• Cinema
  • Inspiração
  • Leitura
  • Música
  • Playlist
  • Resenha
  • Série
  • Texto
  • Vídeo
07 agosto 2015

Resenha: Prometo Falhar, Pedro Chagas Freitas

Prometo Falhar
Título: Prometo Falhar
Autor: Pedro Chagas Freitas
Editora: Novo Conceito
Gênero : Crônicas / Contos
Páginas: 400
Ano: 2015
Sinopse- Prometo Falhar é um livro que fala de amor. O amor dos amantes, o amor dos amigos, o amor da mãe pelo filho, do filho pela mãe, pelo pai, o amor que abala, que toca, que arrebata, que emociona, que descobre e encobre, que fere e cura, que prende e liberta. Em crônicas desconcertantes, Pedro convida o leitor a revisitar suas próprias impressões sobre os relacionamentos humanos. A linguagem fluida, livre, sem amarras, faz querer ler tudo de uma vez e depois ligar para o autor para terminar a conversa . Medo, frustração, inveja, ciúme e todos os sentimentos que nos ensinaram a sufocar são expostos sem pudores. Mergulhe de cabeça numa obra que mostra que é possível sair ileso de tudo, menos do amor. Você escolhe a ordem em que vai ler as crônicas do jovem escritor que tem 21 obras publicadas e é sucesso de vendas em Portugal.

 O que dizer do gênero crônica? Bem, eu adoro essa mistura de cotidiano com humor e sentimentos. Não é à toa, que quando recebi o livro "Prometo Falhar" em parceria com a Novo Conceito literalmente falhei. Com uma capa única e excêntrica , com um título chamativo e por ser crônicas, eu já estava quase apaixonada.

“...havia sempre uma hora ideal para a felicidade e era sempre agora, o amor só existe quando alguém desiste de ser perfeito.”

O livro do Pedro Chagas Freitas, um gajo que coloca em cheque o amor como centro em seus textos. Seja aquele amor desmedido, pelo pai, mãe, filho, pelo próximo, pelo seu amado ou amada e o amor pela vida. Só que não aqueles versos que estamos acostumados a ler. Já eu, tão acostumada a Carpinejar e Martha Medeiros pude ser conquistada por um novo cronista.

O amor mostrado é aquele amor que insistimos em não enxergar. Com falhas, que gera ciúme, raiva, dor, que o torna o mais imperfeito possível. Você já sentiu aquele amor ciumento que não permite olhar para outras pessoas ou até falar com mais alguém que você quase tem um infarto? Sim, acredito que alguma vez , sim. Aquele amor que você perdoa, seja traição, seja os erros mais imperdoáveis . E aquele amor que você não deixa de amar nunca, por mais que o tempo passe. Aquele amor que volta depois de anos e aquele amor platônico, que para muitos não existe, mas para ambos é tão raro que é lindo.

"Prometi nunca gostar de alguém como gosto de você e nem assim me sinto incoerente, ou talvez sinta e a coisa mais bela do mundo seja a incoerência, fazer agora o que não seria capaz de fazer antes, toda a razão está sobrevalorizada, pois se o que nos faz feliz raramente tem qualquer motivo por que haveríamos de colocar a razão acima de tudo?

São tantas crônicas que não dá para contar nos dedos. Muitas com trechos marcantes, com histórias fascinantes e emocionantes. Uma das minhas preferidas foi a do homem que não sabia ler e uma mulher viciada em leitura. Não vou contar mais nada, porque é uma das crônicas mais românticas que já li.

Pensamentos, poesia, sentimentos e falhas. Uma obra em que as falhas são o fato mais importante. Uma única ressalva quanto ao livro foi algumas referências a Deus que eu não gostei e algumas crônicas com conteúdos eróticos.enfim, é uma obra maravilhosa que todos tem que ter em casa. A minha unica ressalva foi algumas referencias a Deus, que não gostei. 

Porém, tudo no livro leva ao diferente. A falta de títulos, a estrutura textual o que nos leva a entender que o autor está retalhando vários pensamentos e sentimentos, como se fosse um diário. Fora isso, quase março metade do livro com frases fofas e que me emocionaram. Se você gosta de crônicas e quer algo diferente, fora do idealismo romântico , Pedro Chagas é a escolha perfeita para Prometer falhar15 de agosto em todas as livrarias do Brasil !

NOTA:  ★★★ 


divulgar

comentar


Comentário(s) pelo Facebook:

Nenhum comentário:

Postar um comentário