• Cinema
  • Inspiração
  • Leitura
  • Música
  • Playlist
  • Resenha
  • Série
  • Texto
  • Vídeo
09 dezembro 2014

Resenha: Vermelho como o sangue , Salla Simukka



Título: Vermelho Como o Sangue
Autora: Salla Simukka
Editora: Novo Conceito
Páginas: 240
Sinopse : No congelante inverno do Ártico, Lumikki Andersson encontra uma incrível quantidade de notas manchadas de vermelho, ainda úmidas, penduradas para secar no laboratório de fotografia da escola. Cédulas respingadas de sangue. Aos 17 anos, Lumikki vive sozinha, longe de seus pais e do passado que deixou para trás. Em uma conceituada escola de arte, ela se concentra nos estudos, alheia aos flashes, à fofoca e às festinhas dominadas pelos garotos e garotas perfeitos. Depois que se envolve sem querer no caso das cédulas sujas de sangue, Lumikki é arrastada por um turbilhão de eventos. Eventos que se mostram cada vez mais ameaçadores quando as provas apontam para policiais corruptos e para um traficante perigoso, conhecido pela brutalidade com que conduz os seus negócios. Lumikki perde o controle sobre o mundo em que vive e descobre que esteve cega diante das forças que a puxavam para o fundo. Ela descobre também que o tempo está se esgotando. Quando o sangue mancha a neve, talvez seja tarde demais para salvar seus amigos. Ou a si mesma.

Era uma vez uma menina que aprendeu a ter medo. Contos de fadas não começam assim. Outras histórias, mais sombrias, sim."

Qual é a história desse título? E o que representa essa capa com uma mistura de pingos de sangue? Pelo título remetemos ao conto da Branca de Neve e foi pensando assim que li esse livro. O livro tem um mistério no ar, uma trama que torna-se até policial e uma tensão do inicio ao fim, que algumas vezes tornou-se fraca.

Lumikki. Sim, nome esse que significa Branca em finlandês. Ela é a nossa personagem estranha, excêntrica e com uma personalidade sombria e cheia de segredos. Uma garota de 17 anos que mora sozinha, não tem amigos e faz o máximo possível para não chamar atenção. Mas, em um certo dia , Lumikki esbarra em uma grande quantidade de dinheiro no colégio, um dinheiro sujo de sangue.
Movida pela curiosidade, ela envolverá-se em uma conspiração previsível e sem grandes futuros. Assassinatos, roubos, drogas, corrupção e isso tudo envolvendo contos de fadas.

O dinheiro estava envolvido com três jovens que estavam bêbados quando pegaram o pacote que foi simplesmente jogado no quintal de Elisa, filha de um policial de Narcóticos. Os problemas começam a surgir e Lumikki vai se envolvendo nessa grande confusão que fica a cada dia mais perigosa.

"Ela era a peça o quebra-cabeça que não tinha seu próprio lugar, mas poderia de repente preencher quase qualquer buraco que fosse necessário. Ela não era como os outros. Ela era exatamente como os outros."

A autora mistura contos de fadas e o mundo real, onde não existe príncipe para salvar ninguém e nem uma bruxa tão fraca.É um livro que tinha tudo para ser espetacular, ao envolver dois elementos diferentes, mas que no final pareceu fraco e toda a situação fácil demais, sem uma grande evolução.

Este livro introduz os próximos livros, os quais eu espero que sejam melhores e com uma trama mais intensa. 
(wordininmybag)

"Palavras, palavras, palavras, palavras, palavras, palavras, palavras, palavras. Frases, sentenças, perguntas, gritos. Beliscões, arranhões, tapas, arrastões, puxões, empurrões, chutes.
Você não é essas palavras. Você não é os gritos e os xingamentos. Você não é as coisas horríveis cuspidas em você como um chiclete sem gosto. Você não é os socos ou os ferimentos que elas causam. Você não é o sangue escorrendo do seu nariz. Você não está sob o controle delas. 
Você não é delas. Dentro de você, há sempre uma parte sua que ninguém pode tocar. Você é você. Você é sua e dentro de você está o universo. Você pode ser o que quiser. Você pode ser qualquer pessoa." 


NOTA: 


divulgar

comentar


Comentário(s) pelo Facebook:

Nenhum comentário:

Postar um comentário