• Cinema
  • Inspiração
  • Leitura
  • Música
  • Playlist
  • Resenha
  • Série
  • Texto
  • Vídeo
08 dezembro 2015

Resenha:O Bangalô, Sarah Jio


O Bangalô

Título: O Bangalô
Autor: Sarah Jio
Editora: Novo Conceito
Páginas: 320
Ano: 2015
Sinopse:
Verão de 1942. Anne tem tudo o que uma garota de sua idade almeja: família e noivo bem-sucedidos.
No entanto, ela não se sente feliz com o rumo que sua vida está tomando. Recém-formada em enfermagem e vivendo em um mundo devastado pelos horrores da Segunda Guerra Mundial, Anne, juntamente com sua melhor amiga, decide se alistar para servir seu país como enfermeira em Bora Bora.
Lá ela se depara com outra realidade, uma vida simples e responsabilidades que não estava acostumada. Mas, também, conhece o verdadeiro amor nos braços de Westry, um soldado sensível e carinhoso.O esconderijo de amor de Anne e Westry é um bangalô abandonado, e eles vivem os melhores momentos de suas vidas… Até testemunharem um assassinato brutal nos arredores do bangalô que mudará o rumo desta história.A ilha, de alguma forma, transforma a vida das pessoas, e este livro certamente transformará você.

Sou fã assumida  da Sarah Jio desde que li Neve Na Primavera, cedido em parceria com a Novo Conceito. Me apaixonei de imediato pelo cenário e pela historia. Eu mal podia esperar para ler O Bangalô, o qual me deu mais certeza do talento da autora para me emocionar, mesmo não sendo tão imprevisível quanto eu previa.

Tudo começa quando Anne é questionada pela neta, Jennifer sobre seu passado durante a Segunda Guerra Mundial, quando foi enfermeira em Bora Bora, uma ilha no Taiti. A partir disso, voltamos a 1943, conhecendo a vida antes de Anne prestar serviços á ilha junto com sua melhor amiga, Kitty.

A maior parte do livro é narrada no cenário da Segunda Guerra Mundial em Bora Bora, em que Anne e Kitty conhecem suas colegas de enfermagem, alguns soldados e o qual ela também se encanta por Westry.

" Mas não se pode lutar contra o amor. Sei disso agora."
A realidade atual de Anne é cheia responsabilidade e a simplicidade , as quais ela não estava acostumada antes. Antes de deixar um noivo a sua espera. Antes de deixar sua família e embarcar em uma aventura com sua amiga. Porém, a viagem começa a valer mais do que a pena quando ela conhece Westry, um soldado sensível e amoroso. Juntos, ele encontram um esconderijo, um bangalô abandonado e fazem de tudo para reforma-lo da melhor forma que podem, vivendo ali uma historia de amor e os melhores momentos de suas vidas.

Todavia, acabam testemunhando um assassinato brutal na praia, perto do bangalô que mudou o rumo da vida de ambos.

“- É um mundo louco lá fora, Anne. Guerra. Mentiras. Traição. Tristeza. Tudo ao nosso redor. – Ele pegou meu rosto entre as mãos. – Da próxima vez que se preocupar que eu esteja me distanciando, venha aqui. Venha ao bangalô e sentirá o meu amor.”

A escrita da Sarah Jio é romântica e fiquei pensando se realmente teria resistido algumas ações tao brutais na época. O mistério da trama foi algo imperecível, porém algumas ações dos personagens já eram previstas. Contudo, os 70 anos que separam a narrativa dos dias atuais me impactou de uma forma boa, me fazendo sentir tantas emoções e ficar presa na história do inicio ao fim.

“Não acredito em contos de fadas, ou em cavaleiros com armaduras brilhantes. Conhece-se alguém. Gosta-se de alguém. Decide-se por amá-lo.Simples assim.”

Em O Bangalô, temos uma mudança de vida, uma ruptura com o comodismo da Anne, que vai em busca da felicidade longe de tudo, as suas escolhas decisivas e o rumo que tomou sua vida através das suas decisões. Estamos constantemente sujeitos a mudanças todos os dias: um acontecimento, uma palavra muda os rumos.

Doce, romântico e emocionante. Posso dizer com toda a certeza que amei O Bangalô , que esperava mais? Sim, mas continuei amando o que a Sarah Jio me deu com seu enredo. E ai? Topará ir para uma ilha paradisíaca e viver através de uma enfermeira as adversidades do ser humano, o horror da guerra, mas o amor que ela também poderá trazer?  

Nota:  


divulgar

comentar


Comentário(s) pelo Facebook:

Nenhum comentário:

Postar um comentário