estão longe um do outro. Josh enfrenta uma crise de insegurança e ciúmes por Angel. Para isso, Josh decide mudar um pouco seu visual, mas ele entenderá que amor não vê aparências.
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Eu amei rever os personagens, mas meu conto favorito foi Desejos de Natal, muito divertido e fofinho na medida certa.Um spin-of que traz histórias mais quentes e cheias de amor e diversão desses casais . 


Nota:★(4/5)
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀




divulgar

comentar

09 dezembro 2017

Resenha: Tipos Incomuns, Tom Hanks









Título: Tipos Incomuns
Autor: Tom Hanks
Editora: Arqueiro
Ano: 2017
Páginas: 352
Sinopse:Um affaire agitado e divertido entre dois grandes amigos. Um ator medíocre que se torna uma estrela e se vê em meio à frenética viagem de divulgação de um filme. O colunista de uma cidadezinha com um ponto de vista antiquado sobre o mundo. Uma mulher se adaptando à vida na nova vizinhança após o divórcio. Quatro amigos e sua viagem de ida e volta à Lua num foguete construído num fundo de quintal.
Essas são apenas algumas das pessoas e situações que Tom Hanks explora em sua primeira obra de ficção. Os contos têm algo em comum: em todos, uma máquina de escrever desempenha um papel — às vezes menor, às vezes central.
Conhecido por sua sensibilidade como ator, Hanks traz essa característica para sua escrita. Ora extravagante, ora comovente, ocasionalmente melancólico, Tipos incomuns deleitará e surpreenderá seus milhões de fãs.

*LIVRO CEDIDO EM PARCERIA COM A EDITORA ARQUEIRO


Tipos incomuns, do famoso ator e roteirista Tom Hanks, reunirá uma seleção de contos: historias que com muito humor, tem em comum a máquina de escrever, o maior hobby de tom Hanks . Seus contos conduzem o leitor a mergulhar nas vidas dos personagens e com singularidade entender a vida humana.
  
A leitura é fluida e já me ganhou no comecinho com o conto Véspera de natal de 1953: os apaixonados Virgil e Del e seus filhos esperam a chegada do papai noel, sendo mostrado o companheirismo do filho mais velho em ensinar a sua irmã mais nova sobre as tradições e a mágica do Natal.

Em Três semanas Exaustivas, temos um conto divertido e que tentei não rir, mas foi impossível: Anna é uma mulher controladora além do normal, até com seu namorado, fazendo da vida dele uma agenda planejada do seu querer. Porém, o que parecia ser um castigo eterno, é relevado em um final surpreendente e cheios de motivos.

“Sim, eu tinha uma namorada. Uma namorada transforma um homem desde os sapatos que ele usa para praticar exercícios até o corte de cabelo. (...) Enganado pela adrenalina do romance, corri mais longe do que o meu corpo podia suportar.”

Todas as histórias de Tom Hanks retratam a vida humana e suas facetas. Desde um pai amoroso a um sufista em plenas dificuldades.  Tipos Incomuns conta com uma sensibilidade,humor, excentricidade, melancolia e uma variedade de adjetivos que definem cada conto e ao mesmo tempo revelam os segredos das relações pessoais.

“Era uma máquina de escrever, embora não se parecesse com nenhuma que Bette já tivesse visto. Era antiga, algo da era vitoriana, um aparelho de impressão mecânica com martelos se arqueando sobre o papel enrolado no cilindro. Paul bateu numa tecla cinco vez – toc toc toc toc toc -, adicionou uma gota de óleo às alavancas internas da máquina de escrever repetiu o processo.”

Tom Hanks me tirou das histórias completas e me colocou frente a realidade incompleta do nosso dia a dia. Já que muitas vezes não conseguimos realizar tudo o que planejamos para nossa rotina, somos desviados dela e muitas vezes nos surpreendemos no caminho ou aprendemos para o futuro.

A diagramação é simples, contando com retratos de máquinas de escrever da coleção do próprio autor. A capa define bem o amor pelas máquinas de escrever e a escrita incomum e real do autor. Recomendo o livro para você, que quer sair da rotina, ler um conto por vez ou todo dia, se divertir e refletir a partir da melancolia. E se rimou, não é minha intenção hoje em dia.


Nota:★(4/5)


divulgar

comentar

06 dezembro 2017

Resenha: Corte de Asas e Ruína , Sarah J. Maas


Respira e não pira. Meu coração ainda está a mil depois de dias da leitura desse livro. Não estava nem um pouco preparada para tudo o que aconteceu, para as emoções que senti, o aperto no peito e o quão envolvida estava na leitura.
High Lord and Lady of the Night Court by Charlie Bowater (aka one of my all-time favorite pieces of Feyre/Rhys fanart!!)

Querida Sarah J.Maas, você fez uma obra prima de fantasia. O amadurecimento dos personagens é nítido, principalmente o da Feyre: uma loba impossível de controlar. Meu Rhys, que desejo fortemente que exista de verdade. Afinal, posso ter um pouco de inveja desse relacionamento de parceria dos dois? O casamento mais foda dos livros, uma lealdade sem tamanho e o amor que transborda das páginas e chega ao leitor.


Meu povo, nesse livro você encontrará de tudo: vingança, atos de coragem, alianças, batalhas, vários casais a shippar e muita, mas muita inspiração nos personagens maravilhosos. Um mundo mágico a descobrir e a se aventurar.

 “ - E você virá comigo? Nessa aventura e em todas as outras?”⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
“ - Sempre.".
  
Uma leitura que dispensa comentários de quão maravilhosa e eletrizante é. São 682 que passam voando e quando você terminar, vai desejar reler tudo mais um vez. Com certeza, minha autora preferida de fantasia da vida é essa mulher, que arrebatou meu coração mais uma vez. Na verdade, deixou em pedaços mesmo, porque já quero o próximo livro, independente de quem narre, só quero mais de Prythian. Sofri, chorei e continuo amando a escrita da Sarah. Os: não te esquecerei , meu amor, Rhys.

 🌟“Noite Triunfante e a Eternidade de Estrelas. Se ele era a escuridão doce e aterrorizante, eu era a luz reluzente...” ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

Aqui temos um romance liríco, sensual e companheiro. Sem mimimi, sem clichês. Apenas sendo quem são, nunca colocando máscaras para brincar de mocinhos ou viloes. Outros personagens também nos conquistam, revelações viram à tona e casais serão formados. A escrita da Sarah é enlouquecedora, nos trazendo para dentro de todas as cenas e enriquecida de detalhes. São tantas cenas de batalha, que é impossível você não sentir que está lá, ao lado de Feyre e Rhys, lutando pela sua causa. Medo,  desespero, coragem e saudade definem meus últimos sentimentos quando estava terminando esse livro. E meu Grão-Senhor da Corte Noturna, Rhysand, meu crush que arrancou vários suspiros e muito amor ...


👑“Lembre-se de que você é uma loba. E não pode ser enjaulada." ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

Pelo Caldeirão!Preciso de mais palavras para te convencer a ler essa fantasia? Intenso, grandioso e brilhante. “Corte de Asas e Ruína” é uma despedida inesquecível da Feyre, nossa Grã-Senhora mais foda ,mas fica a dica: ainda terá outros livros, só não com ela como protagonista.

"Se ele era a escuridão doce e aterrorizante, eu era a luz crescente que apenas as sombras podiam fazer existir."



divulgar

comentar