• Cinema
  • Inspiração
  • Leitura
  • Música
  • Playlist
  • Resenha
  • Série
  • Texto
  • Vídeo
08 novembro 2014

Resenha: Para Onde Ela Foi, Gayle Forman



Titulo: Para Onde Ela Foi #2
Autora: Gayle Forman
Editora:  Novo Conceito
Páginas: 240
Ano: 2014
Sinopse : Já se passaram três anos desde que Mia saiu da vida de Adam. E três anos ele passou se perguntando por que. Quando seus caminhos se cruzam novamente em Nova York, Adam e Mia são trazidos de volta para uma noite que poderá mudar suas vidas. Adam finalmente tem a oportunidade de fazer a Mia as perguntas que assombraram ele. Mas será que algumas horas nesta cidade mágica serão o suficiente para colocar o passado para trás? – Você pode realmente ter uma segunda chance no primeiro amor?


Ainda bem que a Editora Novo Conceito lançou bem rápido o ultimo livro da duologia Se Eu Ficar: Para Onde Ela Foi. O livro será narrado por Adam e como ficou sua vida após a recuperação de Mia e sua partida. 

“Sabe, eu pensei muito sobre isso nos últimos dois anos, disse ela em uma voz embargada. Sobre quem estava lá por você. Quem segurou sua mão enquanto você estava triste por tudo o que tinha perdido?”  

No primeiro livro, Mia era o foco principal e lembrem, para quem já leu, que a promessa dele e seu pedido para ela ficar , a acorda. O Adam é um rockstar, famoso por suas músicas e composições, acima de tudo ainda de coração partido por Mia. Aos poucos, conhecemos a vida de Adam atual, suas festas, opiniões e o assédio que sofre pela fama.

Mia é uma estrela de Julliard e há três anos não tem contato com Adam. Como duas pessoas que se amavam tanto podem romper sem nenhum motivo aparente, exceto que Adam fez Mia ficar e viver com a ausência de sua família todos os dias da sua vida. 

Você estava tão ocupado tentando ser meu salvador que me deixou sozinha.


Vivemos o presente e o passado no livro, vamos descobrindo o que Adam fez no nesses três anos  e acabo ficando mais apaixonada por Adam, sua intensidade. Viver sem um adeus era uma coisa que Adam nunca entendeu. 

“Meu primeiro impulso não é agarrá-la nem beijá-la. Eu só quero tocar sua bochecha, ainda corada pela apresentação desta noite. Eu quero atravessar o espaço que nos separa, medido em passos – não em milhas, não em continentes, não em anos –, e acariciar seu rosto com um dedo calejado. Mas eu não posso tocá-la. Esse é um privilégio que me foi tirado.”

Um livro distinto do Se Eu Ficar, a luta pela sobrevivência e pela vida. A intensidade do reencontro de Adam e Mia é surpreendente. A volta é como uma música que você odeia e ama, entende naquele momento por aquela razão, mas depois lembra do tempo e sorri novamente. Confuso, não é? É possível seguir em frente e perdoar alguém que nos magoo tanto?

Me odeie. Me devaste. Me aniquile. Me recrie. Por que não me recria?

NOTA: 



divulgar

comentar


Comentário(s) pelo Facebook:

Nenhum comentário:

Postar um comentário