• Cinema
  • Inspiração
  • Leitura
  • Música
  • Playlist
  • Resenha
  • Série
  • Texto
  • Vídeo
25 agosto 2016

Resenha:Alice no país das Armadilhas - #1 Mainak Dhar

Alice no País das Armadilhas  
Título: Alice no País das Armadilhas #1
Autor: Mainak Dhar
Editora: Única
Páginas: 256

Sinopse: O planeta Terra foi devastado por um ataque nuclear, e boa parte de sua população se transformou em Mordedores, mortos-vivos que se alimentam de sangue e, com sua mordida, fazem dos humanos seres como eles.
Alice é uma jovem humana de 15 anos que mora no País das Armadilhas, nos arredores da cidade que um dia foi Nova Déli, na Índia. Ela nasceu nessa nova realidade aterrorizante e teve de aprender a se defender sozinha desde cedo.
As coisas mudam quando Alice decide seguir um Mordedor por um buraco no chão: ela descobre a estarrecedora verdade por trás da origem das criaturas e se dá conta da profecia que ela mesma está destinada a consumar — uma profecia que se baseia nos restos chamuscados do último livro encontrado no País das Armadilhas, uma obra chamada Alice no País das Maravilhas . Uma mistura incomum de mitos, teorias conspiratórias e Lewis Caroll, Alice no País das Armadilhas pode parecer mais uma história de zumbi, mas é uma metáfora instigante de como tendemos a demonizar aquilo que não compreendemos.

Como amante eterna das aventuras da Alice do Lewis Carroll, a saudade estava um pouco grande e fui ler “Alice no país das Armadilhas”. A Alice tem 15 anos e vive em uma época chamada Insurreição. Logo, a sobrevivência é o principal lema dessa realidade, em que ela precisa matar ou fugir dos Mordedores: zumbis que mordem humanos para transformá-los em mortos-vivos (The Walking Dead).

Morando no País das Armadilhas, Alice vive com pessoas que são praticamente nômades: mudando de um lugar para outro para evitar ataques dos Mordedores ou fugir deles. Porém, Alice não é qualquer cidadã e foi criada com boa pontaria, agilidade e visando sobretudo a sua sobrevivência.

“— Quem de vocês é Alice?
— Quem está perguntando?
— E que diferença faz isso? [...] Alice respondeu:
— A diferença é que a resposta vai determinar se eu vou cumprimenta-lo com um sorriso ou com uma bala nesse seu boné ridículo.”

 Certo dia, enquanto monitorava uma área, um Mordedor chamou a atenção de Alice: usando orelhas de coelho e entrando em um buraco no chão. Curiosa, ela segue e descobre que no subterrâneo eles formam uma comunidade e são liderados por uma Rainha: que não é mordedora, nem humana, porém revela a Alice que ela foi escolhida para salvar o mundo.

E ao questionar a Rainha, Alice se questiona se essa guerra entre Mordedores x Humanos sempre existiu e se haveria uma chance de viver em paz de novo. Dessa forma, Alice viverá aventuras e enfrentará governos para mostrar que poderia haver paz naquele momento e em um prospero.

"Com toda a devastação que o mundo já sofrera, 
se houvesse ao menos uma pequena chance para que as coisas se acertassem,
valeria a pena lutar por isso." 

Apaixonada por The Walking Dead e Alice, claro que não poderia deixar de ler a mistura de ambos. Alice é uma personagem badass, corajosa e enfrenta TUDO mesmo! A história foi bem construída e muitos pontos esclarecidos do passado apocalíptico. A questão politica foi um dos diferenciais da obra, mostrando que a autora é criativa e inteligente ao questionar o governo deste mundo.

A historia é curta, mas cheia de ação e reviravoltas que podem prender o leitor, sendo uma leitura simples e divertida. Eu gostei muito do livro, mas não foi tao surpreendente o quanto esperava. O segundo livro já foi lançado pela Editora Única e o ultimo livro da trilogia pode ser lançado em breve. Para quem quer se divertir lendo essa mistura de apocalipse + Alice : recomendo !

“Por toda sua vida, os Mordedores tinham sido os bichos-papões da história, os monstros dos nossos pesadelos, aqueles que surgiam dos mortos para se voltar contra os humanos. Para Alice, era impossível assimilar a possibilidade de que os humanos tinham sido os responsáveis por começar tudo isso.”

 Nota: ★★★



divulgar

comentar


Comentário(s) pelo Facebook:

Nenhum comentário:

Postar um comentário