• Cinema
  • Inspiração
  • Leitura
  • Música
  • Playlist
  • Resenha
  • Série
  • Texto
  • Vídeo
03 outubro 2017

Resenha: Admiravel Mundo Novo, Aldous Huxley

Título: Admirável Mundo Novo

Autor: Aldous Huxley
Editora: Globo de Bolso
Ano: 2014
Páginas: 312

Sinopse: A Terra agora se divide em dez grandes regiões administrativas. A população de 2 bilhões de seres humanos é formada por castas com traços distintivos manipulados pela engenharia genética: nos laboratórios são definidos os poucos dotados, destinados aos rigores do trabalho braçal, e também os que crescem para comandar. Não há espaço para a supresa, para o imprevisto. O slogan "comunidade, identidade e estabilidade" sustenta a trama do tecido social. Estamos no ano 632 depois de Ford - aquele da linha de produção de automóveis - quando o amor é proibido e o sexo, estimulado.Tais ingredientes levaram "Admirável mundo novo" a figurar ao lado de "1984", de George Orwell, e "Fahrenheit 451", de Ray Bradbury, como uma das principais obras antiutópicas do século XX, em que um futuro sombrio aguarda a humanidade.Alguns ainda veem na ficção de Huxley, esse inglês refinado e cultíssimo, uma crítica à crescente influência americana no período entreguerras, que trazia a reboque a cultura de massas e o "american way of life".
Este é, acima de tudo, um romance de ideias, que descreve as formas mais sutis e engenhosas que o pesadelo do totalitarismo pode assumir, e que resiste inexpugnável às interpretações político-ideológicas de esquerda ou direita suscitadas desde seu lançamento. Mundialismo, controle genético, adestramento comportamental e intoxicação coletiva não são dados soltos para a mente construir com eles uma utopia: são órgãos solidários e inseparáveis de um mesmo e único sistema. Onde quer que apareça um deles, os outros o seguirão, mais cedo ou mais tarde. A lógica deste romance imita e condensa a lógica da Historia. E Huxley, desenvolvendo a sensibilidade a ponto de criar esse retrato ainda hoje tão perturbador, tornou-se autor de um dos grandes clássicos da literatura mundial.


Imagine uma sociedade totalmente organizada, na qual todas as instituições que conhecemos (Família, casamento, amor, fé) não existem. Não havendo liberdade de escolha, a servidão seria aceitável devido a doses de felicidade química (como uma droga) , com ideologias que seriam ministradas em cursos durante o sono. Desde crianças , você seria condicionado a seríamos condicionados a uma vida funcional e adaptado aquele meio. Seríamos divididos em castas ou classes sociais . ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀ Esse é o Mundo Novo da obra ou seria nossa sociedade atual? ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀ ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
"Quando as portas da percepção forem abertas, todas as coisas surgirão diante do homem como verdadeiramente são: infinitas". ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

Na Sociedade criada por Huxley, o lema é "Comunidade, Identidade, Estabilidade” . As pessoas não eram mais concebidas de forma natural, agora são produzidas” em massa em laboratórios, como na  linha de produção de uma indústria .

"O Homem ainda faz parte da Natureza. Ele não pode anulá-la, pois ela vive dentro dele próprio. Ele ainda pode voltar a ser o que era antes de se "destacar" de seus "irmãos", se é que chegou a ser alguma coisa."

O "Mundo Novo" é próximo da perfeição , pois o Estado quer garantir o bem-estar da comunidade, assim não há doenças, fome, guerra , nem confusão quando você queria amar alguém , ninguém ficava velho fisicamente . Mas, e se você pudesse escolher ? Entre nossa sociedade, com injustas e falhas ou uma sociedade planejada para o "bem estar social", onde o todo é importante e o individual é reprimido?

A perfeição do Mundo Novo tem seu preço. Tudo em da felicidade, a opressao da verdade, evolução da ciência. As pessoas não seriam mais seres humanos e sim máquinas voltados para a vida coletiva. 
Assim como 1984 e A Revolução dos Bichos – ambas do George Orwell, Admirável Mundo Novo faz uma crítica contundente ao consumismo exacerbado, abordando o capitalismo opressor e com um ideal de perfeição ao consumismo. 

O livro foi um desafio, já que tive um pouco de dificuldade na linguagem, pois existem algumas palavras em desuso e algumas falhas no desenvolvimento que me incomodaram. Em resumo, eu gostei do clássico , porem o início foi muito mais fácil de ser compreendido e o drama do meio para o fim não me convenceu . Porém, leiam e tirem suas próprias  conclusões.


"Quando as portas da percepção forem abertas, todas as coisas surgirão diante do homem como verdadeiramente são: infinitas."



  Nota: ★★★★(4/5) 


divulgar

comentar


Comentário(s) pelo Facebook:

Nenhum comentário:

Postar um comentário